quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

“Se Escolher amar uma Mulher Desperta”




Se escolher amar uma mulher desperta, entenda que estará entrando em um território novo, radical e exigente. Se escolher amar uma mulher desperta não poderá continuar adormecido.
Se escolher amar uma mulher desperta cada parte da sua alma será despertada, não apenas seus órgãos sexuais, mas também seu coração. Mas, se pretende uma vida normal, siga com uma mulher normal.
Se deseja uma vida dócil, encontre uma mulher que decidiu ser submissa. Se deseja apenas mergulhar o dedo do pé nas águas que correm de Shakti, mantenha-se com uma mulher correta, que ainda não mergulhou na fúria do oceano sagrado feminino. É fácil amar uma mulher que ainda não ativou seus poderes sagrados internos, porque ela nada exigirá.
Ela não te porá à prova.
Ela não exigirá que te tornes o mais alto Ser que podes ser.
Ela não acordará as partes esquecidas e anestesiadas do seu Espírito pedindo que se lembre que há mais possibilidades de vida do que isso.
Ela não vai olhar fundo em seus olhos cansados e enviar raios de Verdade através do seu corpo, balançando-o acordado e sacudindo seus desejos perdidos há muito dentro de você.
Se isso não for suficiente para você - se o seu coração, corpo e espírito anseiam pela "Outra Mulher" - então deve saber que está prestes a transformar a alma. Deve saber que está fazendo uma escolha séria com consequências cármicas. Pois, se decidir adentrar a aura e o corpo de uma mulher cujo fogo espiritual está queimando, então saiba que estas ansiando por um certo nível de risco e perigo, com o propósito de crescer. Uma vez que começa a amar uma mulher dessa natureza você deve aceitar a responsabilidade.
Sua vida não será mais confortavelmente sonolenta o tempo todo. Sua vida não permitirá que fique preso aos velhos sulcos e rotinas estagnadas, pois ela - A Vida - assumirá radicalmente novo sabor e aroma.
Você será inflamado pela presença do selvagem feminino e irá sintonizar-se com o chamado Divino.
A escolha de ser sexualmente e amorosamente íntimo de uma mulher desperta, é para os homens que precisam de coragem para caminhar sem medo do desconhecido. Mas esse homem, vai colher recompensas além da compreensão da sua mente. Ela o levará a mundos desconhecidos de mistério e magia. Ela vai levá-lo hipnotizado e meio entorpecido de amor, às florestas selvagens do êxtase sensual e de admiração. Ela não vai fugir da sua "escuridão", porque a sua escuridão não vai assustá-la. Ela falará palavras que a sua alma entende.
É um risco enorme amar uma mulher desperta, porque de repente não há um lugar para se esconder. Ela vê tudo, para que ela possa amar com profundidade. Amar uma mulher como essa é escolher começar a viver com a sua alma no fogo. Sua vida nunca mais será a mesma, uma vez que convidou essa energia para entrar. Certifique-se, caso escolha amar uma mulher desperta de que escolheu por não passar o resto da vida olhando para trás sobre o seu ombro, tentando enxergar mais uma vez a visão turva de mistério feminino que desapareceu de sua vista. Pois ela terá voltado para as estrelas e galáxias distantes do céu...de onde ela veio.
 
Sophie Bashford

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

“Pó de Sumiço”



Magia para Afastar alguém Indesejado
Receita de Origem Italiana -  Tradição Stregheria
Esta fórmula é chamada de “Pó de Sumiço” pelas Streghe na Itália (Bruxas).
Receita antiga e original, passada tradicionalmente e somente entre a própria família.
No momento do ritual de preparação da magia do pó é necessário uma enorme concentração e fixação da pessoa indesejável em sua mente, ou somente mentalizar paz e proteção.
Assim, a pessoa que incomoda se sentirá indesejada fisicamente e se afastará por se sentir mal na presença do seu pó mágico.
Como um bônus, este pó também pode ser usado para parar qualquer tentativa de colocarem um feitiço em você, basta salpicar este pó ao seu redor quando sentir instintivamente que algo de ruim irá acontecer.
Misture os seguintes ingredientes:
- 1 colher de sopa de canela em pó
- 1 colher de sopa de noz-moscada
- ½ folha de papel de jornal em cinzas
Pegue meia folha de jornal e queime em seu caldeirão (ou panela), junte muito bem as cinzas.
Em um prato de louça, misture estes itens com os dedos até ficar homogêneo e coloque este Pó Mágico em um vidrinho hermético.
Sempre que a pessoa aparecer, jogue algumas pitadas do pó onde esta for se sentar, ou onde for ficar por alguns minutos…
Sempre poucas pitadas, não exagere na quantidade do Pó para não dar para perceber, pois o efeito é certeiro mesmo com pouco pó.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Dia dos Mortos




Dia dos Mortos é comemorado em festa cheia de alegria no México

A comemoração tradicional toma conta do país e celebra a visita das almas à Terra com variedade de cores, sabores, caveiras e zero melancolia.

Além de um dia de lembranças e saudade, o dia de Finados pode ser também um dia de festa, pelo menos em outros países, onde o 02 de novembro é celebrado com música, fantasias, apresentações teatrais, caveiras bem simpáticas e muita alegria.
O Día de Muertos (Dia dos Mortos) mais conhecido, é o mexicano e por ali a comemoração começou antes da chegada dos colonizadores espanhóis. Por lá e em alguns países da América Central e em comunidades dos EUA (onde há grande concentração de população com origem mexicana ou centroamericana) a festa acontece nos dias 01 e 02 de novembro, coincidindo com as celebrações católicas dos dias de Todos os Santos (01) e Finados (02).
A festividade mexicana é declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Conheça um pouco dos símbolos dessa tradição, cuja origem remonta há mais de 3000 anos:

Caveira: vida, morte e sátira

As ‘caveiras mexicanas’ que tanto vemos por aí (hoje é moda estampando tudo que é objeto – quem nunca viu uma linda camiseta com elas?) têm origem na festividade.
Em algumas culturas pré-hispânicas as celebrações no dia dos mortos remontam há mais de 3000 anos. Eram festas dedicadas às crianças e aos parentes mortos, presididas pela deusa Mictecacíhuatl, conhecida como a ‘Dama de la Muerte’ (dama da morte), atualmente relacionada com a personagem ‘La Catrina’, do pintor, ilustrador e cartunista mexicano, José Guadalupe Posada (1852-1913).
As caveiras do artista são cheias de vida. Vestidas de gala, à cavalo, em bicicletas etc, além de belas ilustrações também carregavam em si mensagem sociais e políticas.
A ‘La Catrina’, por exemplo, é uma sátira dos indígenas que, enriquecidos durante o Porfiriato (período no qual o México esteve no controle do general Porfírio Díaz) renegavam suas origens e costumes copiando modas europeias.

Originalmente chamada de La Calavera Garbancera, La Catrina foi rebatizada assim pelo pintor mexicano Diego Rivera (1886 – 1957).

Além da ‘caveira mãe’, as festividades contam com outras caveirinhas, que estão em ilustrações, artesanatos cerâmicos e até em forma de doce (de açúcar puro, chocolate etc). Há também as Caveiras literárias, versos bem humorados nos quais a morte (personificada) interage (muitas vezes satirizando) com personagens da vida real.

Outros símbolos

Calaveras de dulce – A maioria das caveiras doces (geralmente as de açúcar) tem escrito o nome do morto. Os mais bem humorados também escrevem nome de vivos (para fazer piadinha com os amigos, por exemplo).

Flores – Assim como no Brasil, no México as famílias dedicam o 02 de novembro para limpar e enfeitar os túmulos dos parentes que se foram. As mais belas e variadas flores fazem parte da decoração e tanto lá como aqui, o Crisântemo tem destaque. Os mexicanos acreditam que essa flor, lá chamada de Cempasúchitl ou Flor de cuatrocientos pélalos (flor de quatrocentas pétalas), atrai e guia a alma dos mortos.

Pan de muertos é um pão doce, adornado (com a própria massa) polvilhado de açúcar. Apesar de ser um simples pão, não é consumido durante todo o ano exatamente por estar associado à celebração do Día de Muertos.

Altares e oferendas – por lá, acredita-se que a alma das crianças volte no dia 01 de novembro e que a dos adultos volte no dia 02.
Na impossibilidade de se visitar o túmulo (porque ele já não mais existe, ou pela distância ou outro empecilho) as famílias montam em suas próprias casas, altares bem enfeitados, inclusive com foto(s) do(s) morto(s) e ali deixam oferendas como comida, o pan de muerto, bebidas, cigarros e brinquedos (para a alma das crianças).
Na decoração dos altares, cheia de simbolismo há desenhos do que seria o purgatório (os quais servem para pedir que o defunto saia de lá, caso por ali esteja); a Cruz de terra para que o defunto lembre de sua fé (católica) em alusão à frase “Lembra-te que do pó viestes e ao pó, hás de retornar”, bastante proferida nas missas de Quarta-feira de Cinzas (daí as cinzas); o papel picado, típico artesanato mexicano (parece rendado) e variados doces de abóbora (importante alimento do país, ao lado do milho, do feijão e do chile); além de imagens católicas.

Balões “guiam os espíritos”

Além de várias atividades para comemorar o dia dos mortos por todo o país, Paracho, no Estado de Michoacán sedia o Festival de Globos de Cantoya, em sua primeira edição internacional.
Na tradição mexicana, os balões iluminados soem ao céu para indicar aos espíritos a rota a se seguir para conseguirem chegar às suas antigas casas para o convívio de seus familiares, bem como mostrar-lhes o caminho de retorno, após a celebração.

Economia local


A celebração atrai os olhares de milhões de pessoas anualmente por conta da tradição milenar e da originalidade. O Día de muertos é uma das atrações mais esperadas durante todo o ano pelo turismo mexicano e se tornou motivo de viagem pelo país e à capital mexicana com diferentes objetivos, de estudos antropológicos e históricos a passeios culturais ou simples diversão.

Claudia Severo 

terça-feira, 1 de novembro de 2016

As faces do Deus Cornífero



O Deus realmente é deixado de lado muitas vezes nos cultos pagãos, como se a energia da Deusa pedisse essa dedicação exclusiva. Isto é verdade em parte, porque não é possível cultuar o Deus adequadamente enquanto não mergulharmos na Deusa e nos despirmos do Deus do patriarcado.
Quando no curso de nosso caminho – e isso demora até anos – está na hora do Deus voltar, a própria Deusa nos mostra seu Filho, Consorte, Defensor, Ancião.

Falando rapidamente: o Deus Jovem é, antes de tudo, a Criança da promessa, a semente do sol no meio da escuridão. Depois, é o Garoto do Pólen, o fertilizador em sua face mais juvenil, e traz a energia da alegria de viver, o poder de se maravilhar ante as descobertas da vida, é o experimentador, a face mais sorridente do sol matinal.
Dai surge o Deus Azul do Amor, o rapaz que cresceu e chegou na adolescência e desabrocha em beleza e masculinidade, é o Jovem Deus da Primavera, percorre as Florestas e acorda a natureza.
Ele é o Apaixonado, aquele que primeiro busca a Deusa como a Donzela e propicia o encontro… Ele é o Deus da sedução ainda inocente, que não conhece os mistérios da Senhora ainda… ele é toda possibilidade.

Depois ele é o Galhudo e o Green Man… O Deus é o macho na sua plenitude, O Senhor dos Chifres que desbancou o gamo-rei anterior, ele é força e poder, músculos e vitalidade, ele cheira a sexo e promessas. Ele é o Grande Amante, atraído irresistivelmente pela Senhora ele é o Provedor, o Sustentador, o Senhor Defensor.

Ele é o Senhor das Coisas Selvagens, o Deus da Dança da Vida, O Falo Ereto, O Fertilizador.
Como Green Man ele também é o Senhor da Terra e sua abundância, o parceiro da Senhora dos Grãos. O Senhor dos Brotos, aquele que cuida dos frutos e os distribui pela terra.
Mas o Deus é também O Trapaceiro, o Senhor da Embriaguez, o Desafiador e o Ancião da Justiça. Ele nos faz seguir um caminho e nos perdemos pra conhecer o pânico de Pan… ele nos deixa loucos como Dioniso ou perdidos nos devaneios de Netuno… ele é o Desafiador, seja nos duelos, seja na guerra, na luta pela sobrevivência… ele é caprichoso e insidioso, ele nos engana, nos deixa desesperados e sorri – porque esse é seu papel; estimular o novo, mostrar que nosso desespero é inútil e só nos escraviza.

Como a Deusa, Ele está na fome e no fim da fome, na vida e na doença terminal, na luz e na sombra, no que é bom para você e no que é mau… A Deusa nunca está só, ela tem sua contraparte masculina e, no entanto, Ele só existe por amor a Ela… alias, todos nós somos fruto dessa dança de amor.
O Deus é o Ancião sábio, o distribuidor da Justiça, seja a que se impõe com sabedoria ou raios… Ele conhece os segredos dos oráculos, mas sabe que são Dela… ele é o repositório do conhecimento, mas a sabedoria é Dela… ele lê os sinais da natureza, mas sabe que quem os escreve é Ela. E o velho sábio vai murchando e se transforma no Senhor da Morte… ele que é o Senhor de Dois Mundos, pois no ventre dela, de volta, ele vive sua morte e a própria ressurreição. Mistério e segredo, morte e retorno, Ele é o que atravessa os portais dos quais Ela é a Senhora.

Ele, o Caçador, que também faz o papel de Ceifador… Ele que ronda o leito dos moribundos e dança a dança da morte. O Senhor dos esqueletos.
Ele que na dança da morte retoma o brilho do sol e sua face negra se ilumina, em uma explosão impossível de conter, e Lugh nasce outra vez…
Ele que é pai, filho, bebê iluminado, amante selvagem, sábio educador… ele, o Deus que se revela apenas pela Deusa.

Mavesper Cy Ceridwen

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Ritual de Samhain para Bruxos Solitários



Você irá precisar de:

  • 1 vela preta
  • Incenso de noz moscada ou maçã
  • Todas as pedras negras, especialmente obsidiana e ônix
  • Caldeirão ou outro recipiente que possa substituí-lo
  • Maçã, pêra, uva, pães redondos, bolo de milho, vinho e sidra, (caso seja menor de 18 use limonada ou água de coco)
  • 1 folha de papel sem pauta e uma caneta ou lápis

Para dar início ao ritual:

Trace o círculo de proteção:
Dê 3 voltas no sentido horário e fale:

“eu crio este círculo sagrado aqui nenhum mal permanecerá que assim seja e que assim se faça”

Convide a Deusa e o Deus

Eu (seu nome) peço que nesta noite de Samhain que a Grande Mãe e o Grande Pai venham me abençoar e me proteger. Que assim seja e assim se faça.

Convidando os guardiões.

No leste fale:
Guardiões do ar, que os Silfos e seus  ventos ancestrais levem todo o mal que assim seja

No sul fale:
Guardiões do fogo que seus sagrados Dragões sejam meu escudo, que assim seja.

No oeste fale:
Guardiões da água, que as Ondinas tragam a magia dos eternos mares, que assim seja.

No norte fale:
Guardiões da terra que os Gnomos me dêem sua força, que assim seja


Erga o altar e coloque o alimento e a bebida.

Acenda uma vela dentro do caldeirão, caso não tenha, em um recipiente seguro no centro do círculo.


Acenda o incenso segure e fale:

“ Esta é a noite de Samhain
O Véu está fino, estamos entre mundos
Este é o tempo que não é nenhum tempo
Esta é a noite de Samhain, quando me lembro de todos os que partiram
Esta é a noite de Samhain, que traz o inverno, a véspera de um novo  tempo
O momento de banir a negatividade de nossa vida
Assim posso conhecer as bênçãos do novo ano.
Esta é a noite de Samhain, a noite que não é uma noite
O tempo entre o tempo
Quando me reúno para viajar a um lugar que não é um lugar
Que o Guardião dos Portais viaje comigo através do fogo aceso em minha mente
Que o Guardião dos Portais viaje comigo através do fogo aceso no caldeirão da regeneração, que é o ventre da Deusa
Que o Guardião dos Portais viaje comigo através dos fogos de Samhain, o fogo da lembrança, o fogo do amor em honra e lembrança de meus antepassados
Que assim seja e que assim se faça.”

Pegue a folha de papel escreva o que deseja banir de sua vida. Ex: raiva, tristeza, desequilíbrio emocional, desarmonia na família tudo que não queira mais na sua vida. OBS: TENHA MUITO CUIDADO COM  QUE PEDIR PENSE 3 VEZES.( o que você pedir irá se realizar no momento certo).

Queime  o papel com seus pedidos na chama da vela e visualize o que você pediu para banir indo embora com a fumaça.

Banquete
Coma e beba separe algumas frutas, bolo um pouco de bebida para depois do ritual oferecer aos ancestrais coloque em um jardim em uma árvore.

Encerre o ritual

Despedindo-se da Deusa e do Deus

Eu agradeço por me abençoar e me proteger nesta noite de Samhain que este novo ano a roda gire mais uma vez com muito amor, paz e prosperidade. Agradeço por suas presenças neste círculo sagrado.

Despedindo-se das torres

No leste fale:
Guardiões do ar, agradeço aos Silfos por  seus  ventos de bondade, que assim seja

No sul fale:
Guardiões do fogo que seus sagrados Dragões sempre me proteja, que assim seja.

No oeste fale:
Guardiões da água, obrigado as Ondinas por sua magia antiga, que assim seja.

No norte fale:
Guardiões da terra que os Gnomos que  sua força seja eterna como as antigas florestas, que assim seja

Feche o círculo:

Dê 3 voltas no sentido anti-horário e fale :

“este círculo é desfeito mas nunca quebrado, que assim seja e que assim se faça”


Fontes: A.B.C  da Bruxaria, Claudiney Prieto - Despertar das Bruxas, Júlia Maya - Arquivos  do Coven Lua de Prata

domingo, 30 de outubro de 2016

Atividades Tradicionais de Samhain


      
Tomar resoluções para serem colocadas em prática no próximo ano que se inicia.
Queima de pedidos.
Confeccionar um Jack O'Lantern.
Fazer oferendas de maçãs e pães no jardim dos ancestrais.
Adivinhação através do Tarô, das Runas, da bola de cristal, da vidência em espelho negro e caldeirões com água.
Fazer máscaras que expressem a sua sombra.
Confeccionar vassouras.
Confeccionar um Bastão Mágico.
Confeccionar uma Witch's Cord (Corda de Bruxa) para proteção durante o decorrer do ano.
Acender uma vela laranja à meia-noite para atrair sorte no ano que se inicia.
Erigir um Altar com a foto de seus ancestrais amados e colocar oferendas sobre ele, demonstrando seu agradecimento e reconhecimento pelos feitos deles na Terra.
Comidas e Bebidas Sagradas: maçã, romã, nozes, cidra, vinho quente, abóbora, chá de ervas, batata.  
         
Queima de Pedidos

A Queima de pedidos é um dos rituais tradicionais de Samhain. Nele banimos tudo o que tivemos de negativo e pedimos o que queremos atrair de positivo para o ano mágico que se inicia.
Para isso você vai precisar de:
          
Dois pedaços de papel em branco;
Um lápis;
Álcool de cereais;
Folhas de louro;
Seu Caldeirão.
          
Num dos papéis escreva tudo aquilo que você quer afastar de sua vida: obstáculos, doenças, pessoas indesejadas, dificuldades, etc.
No outro escreva tudo aquilo que você quer atrair para a sua vida: saúde, prosperidade, amor, sucesso, etc.
Seja bem específico em seus pedidos e não se esqueça de no final assinar e colocar a seguinte frase: Que tudo isso seja correto e para o bem de todos.
Coloque um pouco de álcool no seu Caldeirão, acenda-o e jogue o primeiro papel, aquele que contém as coisas que você quer afastar, no fogo. Enquanto o papel queima, mentalize o mal sendo afastado. Peça à Deusa e ao Deus que todas as forças negativas sejam anuladas e que o mal seja banido.
Espere o fogo acabar, então coloque um pouco mais de álcool no Caldeirão, tomando o devido cuidado, pois o álcool quando colocado em um recipiente quente evapora e pode entrar em combustão espontaneamente. Jogue então o segundo papel, aquele que contém as coisas que você quer atrair para a sua vida, no fogo. Coloque as folhas de louro nas chamas, sempre mentalizando as boas coisas que você quer atrair para a sua vida.
Quando o fogo acabar, concentre-se na fumaça, provocada pelas folhas, subindo os céus, e peça que seus pedidos se elevem ao mundo dos Deuses.

Confeccionando um Jack O'Lantern

A confecção do Jack O'Lantern é uma atividade tradicional desse Sabbat. Eles enfeitam toda a nossa casa no decorrer do dia, além de servirem de ornamentação indispensável para a cerimônia de Sabbat.
Coloque um Jack do lado de fora de sua casa na noite de Samhain para afastar o s maus espíritos e visitas indesejadas de outros planos.
Para confeccionar um Jack você vai precisar de:
          
· Uma abóbora ou moranga;
· Uma faca;
· Uma vela branca;
· Um óleo essencial de patchuli.
          
Faça uma tampa na parte superior da abóbora, retire suas sementes e com a faca entalhe uma face na abóbora da forma que você achar melhor. Unja a vela branca com a essência de patchuli e coloque-a dentro da abóbora. Acenda a vela dizendo:
Com esta vela, por esta luz e pela brisa que vem do além
Eu dou as boas-vindas aos espíritos nesta noite de Samhain.

Trançando uma Corda de Bruxa

Trançar uma Corda de Bruxa (Witch's Cord) é um ato tradicional na noite do Samhain. Elas simbolizam o cordão que liga todos nós ao Outro Mundo, além de serem uma representação simbólica do cordão umbilical que traz todos à vida terrestre.
A Corda de Bruxa é confeccionada utilizando cores apropriadas que simbolizem aquilo que você quer atrair para sua vida no ano mágico que se inicia. Por isso escolher a cor correta para confeccionar sua Corda de Bruxa é essencial:
          
Branco: Para harmonia.
Vermelho: Para afastar os inimigos, vencer os obstáculos, atrair garra e coragem.
Laranja: Para sucesso e prosperidade.
Rosa: Para atrair amor.
Preto: Para proteção e afastar o azar.
Verde: Para abundância.
Amarelo: Para atrair saúde e ter sorte no comércio.

Caso sua necessidade seja maior do que apenas uma cor pode lhe oferecer, você poderá escolher até três cores diferentes que representem os seus desejos para o próximo ano.
Pegue três barbantes na cor ou cores escolhidas e corte-os na medida de sua altura. Então comece a trançar os barbantes, sempre mentalizando aquilo que você quer atrair para a sua vida, pedindo que a Deusa e que o Deus lhe auxiliem e abençoem a corda que você está trançando.
Quando tiver terminado, costure ou cole alguns símbolos no decorrer da corda que representem o seu objetivo. Por exemplo: corações para amor; moedas para prosperidade, etc.
Coloque a sua Corda sobre o seu Altar durante a celebração do Sabbat e consagre-a durante a cerimônia.
Pendure a sua Corda de Bruxa em um lugar de sua casa e, sempre que visualizá-la, lembre-se dos objetivos que o motivaram a confeccioná-la. Assim sua vontade será ativada.

Fonte: WICCA A Religião da Deusa, Claudiney Prieto.

Samhain


Hemisfério Norte: 31 de Outubro
Hemisfério Sul: 1 de Maio



O Samhain (pronuncia-se "sou-en"), também chamado de Halloween, Hallowmas, Véspera de Todos os Sagrados, Véspera de Todos os Santos, Festival dos Mortos e Terceiro Festival da Colheita, é o mais importante dos oito Sabbats dos Bruxos. Como Halloween, é um dos mais conhecidos de todos os Sabbats fora da comunidade wiccana e o mais mal-interpretado e temido.

Samhain celebra o final do Verão, governado pela Deusa. (O nome Samhain significa "Final do Verão".)

Samhain é também o antigo Ano Novo celta / druida, o início da estação da cidra, um rito solene e o festival dos mortos. é o momento em que os espíritos dos seres amados e dos amigos já falecidos devem ser honrados. Houve uma época na história em que muitos acreditavam que era a noite em que os mortos retornavam para passear entre os vivos. A noite de Samhain é o momento ideal para fazer contato e receber mensagens do mundo dos espíritos.

A versão cristã do Samhain é o Dia de Todos os Santos (1o de novembro), que foi introduzido pelo Papa Bonifácio IV, no século VII, para substituir o festival pagão. O Dia dos Mortos (que cai a 2 de novembro) é outra adaptação cristã ao antigo Festival dos Mortos. é observado pela Igreja Católica Romana como um dia sagrado de preces pelas almas do purgatório.

Em várias regiões da Inglaterra acredita-se que os fantasmas de todas as pessoas destinadas a morrer naquele ano podem ser vistos andando entre as sepulturas à meia-noite de Samhain. Pensava-se que alguns fantasmas tinham natureza má e, para proteção, faziam-se lanternas de abóboras com faces horrendas e iluminadas, que eram carregadas como lanternas para afastar os espíritos malévolos. Na Escócia, as tradicionais lanternas Hallows eram esculpidas em nabos.

Um antigo costume de Samhain na Bélgica era o preparo de "Bolos para os Mortos" especiais (bolos ou bolinhos brancos e pequenos). Comia-se um bolo para cada espírito de acordo com a crença de que quanto mais bolos alguém comesse, mais os mortos o abençoariam.

Outro antigo costume de Samhain era acender um fogo no forno de casa, que deveria queimar continuamente até o primeiro dia da Primavera seguinte. Eram também acesas, ao pôr-do-sol, grandes fogueiras no cume dos morros em honra aos antigos deuses e deusas, e para guiar as almas dos mortos aos seus parentes.

Era no Samhain que os druidas marcavam o seu gado e acasalavam as ovelhas para a Primavera seguinte. O excesso da criação era sacrificado às deidades da fertilidade, e queimavam-se efígies de vime de pessoas e cavalos, como oferendas sacrificiais. Diz-se que acender uma vela de cor laranja à meia-noite no Samhain e deixá-la queimar até o nascer do sol traz boa sorte; entretanto, de acordo com uma lenda antiga, a má sorte cairá sobre todo aquele que fizer pão nesse dia ou viajar após o pôr-do-sol.

As artes divinatórias, como a observação de bola de cristal e o jogo de runas, na noite mágica de Samhain, são tradições wiccanas, assim como ficar diante de um espelho e fazer um pedido secreto.

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Samhain são maçãs, tortas de abóbora, avelãs, Bolos para os Mortos, milho, sonhos e bolos de amoras silvestres, cerveja, sidra e chás de ervas.

Incensos: maçã, heliotropo, menta, noz-moscada e sálvia.
Cores das velas: preta, laranja.
Pedras preciosas sagradas: todas as pedras negras, especialmente azeviche, obsidiana e ônix.
Ervas ritualísticas tradicionais: bolotas, giesta, maçãs beladona, dictamo, fetos, linho, fumária, urze, verbasco, folhas do carvalho, abóboras, sálvia e palha.

Ritual do Sabbat Samhain


Em muitas tradições wiccanas, é costume o Bruxo jejuar um dia inteiro antes de realizar o Ritual do Sabbat Samhain.

Após o banho ritual com água salgada para limpar seu corpo e sua alma de todas as impurezas e energias negativas, coloque uma veste cerimonial longa e preta (a menos que prefira trabalhar sem roupa, como fazem muitos Bruxos), use um colar de bolotas feito a mão em torno do pescoço e coloque uma coroa de folhas de carvalho na cabeça.

Comece traçando um círculo de 3m de diâmetro, usando giz ou tinta branca. Coloque 13 velas pretas e cor de laranja em torno do círculo e à medida que for acendendo cada uma diga: VELA SAMHAIN DO FOGO TãO BRILHANTE CONSAGRE ESTE CíRCULO DE LUZ.

No centro do círculo erga um altar voltado para o norte. No centro do altar, coloque três velas (uma branca, uma vermelha e uma preta) para representar, cada uma, uma fase da Deusa Tripla. à esquerda (oeste) das velas, coloque um cálice com sidra e um prato contendo sal marinho. à direita (leste) das velas, coloque um incensório com incenso de ervas e uma pequena tigela com água. Diante das velas (sul), coloque um sino de altar de latão, um punhal consagrado e uma maçã vermelha. Faça soar três vezes o sino do altar e diga: SOB O NOME SAGRADO DA DEUSA E SOB A SUA PROTEçãO, INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Salpique um pouco de sal e água em cada ponto da circunferência em torno do círculo para limpar o espaço de qualquer negatividade ou influência maligna. Pegue o punhal com a mão direita e diga: OUçAM BEM, ELEMENTOS, AR, FOGO, áGUA E TERRA. PELO SINO E PELA LÂMINA EU VOS CONVOCO NESTA SAGRADA NOITE DE ALEGRIA.

Mergulhe a lâmina do punhal no cálice com a sidra e diga: EU TE OFEREçO, OH, DEUSA, ESTE NéCTAR DA ESTAçãO.

Coloque o punhal de volta no altar. Acenda o incenso e as três velas do altar e diga: TRêS VELAS EU ACENDO EM TUA HONRA, OH, DEUSA: BRANCA PARA A VIRGEM, VERMELHA PARA A MãE, PRETA PARA A ANCIã. OH DEUSA DE TODAS AS COISAS SELVAGENS E LIVRES, A TI ERGO ESTE TEMPLO SAGRADO EM PERFEITA CONFIANçA.

Pegue o cálice com ambas as mãos e derrame algumas gotas da sidra sobre a maçã, dizendo: AO VENTRE DA DEUSA MãE RETORNA AGORA O DEUS, ATé O DIA EM QUE NOVAMENTE RENASCERá. A GRANDE RODA SOLAR GIRA MAIS UMA VEZ. O CICLO DAS ESTAçõES NãO TERMINA NUNCA. ABENçOADAS SEJAM AS ALMAS DAQUELES QUE VIAJARAM ALéM PARA O MUNDO ESCURO DOS MORTOS. EU DERRAMO ESTE NéCTAR EM HONRA à SUA MEMóRIA. QUE A DEUSA OS ABENçOE COM LUZ, BELEZA E ALEGRIA. ABENçOADOS SEJAM! ABENçOADOS SEJAM!

Beba o restante da sidra e, então, coloque o cálice no seu lugar no altar. Faça soar o sino três vezes, desfaça o círculo apagando as velas de cores laranja e preta, começando do leste e movendo em direção levógira. Pegue a maçã do altar e enterre-a do lado de fora para nutrir as almas dos que morreram no último ano.

O Ritual de Samhain está agora completo e deve ser seguido de meditação, divinação em bola de cristal, recital de poesia mística inspirada na Deusa e uma prece dos Bruxos pelas almas de todos os membros da família e dos amigos que passaram para o Plano Espiritual.

Fonte: 'Wicca - A Feitiçaria Moderna', de Gerina Dunwich

A Religião Wicca



O que é a Religião Wicca?


A Arte (como é chamada a religião Wicca) é uma religião de amor e alegria, também é uma religião xamânica, pois prega a existência de mundos paralelos ao nosso e a possibilidade de contato com os seres deste outros mundos , ao contrário do cristianismo não prega a felicidade unicamente após a morte.

A simpatia pela natureza se deve a um sentimento arraigado de pertencermos a ela e não a idéia de que Deus criou a natureza para ser dominada e explorada pelo homem. Um animal é um irmão, assim como uma pedra ou uma árvore. A mulher tem um papel muito importante na Bruxaria pois como mãe ela é uma personificação da Grande Mãe Natureza.

Devido a civilização o Homem moderno perdeu grande parte de sua conexão com a Terra, mas este não é o caso do bruxo, mesmo neste mundo mecanizado e sofisticado o Wiccanianos mantêm seu vínculo e culto a Mãe Natureza, pois reconhecem seu poder e percebem sua alma (Anima Mundi).

Filosofia

A pedra angular da Bruxaria e seu credo é:

1- Praticamos uns ritos para nos colocar em harmonia com o ritmo natural das forças naturais marcadas pelas fases da Lua e das Estações.
2- Temos consciência de que nossa inteligência nos outorga uma responsabilidade única em relação ao meio ambiente Pretendemos viver em harmonia com a Natureza, num equilíbrio ecológico e respeitando a vida dentro de um conceito evolucionário.
3- Reconhecemos um poder maior do que o detectado pela pessoa comum, tão forte que pare sobrenatural, porém que encaramos como algo que pode ser alcançado por todos.
4- Cremos num poder criativo do Universo que se manifesta através da polaridade- como masculino e feminino e, este mesmo poder reside em todas as pessoas e opera mediante a interação do masculino e feminino. Valorizamos a ambos por igual, sabendo que cada um é o apoio do outro. Valorizamos o sexo como prazer, como o símbolo e manifestação da vida .
5- Reconhecemos tanto o mundo externo como o interno ou psíquico, às vezes conhecido como mundo espiritual , O Inconsciente Coletivo, ou Planos interiores, vendo a interação entre estas duas dimensões como base para os fenômenos paranormais e exercícios mágicos. Prestamos igual atenção às duas dimensões, considerando ambas necessária para nossa realização.
6- Não reconhecemos nenhuma hierarquia autoritária, mas honramos os que nos ensinam, respeitamos os que compartilham seus conhecimentos e sabedoria e respeitamos os que valentemente se dedicam a serem mestres.
7- Consideramos que a religião, a magia e a sabedoria nos unem em nossa forma de contemplar e viver dentro do mundo e identificamos esta filosofia e visão mundial com a bruxaria o caminhos dos Wiccanianos.
8- O chamar-se bruxa/o não constitui uma bruxa, nem a herança em si, nem a coleção de títulos, graus ou iniciações. Uma bruxa pretende controlar as forças vitais dentro de si mesmo a fim de viver sabiamente, em harmonia com a Natureza e sem prejudicar ninguém.
9- Afirmamos nossa crença na vida, no progresso da evolução e no desenvolvimento do conhecimento , os quais dão significado ao Universo conhecido por nós e nosso papel dentro dele
10- Nossa única rixa com outras religiões é quanto a serem o único caminho, privando a liberdade aos demais e suprimindo outras práticas e crenças religiosas
11- Não nos preocupamos com debates sobre a história da Arte, origens e legitimidade de diferentes tradições, interessamo-nos só pelo presente e futuro.
12- Não aceitamos o conceito de mal absoluto, nem adoramos nenhuma entidade maligna. Não buscamos o poder através do sofrimento dos demais.
13- Cremos que devemos buscar dentro da Natureza para nossa saúde e bem-estar.

Verdades e Mentiras


Existe uma enorme diferença o que é visível e o que a Wicca realmente é; porém, como é difícil traduzir  seja em palavras ou algo perceptível e palpável, também é compreensível sua banalização, como forma de popularizar ou introduzir os interessados neste tema, mesmo que, algumas vezes, esta forma cause equívocos ou traga consequências negativas, pois mesmo esta é uma forma de aprender; afinal também se aprende com os próprios erros.

Tentando dissolver as brumas que encobrem o assunto: a Wicca é o nome dado para antiga religião praticada pelos povos Celta, também conhecida como bruxaria ou a “Arte”.

Como sua origem é europeia não tem relação, exceto algumas similaridades, com práticas de povos orientais, africanos ou indígenas, muito embora coexista tranquilamente com estas, pois respeita o que de melhor cada povo desenvolveu.

É uma religião, filosofia e estilo de vida, transmitida por tradição oral, muito embora possuíssem escrita, os Celtas não usavam a escrita para registrar ou fixar seus procedimentos, pois consideravam que escrevendo limitavam o desenvolvimento desta religião, que tendo uma linha diretriz poderia ser maculada pelas contingências, valores, conceitos e até mesmo interesses de uma época.

Esta falta de um código escrito possibilitou a ocorrência de duas coisas; uma muito positiva, a sua evolução e atualidade, pois tendo crescido em células familiares se desenvolveu sem grandes pretensões de atingir o grande público, mantendo também sua essência. Outra consequência foi que se criasse e atribuísse a Wicca conceitos, práticas que não lhe pertenciam, o que é bem óbvio para quem entende o seu cerne e sabe que muitas vezes colidem, mas que para o grande público passa imperceptível, incorporando práticas de outras tradições, talvez com intuito de completá-la, só que ela é completa.

É difícil aceitar como positiva esta miscelânea, pois cada tradição é o substrato filosófico e espiritual de uma cultura, liga cada povo à sua Egrégora, ou melhor, explicando, quando praticamos as tradições de nosso povo reforçamos os laços de identidade cultural, vínculos com o plano espiritual correspondente e com nossos mentores. O ecletismo forma uma cultura homogênea que nivela por baixo, para ter aceitabilidade, mutila conceitos e valores de suas tradições de origem transformando-as em meras práticas para o alcance de objetivos bem distantes do conteúdo espiritual a que se destinavam primordialmente, não promovendo, portanto, nem crescimento, nem equilíbrio e nem espiritualidade.

A propósito deste tema, esta miscelânea espiritual, o filósofo americano Ken Wilber denominou este processo de adoção seletiva de alguns valores e conceitos de uma filosofia para a sua aplicação fora de contexto, de “Boomerite” para ele este fenômeno apareceu com a geração pós guerra ( os Baby Boomers) , que pretendendo entender os valores orientais, adotaram práticas como a meditação budista buscando a iluminação e transcendência que as religiões do Ocidente não promoviam, só que desconsiderando o fato de que estas práticas vem de um contexto de valores e costumes de um povo que são impraticáveis no mundo ocidental, praticas assim fora de contexto criam um falso verniz de consciência e evolução sem desatar nós internos.

De modo que sendo a Wicca uma tradição ocidental é uma fonte mais fácil de ser assimilada por ocidentais.

Não que isto signifique que seja superior, ou melhor. A Wicca não é uma religião de massa, seu caminho é para os buscadores individuais que estejam dispostos a desenvolver a consciência, a identidade e a conexão com a própria alma.

A Arte é frequentemente associada a feitiços, ritos para a obtenção de algo, como se sua finalidade fosse exclusivamente esta, uma interpretação errônea do fato de utilizarmos materiais e o auxilio de força elemental de plantas, pedras, fogo etc. em rituais, por que desenvolvemos a capacidade de acessar a consciência presente em tudo, interagimos com ela podendo, também pedir o auxílio.

A prática da magia é uma consequência de longos anos de treino para o desenvolvimento da consciência, a percepção de universos paralelos e a criação do que chamamos de personalidade mágica, um senso de identidade ampliada que suplanta a comum. Assim, a mera execução de feitiços descritos em livros ou sortilégios não são operações de magia é preciso estar habilitado para executá-las, aliás, quando se está habilitado nem é  preciso executa-las.

O desenvolvimento da percepção nos habilita a lidar com experiências de limiar ,ou “entre mundos”(momentos ou situações de transição como fases da Lua, as estações do ano e seus quartos, chamados festivais entre outros incluindo transições pessoais, fases de crescimento etc.). Esta percepção traz consigo a capacidade de avaliar com reverência o poder contido nestes momentos como portais.

O desenvolvimento da consciência é um tanto parecido, pois através da consciência acessamos estes portais. A consciência não se forja senão com empenho, não se pula etapas, não se acessa um determinado portal com a exceção de um rito se não houver desenvolvido a consciência  necessária para assimila-lo , quanto muito, o que pode acontecer é que se  tenha impressões distorcidas, maculadas pela própria ignorância e dificuldade em interpretá-las, não trazendo nem crescimento, nem  evolução, pelo contrário pode causar desequilíbrio psíquico, como no caso de alucinações, medos etc., resultados comuns em praticantes inexperientes que querem alçar voos mais altos sem a devida competência.

A personalidade mágica é o resultado de um processo de autotranscedência e é pressuposto para que ocorra a iniciação, quando se recebe um novo nome com o qual passa a se apresentar diante do plano espiritual que o recebe como iniciando o caminho. A iniciação não é conferida pela bruxa/o mais experiente, ela é confirmada num rito onde o iniciado sela seu compromisso, mas depois da autorização do plano espiritual .

O treinamento mágico inclui não apenas um conhecimento teórico, o desenvolvimento espiritual, o autoconhecimento, o desenvolvimento de habilidades psíquicas, como também uma prática de  desenvolvimento integral, por isso envolve assuntos tão díspares como culinária, sexualidade , uso medicinal e mágico de plantas, ervas, cristais, exercícios entre outros; acreditamos que a evolução só se dá se todos os aspectos evoluírem, pois desenvolver a mente  sem desenvolver o emocional, ou psíquico e o espiritual descompassa e dissocia o indivíduo  de sua natureza e ritmo e da Natureza, o desenvolvimento deve ocorrer em seus múltiplos aspectos, só se alcança outro nível quando todas as partes de si mesmo alcançaram este nível.

Os estados alterados usados na bruxaria devem ser alcançados naturalmente, caso contrário não há desenvolvimento da consciência, mas da inconsciência.

A Wicca também é confundida com movimentos culturais e modismos adotados pelos jovens. De um lado as novas gerações vêm de encarnações onde esta prática foi difundida, mas nascendo no contexto de hoje, os jovens podem misturar coisas que não correspondem ao estilo de vida wicca.

Um exemplo é o uso da roupa preta símbolo de introspecção e recolhimento não é nem uniforme de bruxo, nem uma forma de ser reconhecido como tal.

O mesmo se dá com os amuletos e pentagrama que embora possam ser de grande beleza, não são meros adornos.

Quais são os valores wiccanos? O estilo de vida natural, vital, primordial. Acreditamos que a formação dos valores atuais tornou a alimentação artificial, os relacionamentos artificiais e papéis artificiais.

Como no caso no essencial masculino e feminino a homogeneidade dos papéis violou a essência sob a égide de uma causa aparentemente nobre, a igualdade de direitos e deveres, perdeu-se a noção de que antes era preciso reconhecer as desigualdades. Assim como no caso do budismo Boomerite os ocidentais estavam desacostumados demais em respeitar os direitos femininos, não souberam realizar o processo de recuperação destes direitos de forma sábia, provocando profunda desorientação nos relacionamentos.

Como wiccanos buscamos o feminino e masculino primordiais traduzidos em nossas divindades, mas reconhecemos que houve conquistas no movimento feminista, inclusive o próprio ressurgimento da Wicca , já que a imagem da bruxa, não a velha feia e má, mas a mulher madura ,dona de si e sábia condizia muito com o papel que as feministas pretendiam ter, o seriado a feiticeira dos anos 60  é uma confirmação deste fato.

Mais tarde no movimento hippie outro valor wiccano veio à tona, a liberação sexual, com consequente mais liberdade no vestir e lidar com o corpo.

Nos anos 80 a busca por formas alternativas de cura e o aparecimento do movimento ecologista, resgatou a ideia de que a Natureza e nós fazíamos parte de um grande organismo vivo Gaia (conceito de James Lovelock), que precisávamos lutar pela vida, movimento que mobilizou indivíduos em todas as nações e pressionou governantes a mudarem o enfoque da exploração de recursos, a bruxaria sempre considerou a Terra uma Deusa e sempre considerou os seres vivos colegas.

A ideia superior e mais abrangente sobre a sacralidade do Planeta também  foi tratada por Ruperti Sheldrake em Renascimento da Natureza, onde apresentava o conceito de campos mórficos (alma) de plantas e lugares,algo como uma consciência que transmitia informações a indivíduos da mesma espécie, e incentivava a que mais do que preservar ou conhecer os lugares voltássemos a realizar peregrinações e realizar rituais em locais conhecidos como sagrados, centro de força (limiares, entre mundos), para que a nossa atitude reverente agregasse ainda mais poder a estes locais, conceito que justifica todo empenho de bruxos em realizar as celebrações em locais abertos na Natureza, agradecendo e abençoando a fertilidade da Terra.

Na Europa estes locais sagrados, os nemetons e fontes sagradas onde os druidas realizavam seus rituais deram lugar à construção de igrejas, mantendo ainda assim o seu poder. Para a bruxaria a Natureza  intocada é por si só um templo, tendo a abóbada celeste como limite, ideia da prática da magia dos lugares é por que neles a energia telúrica e astral é maior, fator que colaboraria com a intenção desejada, semelhante ao que no oriente chama-se Feng Shui.

Mas não só as florestas de carvalho possuíam a força da natureza, mas o ser humano também, em seu corpo, mais precisamente na área sexual, justamente por sua função criadora. Aí então chegamos a um dos valores wiccanos mais polêmicos, pois enquanto outras filosofias consideram o sexo e a matéria em si como inferiores ao espírito, os wiccanos consideram-na o espírito corporificado e sem uma sexualidade saudável não há desenvolvimento integral e mais, esta sexualidade integrada abarca todas as orientações. Já seria controverso atribuir poder ao feminino e a Natureza frente as filosofia patriarcais, mas a ideia de uma sexualidade sagrada, tendo o corpo como templo, com ritos envolvendo sexo, eram valores audaciosos demais e até hoje sofremos preconceitos por isto.

Para os bruxos algo só é superior se puder abarcar ou transcender o que é inferior, nunca excluir, assim se possuímos um corpo tudo nele é natural e passível de ser um fator que contribua a nossa evolução.

Outro valor igualmente polêmico dentro da bruxaria é a possibilidade de contato direto com as divindades, por ser uma religião xamânica e sacerdotal é pressuposto que seus praticantes se desenvolvam a fim de obter contato com plano espiritual, não há fiéis, ou seja, leigos que obtenham orientação por meio do sacerdote. Esta comunicação pode ser realizada pela via xamânica, por sonhos e ainda complementada por oráculos, presságios e observação astrológica.

Pode parecer superstição para as mentes mais racionais ou céticas, mas para alguém com percepção ampliada é possível “ler” a vontade de Deus em tudo, por que a vida esta em perfeita comunicação com quem sabe ouvir. Daí muitos bruxos terem sido considerados profetas.

Outro valor importante é o de respeito a crença e filosofias diferentes da nossa, não queremos converte ninguém, cada qual deve seguir o que seu entendimento considera melhor, mas que não misturemos tradições o que nos afastaria de nossa família espiritual.

A bruxaria nunca foi “anti” alguma coisa, existe muito trabalho interno de que se ocupar para haver preocupação de se opor a algo.

Quanto muito, nos dedicamos a escrever e esclarecer usando dos meios disponíveis para retirar as brumas que séculos de perseguições nos envolveram e que praticantes mal informados acrescentaram, resgatando o tesouro espiritual do Ocidente da marginalidade, pois cedo ou tarde, as pessoas gostarão de reencontrá-lo para saciarem sua sede de espírito.

O Chamamento


A bruxaria é o caminho de viajantes, de buscadores antigos que respondem a um chamamento interno.

Esse chamamento se manifesta de diferentes maneiras. Pode ser através de um profundo e inexplicável interesse por História ou por Mitologia, por uma intensa necessidade religiosa e espiritual, que as crenças mais acessíveis não conseguem satisfazer, ou por uma marcada atração por livros e filmes que abordam o tema.

Mas, talvez, o caminho mais comum que traga as pessoas à Antiga Religião seja a tentativa de compreender o medo. O medo de não sei bem o quê, misto de interesse, preconceito e curiosidade que não se consegue apagar e, embora incômodo, permanece como uma forte tentação na qual se teme cair. Esse medo também pode se manifestar através de alergias a incenso, medo de facas ou de fogo. Pode soar estranho que um chamamento venha através do medo, mas, se lembrarmos as perseguições que durante séculos os adeptos da Antiga Religião já sofreram talvez a presença do medo se torne mais compreensível.

Existe, ainda, outro tipo de chamamento que podemos nomear como cármico. Se em outras vidas o trabalho espiritual que vinha sendo feito foi interrompido por alguma razão e permaneceu incompleto, ele retorna cobrando a finalização. É como se o tema que estava sendo trabalhado retornasse insistentemente até que o conhecimento necessário fosse alcançado.

Há, também, chamamentos que acontecem a partir de situações inesperadas tais como sonhos ou o reencontro com parceiros de alma ou sensações de déja vu.

Mas, seja qual for o caminho através do qual o chamamento se manifeste, sua principal característica é que, quando o acolhemos, a alma se aquieta e é inundada pelo sentimento de que, finalmente, estamos retornando para casa.

Treinamento em bruxaria para quem? Para os que estão sendo chamados.

Fonte - Wicca Cia das Bruxas

sábado, 29 de outubro de 2016

Significado e História do Halloween



"Os celtas acreditavam que todos os pedidos feitos à meia noite do dia 31 de outubro tinham mais chances de serem realizados."

Data simboliza Ano Novo Celta e sugere momento de "renovação"


O Halloween é uma tradição praticada há mais de 3 mil anos, iniciada pelos povos Celtas, e celebrado na noite de 31 de outubro. No entanto, o nome original da data, usado por esses povos, era "Samhain". A palavra "Halloween" foi adaptada ao longo do tempo, por conta do Dia de todos os Santos, comemorado em 1º de novembro, que em inglês significa "All Hallows Eve", cuja abreviação se tornou Halloween.

A prática de se fantasiar nessa data se deu justamente pela crença que os celtas tinham neste dia especial. Esses povos afirmavam que na noite do dia 31 de outubro, o véu que cobre o mundo astral e a Terra deixava de existir exatamente à meia noite. Para se proteger de possíveis perigos, os celtas se cobriam com peles de bichos e máscaras de Deuses para não serem reconhecidos por espíritos ruins, já que neste momento eles teriam mais facilidade de fazer "travessuras" com os seres da Terra. Essa prática então começou a ser adotada e é perpetuada até hoje, por meio das fantasias usadas no dia de Halloween.

Samhain simboliza o Ano Novo dos povos Celtas

O Samhain, então, é uma das quatro datas mais importantes do ano para as antigas religiões pagãs, como celtas e druidas. Esses povos acreditavam que somos filhos da terra e que sofremos influência de todas as transformações ocorridas na natureza, como as mudanças das estações do ano, por exemplo. O Samhain era uma das datas mais importantes, pois representava o fim da colheita para os povos celtas, quando um ciclo termina para que outro novo se inicie. É o ano novo céltico.

Este dia, então, carrega uma forte energia. Os celtas acreditavam que todos os pedidos feitos à meia noite do dia 31 de outubro tinham mais chances de serem realizados.

A crença de que nesta ocasião não existe o véu entre o mundo astral e a Terra pode ser interpretada como a oportunidade para que você escolha e manifeste o que quer da sua vida.

Sendo assim, aproveite a energia especial dessa data para incentivar a fantasia das crianças e entre nesta brincadeira também. Você pode fazer um banquete de doces em casa. Melhor ainda se eles forem caseiros, pois os alimentos receberão sua energia e intenção no preparo. Outra prática possível é se inspirar nos povos celtas e se conectar com as energias das deusas mitológicas, mentalizando que elas tragam boas influências pra você e para sua família.

As Deusas e suas simbologias

Existem diversas Deusas de várias mitologias diferentes, mas no dia de Halloween ou Samhain vale se conectar com a energia das Deusas celtas. Conheça abaixo algumas:

Energia de amor e Prosperidade: conecte-se com a energia da guerreira Freya, deusa nórdica do amor, beleza, sedução e riqueza. Na noite do Samhaim, faça seus pedidos para esta poderosa figura mitológica.

Para acalmar a vida e sair do estresse: mentalize seus pedidos para Aine, Deusa celta e Rainha das Fadas. Ela também é a Deusa mais apropriada para atender os pedidos das crianças, já que carrega a inocência e a pureza das fadas.

Foco na realização de objetivos e sonhos: a Deusa mais indicada é Epona, Deusa celta dos cavalos. Ela ajudará você a ir ao encontro dos seus objetivos.

Para situações de família: nesse caso, quem pode lhe ajudar é a Deusa mãe Arianrhod. Ela tem como símbolo a coruja, que além de ser muito sábia, ainda consegue enxergar além do que os olhos podem ver. Essa Deusa tem o dom da visão e é ideal para harmonizar a vida em família. Mentalize seus pedidos para ela na noite de Samhaim.

Para finalizar, você poderá confeccionar um "Jack O Lantern", que é a abóbora iluminada por uma vela em seu interior, símbolo típico do Halloween, e colocar na frente da sua casa para pedir as boas vindas dessa data e desse novo ciclo que se inicia na vida de todos.

Curiosidade: "Gostosuras ou Travessuras?"

A prática de oferecer doces no Halloween, que costuma ser mais presente na América do Norte, na qual as crianças batem de porta em porta e dizem: "Gostosuras ou Travessuras?", também tem origem no Samhain. Nessa data, as mães e mulheres celtas preparavam um doce chamado "bolo das almas" e davam para as crianças, em troca de orações para algum ente querido já falecido, com o intuito de oferecer luz para quem se foi. Essa prática foi então adaptada pelos cristãos para o Dia de Finados (02/11), comemorado logo após o Samhain. No Dia dos Mortos, as pessoas costumam visitar os túmulos de entes queridos e, ao invés de oferecem bolos para crianças, levam flores para quem se foi.

Como é possível perceber, as práticas realizadas pelas culturas antigas foram adaptadas ao longo do tempo e não devem ser temidas. Não tenha medo do desconhecido e aproveite seu Halloween da melhor forma. Feliz Samhain à todos!

Roberta Struzani

terça-feira, 11 de outubro de 2016

A Magia e as Crianças


Uma das dúvidas que todos papais e mamães tem é meus filhos podem fazer magia ?! .

E a resposta é sempre sim , crianças podem praticar bruxaria sim , a bruxaria não tem idade . Mas temos sempre que ter cuidado com nossos filhos , é claro que eles não vão fazer um ritual sozinhos ou fazer feitiços . Oque uma criança pode fazer dentro da magia , é aprender e trabalhar com as energias , aprender a respeitar a natureza trabalhar com os elementais ...

Algumas crianças tem o dom da sensibilidade e temos que ensinar elas a trabalhar isso sem medo , algumas crianças tem até amiguinho que dizem ser 'imaginários' na verdade não são imaginários e sim espíritos de crianças querendo brincar com outras crianças . Existem até alguns feitiços para crianças praticarem .

Faça cada criança montar seu próprio altar em seu quarto. Deve ser um altar devocional, não um altar de trabalho; isto é, deve ter a representação de uma divindade como ponto focal, e deve servir para devoção e não para trabalho mágico. Faça alguma benção simples e ritual no altar; então, deixe-o aos cuidados da criança.

Cama de Gato : Se o seu gato tem uma caminha ou almofada predileta para dormir, escreva seu desejo num papelzinho e esconda-o ali. Deixe-o por 2 noites e boa sorte! Este encantamento, que tem o gato como cupido, é muito antigo e eficaz. Ideal para as crianças fazerem.

Crianças Pagãs

Ensinar a Arte ás crianças pode ser uma tarefa divertida, por exemplo, o que você pode ensinar a elas? O que realmente elas precisam saber? E, quando começam a fazer perguntas difíceis, que tipo de respostas devemos dar?
Bem a primeira regra e a seguinte: responda as todas as perguntas de modo simples e honesto. Você só deve responder ao que elas perguntarem.
Em primeiro lugar você não vai precisar de nada especial para isso use o que você tem a sua disposição, nos arredores de casa ou em meio a natureza. O paganismo e uma religião natural: deixe que ela inspire você. Observe a natureza, as mudanças das estações, o Sol e a Lua no céu e você vai descobrir muitos temas para suas aulas. Ao planejar sua s aulas, leve em conta a idade da crianças os interesses delas. use a imaginação adapte informação de acordo com a faixa etária da criança. Isso deixará o aprendizado muito mais prazeroso.

Ao escolher rituais para crianças é importante lembrar que você não está treinando sacerdotisas ou sacerdotes. Você está trabalhando com crianças, tentando desperta-los espiritualmente e dar-lhes um contexto para fazê-lo. Por isso é melhor evitar experiências transformadoras e exercícios mágicos. Estes podem ser reservados para a adolescência, que é o momento natural para transformação e despertar de poderes.

Atividades

- Abençoar-se

Possibilita a criança realizar sozinha um curto ritual. Várias delas já foram publicadas. Uma benção muito simples pode ser feita utilizando-se uma tigelinha de água. A criança coloca suas mãozinhas sobre a água e diz:
Abençoada seja esta água
Com o poder da Deusa
E o poder do Deus
Para que possa me abençoar
A criança se abençoa usando essa água. As partes do corpo a serem abençoadas podem variar; geralmente a testa e´ incluída. Se a criança estiver se preparando para fazer esportes ou outra atividade, poderá abençoar as partes de seu corpo relacionadas com o que vai fazer.
O ato de abençoar-se pode também ser usado como oração ao acordar ou ao deitar.

- Altar

Faça cada criança montar seu próprio altar em seu quarto. Deve ser um altar devocional, não um altar de trabalho; isto é, deve ter a representação de uma divindade como ponto focal, e deve servir para devoção e não para trabalho mágico. Faça alguma benção simples e ritual no altar; então, deixe-o aos cuidados da criança. Instrua-a a realizar no altar um mínimo de um ritual por dia (como primeira coisa ao acordar, ou última antes de deitar) durante um mês.
O grau de sofisticação do altar vai depender da idade da criança. Crianças mais novas podem se contentar com uma estatueta ou desenho e uma tigela para oferendas. Os maiorzinhos poderão usar velas e incenso, desde que os pais ensinem como usa-los com segurança. Os rituais a serem realizados no altar também podem variar. Para as crianças mais novas você pode precisar escrever um par de orações para eles usarem; as outras poderão criar suas próprias orações ou esperar que suas divindades as inspirem.

Historia de Sabás para crianças (visão wicca)

Equinócio de Primavera - A dama dormiu e dormiu, mas não podia acordar. ninguém podia entender o por que ela não podia despertar do seu sono. Então todos decidiram levar presentes para a dama , com esperanças de que ela pudesse despertar de sua soneca. Eles levaram bezerros, ovelhas, plantas e alimento. Mas nada adiantou.
“Bem”…eles disseram uns para os outros, “Nós precisamos ter uma surpresa muito especial para despertar a dama.” Então , eles pensaram e pensaram , mas não conseguiram nenhuma idéia. O coelho ouviu o que as pessoas estavam dizendo e ele teve uma ideia. Ele realmente queria ajudar a dama. Então ele tentou com todas as suas forcas , realmente com todas as forcas e ele conseguiu!! Ele derrubou ovos! Eles eram bonitos ovos, de todas as cores do arco-íris. “Eles eram tão especiais, “assim ele pensou; “isto certamente acordara a dama de sua soneca.”
Então o coelho foi ate a dama e levou seus ovos especiais consigo.
Repentinamente ela acordou! As flores desabrocharam e os pássaros cantaram. Era primavera!!!

Beltane - O jovem cavalheiro estava fora viajando pela terra, brincando e divertindo-se nas florestas , quando ele se virou e deparou-se com a dama. Quando ambos viram um ao outro, eles instantaneamente se apaixonaram. Então  eles decidiram se casar. Eles planejaram a mais maravilhosa festa de casamento. Todas as pessoas do planeta estavam se preparando para o casamento com muita antecipação e entusiasmo. Quando o dia do casamento chegou as pessoas levaram milhares e milhares de flores. Eles decoraram as arvores com as brilhantes cores do arco-íris , e eles deram uns para os outros cestas com flores e arco-íris celebrando o sagrado casamento. Eles estavam cheios de alegria e dançaram ao redor dos “polos” e divertiram-se em corridas de cavalos de raça.
O cavalheiro e a dama estavam agradecidíssimos com os presentes das pessoas. Eles adicionaram os presentes `as suas felicidades nesse dia sagrado. O cavalheiro e a dama celebraram com o beijo sagrado, e toda a terra foi inundada de alegria e  esperança resultado deste grande acontecimento.
 
Meio de Verão - O lorde e  a Dama se uniram e tornaram-se uma só pessoa.
O Amor deles era tão gracioso,  que quando se uniram o seu amor refletia em todas as estrelas.
O Amor deles se espalhou por toda a terra. Todos os animais, todas as plantas, todas as pessoas foram abençoadas pela união deles.
Até mesmo o sol foi abençoado, e Brilhou mais forte do que nunca.
Todas as pessoas saíram, festejando e celebrando no luar do sol. As crianças jogavam água para o ar e dançavam nos campos. E alguns diziam que até mesmo fadas foram vistas dançando este dia.
Neste momento de grande alegria, Deus concedeu uma criança com amor.

Lammas - Breve, a primeira colheita foi celebrada. O lorde e a Dama estavam muito satisfeitos no final da primeira colheita, que eles tramaram conta de um grande Festival. Todas as pessoas vieram para o festival. Eles trouxeram pães e frutas e vegetais. Eles celebraram com contextos que testavam suas habilidades, e aqueles com talentos mostraram o seu trabalho e a habilidades.
Equinócio do Outono:
No meio do festival, a Dama trouxe um bom pedaço de bolo que estava em formato de um homem. O lorde abençoou o pão com sua própria energia, sabendo que para fazer isso o levaria a morte. Ele sabia que para viver outra vez, ele precisava primeiro morrer. Assim, deu disposto sua energia, que a grão se levantaria outra vez e
seus povos viveriam.

Samhain - O senhor cruzou sobre o Summerland. Presidiou lá como o rei,
e deu o descanso inoperante que puderam ser refrescados quando veio
hora de renascer na terra da vida.
A senhora, em sua tristeza, convidou seu senhor. Respondeu-lhe além do véu, e fez com que uma porta aparecesse. Através desta porta, os
mortos Voltavam a vida poderiam comunicar-se.
As pessoas vieram trazer o alimento e maçãs sagradas. Colocaram seus presentes atrás da porta, pedindo a benção de seus antepassados.
Os antepassados vieram, trazendo a paz e a comunhão. Muitos trouxeram visões de o que pôde se realizar no ano que vem.

Yule - A senhora foi preenchida com sua tristeza. Assim extremamente lamentou seu senhor, aquele que a terra inteira cobriu na escuridão.
Todas as pessoas Lamentaram com ela, mas ninguém poderia a consolar.
Na profundidade de sua tristeza, na escuridão grande, sentiu algo agitar dentro dela. Sabendo que se transformaria em dor e as dores
trariam o nascimento.
Após muitas horas, a senhora veio adiante. Ela trouxe, em seus braços, acriança da promessa. Com seu primeiro grito, o sol levantou-se sobre as montanhas distantes.
Os povos foram enchidos com a alegria, e vieram atender à senhora e à criança do sol.

Imbolc - A senhora descansou de seu trabalho. Enquanto dormia, os animais produziram leite em sua honra.
As mulheres da terra souberam da necessidade da senhora para o descanso, e assim , recolheram-se em torno dela para que ninguém a perturba-se. Iluminaram velas em seu vigil e cantaram melodias
sussurrando. Grande eram seus amor e devoção à senhora que morreu pura, e toda a terra purificou.

Wiccaning: O Ritual de Batismo

Este ritual de "batismo" extraído do livro de Janet & Stewart Farrar deve ser utilizado apenas como modelo...como base para que você crie o seu próprio Wiccaning. Use sua criatividade e seu coração!

WICCANING ritual de bruxaria correspondente ao batismo cristão.




"Os cristãos, quando batizam seus filhos, o fazem em geral com a intenção de compromissá-los com o cristianismo, de preferência perpetuamente - e ao próprio ramo particular de cristianismo dos pais. Espera-se via de regra que os filhos endossarão tal compromisso, ratificando-o quando tiverem idade suficiente para aquiescer conscientemente (embora sem maturidade para discernir).

Para sermos justos, esses pais - quando não estão meramente acatando uma convenção social - amiúde assim agem porque sinceramente acreditam que isso é essencial para a segurança das almas de seus filhos. Foram ensinados a crer nisso e freqüentemente mediante o medo.

Essa crença segundo a qual existe apenas um tipo de ingresso para o céu e que um bebê precisa recebê-lo com toda a rapidez para sua própria segurança é, evidentemente, estranha a Wicca. A crença de bruxas e bruxos na reencarnação a nega em todos os casos. Mas, independentemente disto, feiticeiras e feiticeiros sustentam o ponto de vista que era virtualmente universal antes da era do monoteísmo patriarcal, a saber, que todas as religiões são diferentes sendas de expressão das mesmas verdades e que a validade delas para qualquer indivíduo depende da natureza e das necessidades deste.

Uma cerimônia Wiccaning para a criança de uma família de bruxos não compromete, portanto, a criança com nenhuma senda em particular, mesmo uma pertencente a Wicca. É similar a um batizado no sentido em que invoca a proteção divina para a criança e ritualmente afirma o amor e o cuidado com os quais a família e os amigos desejam cercar o recém-chegado. Difere de um batizado no fato de especificamente reconhecer que, à medida que a criança se transforma num adulto, decidirá, e realmente terá que decidir, sobre sua própria senda.

Wicca é, acima de tudo, uma RELIGIÃO NATURAL - de modo que pais-bruxos tentarão naturalmente comunicar a seus filhos a alegria e realização que sua religião lhes proporciona, a família toda partilhando inevitavelmente do modo de vida vinculado a essa religião. Partilhar é uma coisa, impor ou ditar é outra, e longe de assegurar a "salvação" de uma criança, pode muito bem retardá-la - isto se, tal como as feiticeiras, você encarar a salvação não como uma espécie de transação instantânea, mas como um desenvolvimento ao longo de muitas existências

Compomos nosso ritual de Wiccaning dentro desse espírito e achamos que a maioria das bruxas e bruxos concordarão com tal postura.

Sabíamos que a idéia de Ter padrinhos - amigos adultos que manterão um interesse pessoal no desenvolvimento da criança - era uma idéia justificadamente popular e sentimos que uma cerimônia de Wiccaning deveria adotá-la também. A princípio chamamos esses amigos adultos de "Patrocinadores", a fim de evitar uma confusão com respeito à prática cristã. Mas reconsiderando o assunto posteriormente, percebemos que "patrocinador era uma palavra fria e que não havia motivo algum para que "padrinho" e "madrinha" (desde que god abarcasse goddess/ Padrinho em inglês é GODfather e madrinha GODmother) não servissem a bruxas e bruxos tanto como servem os cristãos. Afinal de contas, consideradas as diferenças de crença (e Deus sabe quanto os cristãos diferem entre si), inclusive a diferença de postura que já mencionamos, a função é a mesma.

Os padrinhos não têm de ser eles mesmos necessariamente bruxos, o que cabe aos pais decidir. Mas precisam, ao menos, simpatizar com a intenção do ritual e tê-lo lido integralmente de antemão, para assegurar que possam fazer as necessárias promessas com toda sinceridade (o mesmo se aplica, afinal, a bruxos e bruxas convidados por amigos cristãos para serem padrinhos num batismo cristão).

Se a Grã Sacerdotisa e/ou o Grão Sacerdote se prestam eles próprios a serem padrinhos, farão as promessas um ao outro nos momentos apropriados, durante o ritual.
Preparação

Se os membros do coven normalmente atuarem despidos, a decisão se assim participarão do ritual ou se farão vestidos caberá aos pais da criança. Num caso ou noutro, a Grã Sacerdotisa usará símbolos da Lua, e o Grã Sacerdote símbolos do Sol.

O círculo é marcado com flores e folhas verdes e o caldeirão colocado no centro, preenchido com as mesmas flores e folhas e talvez também de frutos. Coloca-se à disposição, no altar, óleo de consagração. Somente incenso leve deve ser usado - preferivelmente sob forma de bastão.

Os presentes para a criança são postos ao lado do altar, bem como o alimento e as bebidas para uma pequena festa no círculo, depois do ritual.

Os pais devem escolher antecipadamente um "nome oculto" para a criança (isto é, em grade parte, para o próprio benefício da criança; crescendo numa família de bruxos, ele ou ela quase certamente apreciará ter um nome de bruxo ou bruxa particular tal como têm mamãe e papai - e se não for o caso, poderá ser discretamente esquecido até que e a menos que seu detentor queira usá-lo novamente).
O RITUAL PARA MENINA

O Ritual de Abertura é realizado normalmente até o fim da invocação do "Grande Deus Cernunnos", exceto pelo fato de que todos, inclusive os pais e a criança, se colocam no círculo antes do traçado, sentamos num semicírculo próximos do caldeirão e olhando para o altar - cedendo lugar à Grã Sacerdotisa, para que esta trace o círculo em torno deles. Somente a Grã Sacerdotisa e o Grão Sacerdote ficam em pé para conduzir o Ritual de Abertura.

Para reduzir movimento excessivo, que poderia amedrontar a criança, a Grã Sacerdotisa traça o círculo com seu athame, e não com a espada, e ninguém se move com ela, ou imita seus gestos quando ela invoca os Senhores das Atalaias. Ela e o Grão Sacerdote carregam os elementos em torno.

Após a invocação do Grande Cernunnos, a Grã Sacerdotisa e o Grão Sacerdote consagram o vinho. Não o experimental, mas colocam o cálice no altar. O Grão Sacerdote, em seguida, posta-se diante do altar, encarando o caldeirão. A Grã Sacerdotisa fica pronta para entregar-lhe o óleo, o vinho e a água.

O Grão Sacerdote diz:

"ESTAMOS REUNIDOS NESTE CÍRCULO PARA PEDIR A BENÇÃO DO PODEROSO DEUS E DA GENTIL DEUSA PARA .....(NOME DA MENINA), A FILHA DE .................. E .................., DE MODO QUE ELA POSSA CRESCER EM BELEZA E FORÇA, EM ALEGRIA E SABEDORIA.

HÁ MUITAS SENDAS, E CADA UM TEM DE ENCONTRAR A SUA, E PORTANDO NÃO BUSCAMOS LIGAR ..........(NOME DA MENINA) À NENHUMA SENDA, ENQUANTO ELA É AINDA DEMASIADAMENTE JOVEM PARA ESCOLHER.

PREFERIMOS PEDIR AO DEUS E A DEUSA, QUE CONHECEM TODAS AS SENDA E AOS QUAIS TODAS AS SENDA CONDUZEM, PARA ABENÇOÁ-LA, PROTEGÊ-LA E PREPARÁ-LA AO LONGO DOS ANOS DE SUA INFÃNCIA, DE SORTE QUE, QUANDO FINALMENTE FOR VERDADEIRAMENTE ADULTA, SAIBA ELA SEM ALIMENTAR DÚVIDAS OU MEDO QUAL SUA SENDA E PASSE A TRILHÁ-LA COM CONTENTAMENTO."

"....................., MÃE DE ............(NOME DA MENINA), ADIANTA-SE COM ELA PARA QUE POSSA SER ABENÇOADA."

O pai ajuda a mãe a se levantar e ambos levam a criança ao Grão Sacerdote, que a toma em seus braços. Ele pergunta:

"....................., MÃE DE ............(NOME DA MENINA),POSSUI ESTA TUA CRIANÇA TAMBÉM UM NOME OCULTO?"
A mãe responde:

"SEU NOME OCULTO É ....................."

O Grão Sacerdote, então, unta a criança na testa com óleo, fazendo a marca de um pentagrama e dizendo:

"EU UNTO A TI, ............(DIZER O NOME COMUM), COM ÓLEO E TE DOU O NOME OCULTO DE ......................."
Ele repete a ação com o vinho, dizendo:

"EU UNTO A TI, .............(DIZER NOME OCULTO), COM VINHO EM NOME DO PODEROSO DEUS CERNUNNOS."
Repete a ação com a água dizendo:

"EU UNTO A TI, ..............(DIZER NOME OCULTO), COM ÁGUA EM NOME DA GENTIL DEUSA ARADIA."
O Grão Sacerdote devolve a criança à sua mãe e, então conduz os pais e a criança a cada uma das atalaias, dizendo:

"VÓS SENHORES DAS ATALAIAS LESTE (SUL, OESTE, NORTE), COM EFEITO APRESENTAMOS A VÓS .....................(NOME COMUM), CUJO NOME OCULTO É ........................(DIZER NOME OCULTO) E QUE FOI DEVIDAMENTE UNGIDA DENTRO DO CÍRCULO DE WICCA.

ESCUTAI, PORTANTO, QUE ELA SE ACHA SOB A PROTEÇÃO DE CERNUNNOS E ARADIA."

O Grão Sacerdote e a Grã Sacerdotisa tomam seus lugares voltados para o altar, com os pais e a criança entre eles. Erguem seus braços e invocam cada um por sua vez:

Grão Sacerdote:

"PODEROSO CERNUNNOS, CONCEDE A ESTA CRIANÇA O DOM DA FORÇA;"

Grã Sacerdotisa:

"GENTIL ARADIA, CONCEDE A ESTA CRIANÇA O DOM DA BELEZA"
Grão Sacerdote:

"PODEROSO CERNUNNOS, CONCEDE A ESTA CRIANÇA O DOM DA SABEDORIA"

Grã Sacerdotisa:

"GENTIL ARADIA, CONCEDE A ESTA CRIANÇA O DOM DO AMOR;"

O Grão Sacerdote, a Grã Sacerdotisa e os pais se voltam para encarar o centro do círculo, e o Grão Sacerdote então pergunta:

"HÁ DUAS PESSOAS NO CÍRCULO QUE SE APRESENTARIAM COMO PADRINHOS DE ......................?"
(OBS.: Se o sacerdote e a sacerdotisa estão se apresentando como padrinhos, ele perguntará, em lugar disso,:

"HÁ ALGUÉM NO CÌRCULO QUE SE APRESENTARÀ COMIGO, COMO PADRINHOS DE.................?"

e a Sacerdotisa responderá:

"EU ME JUNTAREI A VÓS."
Em seguida eles olharão um para o outro e trocarão as perguntas e promessas). Os padrinhos deverão se adiantar e ficar de pé, a madrinha encarando o Sacerdote e o padrinho encarando a Sacerdotisa.

O Sacerdote pergunta para a madrinha:

"TU, ............... PROMETES SER UMA AMIGA DE ................... AO LONGO DE SUA INFÂNCIA, NO SENTIDO DE AJUDÁ-LA E GUIÁ-LA DA MANEIRA QUE ELA NECESSITAR; E DE ACORDO COM SEUS PAIS POR ELA ZELAR E AMÁ-LA COMO SE FOSSE DE TEU PRÓPRIO SANQUE ATÉ QUE PELA GRAÇA DE CERNUNNOS E ARADIA ELA ESTEJA PRONTA PARA ESCOLHER SUA PRÓPRIA SENDA?"
A madrinha responde: "EU,.............. ASSIM PROMETO."

A Grã Sacerdotisa pergunta ao padrinho:

"TU, ............... PROMETES SER UMA AMIGA DE ................... AO LONGO DE SUA INFÂNCIA, NO SENTIDO DE AJUDÁ-LA E GUIÁ-LA DA MANEIRA QUE ELA NECESSITAR; E DE ACORDO COM SEUS PAIS POR ELA ZELAR E AMÁ-LA COMO SE FOSSE DE TEU PRÓPRIO SANQUE ATÉ QUE PELA GRAÇA DE CERNUNNOS E ARADIA ELA ESTEJA PRONTA PARA ESCOLHER SUA PRÓPRIA SENDA?"
O padrinho responde: "EU, .............ASSIM PROMETO."

O Grão Sacerdote diz:

"O DEUS E A DEUSA A ABENÇOARAM; OS SENHORES DAS ATALAIAS A RECONHECERAM; NÓS SEUS AMIGOS LHE DEMOS AS BOAS VINDA; PORTANTO, Ó CÍRCULO DAS ESTRELAS; BRILHA EM PAZ SOBRE ............... CUJO NOME OCULTO É.................. QUE ASSIM SEJA."
Todos dizem: "QUE ASSIM SEJA!"
O Grão Sacerdote diz:

"QUE TODOS SE SENTEM DENTRO DO CÍRCULO"
Todos se sentam, exceto o sacerdote e a sacerdotisa, que experimentam e passam por todos o vinho já consagrado da maneira usual e então consagram e passam a todos os bolos da maneira usual.
A seguir, buscam os presentes, o alimento e as bebidas da festa e se sentam com os outros, daqui em diante passando-se para o informal.
O RITUAL PARA UM MENINO


A diferença básica caso a criança seja um menino é que o Grão Sacerdote e a Grã Sacerdotisa trocam suas funções. Ela realiza o enunciado de abertura e executa a unção, o Grão Sacerdote lhe entrega o óleo, o vinho e a água.

Ela representa a criança às atalaias. A invocação a Deusa e ao Deus por seus dons de força, beleza, sabedoria e amor, entretanto, é feita exatamente como a feita para a menina, e na mesma ordem. A Grã Sacerdotisa convoca os padrinhos para que se apresentem e toma a promessa do padrinho; o Sacerdote toma então a promessa da madrinha. A Grã Sacerdotisa pronuncia a bênção final.

Extraído do livro Oito Sabás para Bruxas - Janet & Stewart Farrar .