quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A Cozinha da Bruxa



"O caminho da bruxaria é o caminho da doçura. Porque o verdadeiro significado da bruxaria é repartir o que sabemos com aqueles que não sabem. Quando estamos trabalhando, o estamos fazendo sempre em função de alguém ou de alguma coisa. Para ser uma bruxa, basta estar aberta aos apelos da natureza. Na bruxaria o grande mestre é você mesma, só você pode direcionar sua energia para o mundo da magia. Você deve se encontrar de posse de si mesma. A principal lição que uma bruxa deve saber de cor é o Amor. Sem ele nenhum feitiço dá certo. É preciso amar muito para poder dizer-se bruxa. Uma bruxa não se exibe perante os outros e não cai em vaidade. A divindade é discreta e , por isso, luminosa. Lembre-se do segredo da Lua: silêncio e luz."

"Quando uma bruxa fala de seu dia-a-dia, ela fala sobre coisas simples e banais. 
Um provérbio indígena norte-americano mostra o significado da bruxaria: 
Grande Espírito Assegure que eu não critique meu vizinho antes de ter andado uma milha com seus mocassins. A bruxaria é uma profundo amor ao próximo, porque somos parte de uma mesma energia. Cabe às bruxas restaurar a simplicidade de existir. Uma bruxa é alguém comum que trabalha como uma formiguinha silenciosa, sem se preocupar com sua imagem mística. Nós, bruxas, somos avessas ao Poder, pois sabemos que o Universo é formado de 2 forças que se atraem - a feminina e a masculina. O Poder é o prevalecimento de uma dessas forças, é o desequilíbrio. Se você já vive um pouquinho de equilíbrio, pode-se considerar uma bruxa. Ser bruxa é essencialmente o caminho da busca do equilíbrio. 
Uma verdadeira bruxa sabe que é no dia-a-dia que se encontram as grandes verdades. Só o cotidiano pode nos iniciar."

" Transformar-se em bruxa é um processo lento e cheio de cuidados. É necessário um doce encanto da grande Mãe Terra: o trabalho da Lua e seus ciclos, o calor do Sol e a dança silenciosa dos Astros. De repente você se vê perdida observando o passar das nuvens, o colorido da natureza, arrepiando-se com o vento morno das tardes de verão, sentindo o fluxo da Lua em seu corpo, e, quando se dá conta, aconteceu: a bruxa nasceu! Outras coisas acontecem, como o telefone tocar e se saber quem é, pensar na pessoa e ela aparecer. Mas a alquimia do cozinhar é uma das experiências mais fortes na velha arte da bruxaria.
Quando se cozinha, os elementos estão em nossas mãos, fazemos o supremo feitiço da transmutação da matéria. A transformação do trigo em pão, do vinho em vinagre, o poder mágico dos ingredientes. Com o ato de cozinhar você se verá com a sensibilidade da Lua, o profundo olhar prateado que tudo vê e descobre. Cozinhar é o mais sagrado ritual. No ato de transformar os alimentos estamos nos transformando. Claro que quem cozinha sem amor e concentração, como se fosse um sacrifício, produz alimentos sem mágica, sendo só um amontoado de massa que se digere sem prazer. O ato de cozinhar, quando realizado ritualísticamente, é o meio mais eficaz na feitura de feitiços. Com ele aprendemos o ato da concentração (aspecto muito importante na feitiçaria) e a gentileza dos gestos (essencial nos rituais).

"No mexer com uma simples colher de pau, estamos penetrando na grande espiral da vida, e a cada volta de colher podemos enxergar mais claramente nosso caminho. Quando se está traçando a espiral, nossos movimentos entram em harmonia com nossa respiração e o equilíbrio se faz. Com o calor do fogo sentimos o tempo em que guardávamos a chama sagrada, quando éramos as sacerdotisas dos templos. A cozinha traz os mistérios da delicadeza, nela habitarão todas as forças da natureza."

Marcia Frazão

terça-feira, 27 de setembro de 2016

O Efeito Lua




















No nosso sistema solar, a Lua é o corpo celeste, que se movimenta com mais rapidez.
A cada 28 dias, perfaz uma volta completa em torno da Terra e percorre 360º do zodíaco.
A cada 7 dias, muda de fase. A cada 2 dias e meio, atravessa um signo inteiro e em poucas horas visita outros planetas, fazendo e desfazendo aspectos e ângulos Astrológicos. A Lua move-se 1º a cada 2 horas.
Devido a este intenso movimento, atribui-se o domínio sobre todas as atividades da natureza e do homem, que sofrem grande variação, e que têm ciclos rápidos e que se completam numa curta duração.
São portanto próprios dos domínios da Lua, a mutação e a flutuação. Se não é o fator decisivo nas subidas e descidas das atividades humanas - ao longo do ano, é sem dúvida - o determinante principal de um mês, uma semana e, sobretudo, a grande "vedeta" das variações que ocorrem ao longo de um dia.

a Fertilidade

Tradicionalmente, a Lua representa o Princípio Feminino por excelência: A mulher/mãe na sua capacidade de fecundar, de gestação, proteger e nutrir a sua cria. Por isso, se atribui á Lua o domínio sobre todos os processos e forma de fertilidade e nutrição. Partos, gravidez, gestação, concepção - estão todos sob a regência da Lua. É conhecido o impacto sobre a incidência dos partos, na mudança da Lua.
A Lua Cheia é a campeã na precipitação dos nascimentos. É muito difícil resistir à chegada da Lua Cheia, quando as semanas de gestação já estão cumpridas ou próximas de se cumprirem. Para quem tem ciclos de ovulação/menstruação irregulares, recomenda-se um tratamento que siga a Lua de nascimento da pessoa, para que a menstruação se regule naturalmente.

a Nutrição

Também atua sobre o metabolismo, o apetite, a assimilação dos alimentos e dos líquidos no organismo e portanto, sobre o processo de se ganhar, manter ou perder peso. Dependendo do signo em que a Lua se encontra, os aspectos formados e a sua fase, até o tipo de consumo e a preferência de alimentos são alterados.
Por exemplo: A Lua a transitar no signo de Touro ou de Leão estimula o consumo de pão e massas. Já sabores picantes e condimentados, ganham destaque quando a Lua se encontra em Escorpião. As carnes são mais consumidas também quando a Lua se encontra neste signo e em Carneiro. Como podemos ver, há uma estimulação sensorial e principalmente do paladar, de acordo com a posição da Lua nos signos.

as Águas

Devido à força gravitacional que exerce sobre a Terra, a Lua age sobre o volume, o fluxo e refluxo dos líquidos e das águas existentes sobre a Terra, nas camadas subterrâneas pressiona o interior da Terra, o interior dos vegetais e do corpo humano. As marés dos oceanos, dos rios, a seiva dos vegetais e o fluxo de sangue e de líquido no organismo sofrem a influência da Lua, na medida em que ela se movimenta em relação ao Sol. Com isto a vegetação, a agricultura, a pesca, o clima e até a saúde, tornam-se fortes áreas de influência da Lua.
Existem muitas ligação entre a umidade e as fases da Lua. Por exemplo: a seca da madeira, a fase propicia para o seu corte, a predisposição maior para a sua conservação ou apodrecimento, ou até a melhor absorção de tinta e verniz, estão relacionadas com as fases da Lua. A maior ou menor durabilidade das folhas, frutas e legumes também. As mudanças do clima - principalmente as chuvas - podem ser indicadas pela Lua. A presença de um elo amarelado em torno do disco, na fase de Lua Cheia é sinal certo de chuva. As próprias mudanças de fase da Lua, são precipitadoras de mudanças no clima.

as Emoções

É a Lua influencia as emoções. Causa um grande impacto sobre o comportamento humano, sobre o humor das massas e sobre o estado de ânimo coletivo. A sensibilidade, as reações e as flutuações emocionais das pessoas, são em grande parte reflexos dos movimentos da Lua. Certas posições da Lua no Céu, predispõem as pessoas a sentirem-se muito mais receptivas, extrovertidas e encorajadas, ao passo que outras, ao contrário, inclinam as pessoas a mostrarem-se mais desanimadas, fechadas e até pessimistas.
O grau de carência emocional e maior necessidade de afeto, também estão muito associados aos ciclos da Lua. As pessoas ficam muito mais bem humoradas quando a Lua se encontra em Sagitário. Mais sensíveis com a Lua em Caranguejo. Mais radicais e desconfiadas com a Lua em Escorpião, e tagarelas com a Lua em Gêmeos. A Lua Cheia costuma ser determinante para as emoções e a Lua Minguante será a mais propícia para digeri-las e elimina-las. Em silêncio.

o Público

A Lua não regula apenas as marés dos oceanos. Rege também as marés humanas. Os comportamentos de massa estão muito sujeitos às influências da Lua. Age sobre o humor e o estado de espírito das pessoas e interfere sensivelmente sobre o comportamento do público. A maior ou menor freqüência de público a um evento, é muito marcada pela posição da Lua no Céu.
Nunca reparou que existem certos dias em que temos predisposição para sair de casa, ir a um centro comercial, restaurante, teatro, etc. e vemos também muita gente? Já reparou que existem dias, em que todos aparentam uma certa preguiça e resolvem-se recolher? Onde foram todos? Consulte a Lua do dia... A Lua Minguante é desaconselhável para qualquer atividade que pretenda atrair um grande público. Para isso é melhor a Lua Crescente e acima de todas a Lua Cheia. A Lua no signo de Carneiro, é boa para atrair um público novo. A Lua em Gémeos, um público eclético. Em Capricórnio conservador, exigente e seletivo. Em Balança, a audiência mais chique e requintada que existe.

as Atividades Humanas

O comércio, os setores de entretenimento e lazer, assim como todas as atividades que dependem diretamente de público, são as mais sensíveis às influências da Lua e sofrem as naturais oscilações próprias do setor, devido aos rápidos movimentos da Lua, geradores de inconstância e flutuação.

os Negócios

Os negócios também recebem forte pressão dos movimentos da Lua. A flutuação do mercado financeiro é um típico exemplo de atividade que responde muito às influências da Lua. Este mercado depende muito de uma resposta psicológica positiva e confiante das pessoas: outro típico campo de influencia da Lua: o psicológico.
O mercado imobiliário é também um forte setor de negócios, bastante marcado pelas influências da Lua. Para se fecharem negócios, pedir um aumento salarial, procurar emprego, apresentar um projeto, divulgar uma ideia ou um serviço, começar um trabalho, pedir empréstimo, cobrar dívidas, assinar contratos, comprar e vender, deve-se procurar uma Lua favorável. Para começar uma poupança ou investimentos, a Lua certa é a Crescente. Para se cortar despesas e eliminar dívidas, será a Lua Minguante. Compra e venda de imóveis estão protegidas, sob a boa influência da Lua e Saturno. Trocas em geral ou compra de equipamentos e automóvel fluem bem sob a harmonia da Lua e Mercúrio.

os Ciclos de Crescimento

A Lua regula as subidas e descidas de qualquer ciclo. Há definitivamente crescimento e queda de energia numa maré de pico ou de baixa, associada à Lua. Qualquer atividade, situação ou comportamento que tenha um começo determinado, se expanda e se desenvolva até alcançar os seus resultados plenos e que depois se retraía, em direção a uma diminuição, está diretamente sob a influência da Lua. Por exemplo, engordar ou emagrecer é em última instancia, a extensão dos efeitos da Lua e das suas fases de aumentar - crescer - diminuir - minguar. Como uma visível barriga no céu.
Tudo que quisermos que cresça e se revele, ou ao contrário diminua e que se contraia, perca a força ou até desapareça, devemos fazer sob a correta influência da Lua. No mesmo caso incluem-se: tratamentos de saúde e beleza, dietas, gestação, jardinagem, agricultura, transações bancarias, relacionamentos e muitas, muitas...outra atividades. Para prolongar o corte do cabelo ou o efeito das tinta, a boa Lua é a Minguante. A Depilação nesta fase também. Cortar cabelo para crescimento rápido é bom na Lua Crescente. A Lua Nova, faz com que o cabelo se torne mais forte. Em compensação começar dieta de emagrecimento, é uma perda de tempo na fase minguante.

os Relacionamentos

O mais próximo corpo celeste da Terra, a Lua mexe espetacularmente com as emoções e os desejos coletivos; reflete-se portanto, nos romances e na vida afetiva. Dependendo do signo em que a lua se encontra no céu, da sua fase ou dos aspectos formados com outros planetas, ocorre uma disposição maior das pessoas para os romances, os encontros e as aproximações. Os sentimentos podem ser mais apaixonados ou mais frios.
A comunicação emocional pode estar mais fácil ou pelo contrário, as manifestações afetivas mais contidas. Laços antigos podem em algum momento, ser mais gratificantes do que novas aventuras. E isto depende da Lua! Durante a Lua Cheia é quando nos sentimos mais ávidos de relacionamento e ansiamos por um parceiro. Mas as maiores crises também ocorrem nesta fase. É mais fácil terminar relacionamentos e desligar-se dos afetos na Lua Minguante. A lua em Escorpião predispõe os ciúmes e os sentimentos de posse e controlo. Os bons aspectos entre a Lua e Vénus que acontecem várias vezes por mês, são mais favoráveis para os romances.

a Saúde

A Lua tem uma ação decisiva sobre todos os líquidos do nosso planeta, inclusive no nosso corpo. Por esta razão, é aconselhável observar o comportamento da Lua, antes de nos submetermos a uma cirurgia. Devido ao controle que a Lua exerce sobre os líquidos do organismo, pode inibir ou predispor inchaços, hematomas, edemas, hemorragias e interferir na qualidade e na duração do pós-operatório.
´
Dependendo do signo em que a Lua se encontre, ou dos aspectos formados por ela, alguns órgãos ficam mais sensíveis e certos tipos de tratamentos, tornam-se mais eficazes. A Lua Cheia é menos indicada para cirurgias e a Minguante mais favorável. Quando a Lua se encontra nos signo de Touro, Escorpião, Aquário e Leão, temos maiores probabilidades de um procedimento estável e previsível durante a cirurgia.

o Sono

Como contra partida ao Sol - o astro que aparece durante o dia - a Lua preside a noite e interfere diretamente sobre a quantidade e qualidade do sono e dos sonhos. Sonos agitados, noites mal dormidas ou pelo contrário, horas reparadoras de descanso e sonhos sublimes, dependem em grande parte da passagem da Lua pelos signos e dos aspectos formados com outros planetas. Pessoas com mais predisposição a insônias, sofrem mais na Lua Cheia. A Lua e Neptuno sob má influência dão sono e Lua e Urano tiram o sono.

a Casa

Como rege mudanças em geral, mudanças de casa ou de trabalho, não escapariam da sua influência. É recomendável observar o comportamento da Lua, para realizar qualquer tipo de operação que envolva um imóvel: compra, venda, obras, consertos, instalações e principalmente, o dia da mudança. Boas ligações entre a Lua e Saturno são ideais para transações imobiliárias e reparações da casa. A Lua em Plutão para jogar fora coisas inúteis fora. A Lua em Virgem é ideal para arrumações.

o Ambiente de Trabalho

A Lua interfere muito na nossa produtividade, disposição, concentração, estado de espírito e relacionamento com as pessoas. O ambiente de trabalho é portanto, profundamente afetado. Principalmente para as pessoas que trabalham diretamente em contato com o público.Até a natureza das atividades, recebe influência deste satélite. A Lua em Gémeos favorece as atividades ligadas ao comércio, à divulgação e a publicidade.
Já a Lua em Sagitário, privilegia as atividades culturais e os grandes eventos, inclusive os desportivos. Uma ligação desarmoniosa entre a Lua e Neptuno, gera desconcentração e baixa produtividade; já entre a Lua e Mercúrio, predispõe à superposição de tarefas e trabalhos interrompidos e inconclusivos. É definitivamente bastante produtivo, verificarmos a posição diária da Lua, para otimizarmos o nosso desempenho profissional.

Livro da Lua 2004 - Márcia Mattos

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Luas e Ciclos - Sagrado Feminino


Ciclo da Lua Branca e ciclo da Lua Vermelha

Mirella Faur, referência no movimento de Retorno do Sagrado Feminino, diz que, do ponto de vista mágico, há dois tipos de ciclos menstruais determinados em função da fase lunar em que ocorre a menstruação: o ciclo da lua vermelha e o ciclo da lua branca.



A mulher pertence ao ciclo da lua branca quando ovula na lua cheia e menstrua na lua negra (sendo o quinto dia a lua minguante, a lua negra acontece nos três dias que antecedem a lua nova). Quando a mulher menstrua por esse ciclo, geralmente ela apresenta melhores condições energéticas parar expressar suas energias criativas e nutridoras, já que nesse caso o auge da fertilidade ocorre durante a lua cheia, estabelecendo relação com o arquétipo da mãe e cuidadora - aspecto do feminino aceito pelo sistema patriarcal.




Por outro lado, a mulher que ovula na lua negra e menstrua na lua cheia pertence ao ciclo da lua vermelha. Nesse caso, como o auge da fertilidade acontece na fase escura da lua, as energias criativas são direcionadas ao desenvolvimento interior e a energia sexual é usada para fins mágicos, relacionando-se com o arquétipo da bruxamaga ou feiticeira - aspecto do feminino costumeiramente negligenciado e temido pelo patriarcado.
"Ambos os ciclos são expressões da energia feminina, nenhum deles sendo melhor ou mais correto que o outro. Ao longo de sua vida, a mulher vai oscilar entre os ciclos Branco e Vermelho, em função de seus objetivos, de suas emoções e ambições ou das circunstâncias ambientais e existenciais" (FAUR, 2015, p. 499).
Para pertencer ao ciclo da lua branca ou vermelha, a mulher não necessariamente precisa ovular e menstruar nos dias exatos da lunação mencionada anteriormente. Se, por exemplo, ela menstruar dois dias após a lua negra, ainda assim pertencerá ao ciclo da lua branca. Segundo Mirella Faur, a tendência é que, com o passar do tempo, exercitando essas práticas de auto-observação, os ciclos passem a regular-se de forma mais sincrônica.

Mirella Faur,  O Anuário da Grande Mãe.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Imbolc/Candlemas - Festival do Fogo



                                                                                                 
Hemisfério Norte: 2 de Fevereiro
Hemisfério Sul: 1o de Agosto


Também conhecido como Imbolc, Oimelc e Dia da Senhora, Candlemas é o Festival do Fogo que celebra a chegada da Primavera. O aspecto invocado da Deusa nesse Sabbat é o de Brígida, a deusa celta do fogo, da sabedoria, da poesia e das fontes sagradas. Ela também é deidade associada à profecia, à divinação e à cura.

Esse Sabbat representa também os novos começos e o crescimento individual, sendo o "afastamento do antigo" simbolizado pela varredura do círculo com uma vassoura, ou vassoura da bruxa, tradicionalmente realizado pela Alta Sacerdotiza do Coven, que usa uma brilhante coroa de 13 velas no topo de sua cabeça.
Na Europa, o Sabbat Candlemas era celebrado nos tempos antigos com uma procissão à luz de archotes para purificar e fertilizar os campos antes da estação do plantio das sementes e para glorificar as várias deidades e os espíritos associados a esse aspecto, agradecendo-lhes.

A versão cristianizada da procissão de Candlemas honra a Virgem Maria e, no México, ela corresponde ao Ano Novo Asteca.

Incensos: manjericão, mirra e glicínia.
Cores das velas: marrom, rosa, vermelha.
Pedras preciosas sagradas: ametista, granada, ônix, turquesa.
Ervas ritualísticas tradicionais: angélica, manjericão, louro, benjoim, quelidônia, urze, mirra e todas as flores amarelas.

Ritual do Sabbat Candlemas

Comece erigindo o altar voltado para o norte. Diante dele coloque uma vassoura de palha. Prepare uma coroa com 13 velas vermelhas e coloque-a no centro do altar. Em cada lado da coluna, coloque uma vela da cor apropriada do Sabbat. à esquerda, um incensório com incenso apropriado e um ramo de sempre-viva. Pode também ser usado um galho da árvore ou da guirlanda do Natal anterior como decoração do altar. à direita coloque um cálice com água (água fresca de chuva ou neve derretida, se possível), um pequeno prato com pó ou areia e um punhal consagrado.

Marque um círculo com cerca de 3m de diâmetro em torno do altar, usando giz ou tinta branca. Salpique um pouco de sal dentro do círculo e, então, trace o círculo na direção destrógira com a espada cerimonial sagrada ou com uma vara de salgueiro dizendo: COM O SAL E A ESPADA SAGRADA EU TE CONSAGRO E TE INVOCO, OH CíRCULO DE SABBAT DE MAGIA E LUZ. NO NOME SAGRADO DE BRíGIDA E SOB A SUA PROTEçãO ESTE RITUAL DE SABBAT AGORA SE INICIA.

Coloque a espada cerimonial no altar diante da coroa de velas. Acenda as duas velas do altar e diga: OH, DEUSA DO FOGO DA PRIMAVERA, A TI OFEREçO ESTE SíMBOLO DO FOGO. ASSIM SEJA. Acenda o incenso e diga: OH, DEUSA DO FOGO DA PRIMAVERA, A TI OFEREçO ESTE SíMBOLO DO AR. ASSIM SEJA. Peque o punhal com a mão direita e, com a ponta da lâmina, trace um pentáculo (estrela de cinco pontas) no pó ou areia e diga: OH, DEUSA DO FOGO DA PRIMAVERA, A TI OFEREçO ESTE SíMBOLO DA TERRA. ASSIM SEJA. Mergulhe a lâmina do punhal no cálice com água e diga: OH, DEUSA DO FOGO DA PRIMAVERA, A TI OFEREçO ESTE SíMBOLO DA áGUA. ASSIM SEJA.

Coloque o punhal de volta no altar. Acenda o ramo de sempre-viva e visualize na sua mente a escuridão do Inverno se desfazendo, sendo substituída pela luz agradável da nova Primavera. Coloque o ramo ardente no incensório e diga: ASSIM COMO ESTE SíMBOLO DO INVERNO é CONSUMIDO PELO FOGO, DA MESMA FORMA A ESCURIDãO é CONSUMIDA PELA LUZ. ASSIM SEJA.

Acenda a coroa de velas e coloque-a cuidadosamente no topo de sua cabeça. Quando este ritual de Sabbat é realizado por um Coven, é costume o Alto Sacerdote acender as velas e colocar a coroa sobre a cabeça da Alta Sacerdotiza. Pegue o punhal com a mão direita e segure-o sobre seu coração, enquanto diz: COMO A DOCE CIBELE, EU USO UMA COROA DE FOGO EM TORNO DA MINHA CABEçA. COMO DIANA, ABENçOADA DEUSA DA SABEDORIA, EU ACENDO AS VELAS VERMELHAS PARA FAZER BRILHAR UMA LUZ SOBRE A MINHA PRECE DE PAZ E AMOR SOBRE A TERRA. OUçAM-ME, OH, ESPíRITOS DO AR, OS ESPíRITOS ABAIXO E OS ESPíRITOS ACIMA. ASSIM SEJA.

Coloque o punhal de volta no altar e termine o rito varrendo o círculo em direção levógira com uma vassoura para desfazê-lo e simbolizar a "destruição" das coisas velhas. Apague as velas e devolva a coroa ao altar.

Fonte: 'Wicca - A Feitiçaria Moderna', de Gerina Dunwich

Lammas - Festival da Colheita


Hemisfério Norte: 1o de Agosto
Hemisfério Sul: 2 de Fevereiro


Conhecido como Lughnasadh, Véspera de Agosto e Primeiro Festival da Colheita, o Sabbat Lammas é o Festival da Colheita. Nesse Sabbat (que marca o início da estação da colheita e é dedicado ao pão), os Bruxos agradecem aos deuses pela colheita com várias oferendas às deidades para assegurar a continuação da fertilidade da terra, e honram o aspecto da fertilidade da união sagrada da Deusa e do Deus.

Lammas era originalmente celebrado pelos antigos sacerdotes druidas como o festival de Lughnasadh. Nesse dia sagrado, eles realizavam rituais de proteção e homenageavam Lugh, o deus celta do sol. Em outras culturas pré-cristãs, Lammas era celebrado como o festival dos grãos e o dia para cultuar a morte do Rei Sagrado.

A confecção de bonecas de milho (pequenas figuras feitas com palha trançada) é um antigo costume pagão realizado por muitos Bruxos modernos como parte do rito do Sabbat Lammas. As bonecas (ou bebês da colheita, como são chamadas algumas vezes) são colocadas no altar do Sabbat para simbolizar a Deusa Mãe da colheita. é costume, em cada Lammas, fazer (ou comprar) uma nova boneca de milho e queimar a anterior (do ano passado) para dar boa sorte.

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Lammas são pães caseiros (trigo, aveia e, especialmente, milho), bolos de cevada, nozes, cerejas silvestres, maçãs, arroz, cordeiro assado, tortas de cereja, vinho de sabugueiro, cerveja e chá de olmo.

Incensos: aloé, rosa e sândalo.
Cores das velas: laranja e amarela.
Pedras preciosas sagradas: aventurina, citrino, peridoto e sardônia.
Ervas ritualísticas tradicionais: flores da acácia, aloé, talo de milho, ciclame, feno grego, olíbano, urze, malva-rosa, murta, folhas do carvalho, girassol e trigo.

Ritual do Sabbat Lammas

Comece marcando um círculo com cerca de 3m de diâmetro. Erga um altar no centro do círculo, voltado para o norte. Sobre ele, coloque uma vela da cor apropriada do Sabbat. à esquerda (oeste) da vela, coloque um cálice com água (preferivelmente água fresca de chuva ou água de uma fonte de montanha) e uma bandeja ou prato à prova de fogo, contendo uma boneca nova de milho e uma do Sabbat Lammas do ano anterior. à direita (leste da vela), coloque um incensório com incenso de sândalo ou de rosa, e um prato com sal, pó ou areia para representar o elemento Terra. Diante da vela (sul) coloque um punhal consagrado e uma espada cerimonial consagrada.

Salpique um pouco de sal para consagrar o círculo e, então, começando pelo leste, trace o círculo com a ponta da espada cerimonial, movendo-a de modo destrógiro, enquanto diz: COM O SAL E A ESPADA SAGRADA EU CONSAGRO E TE INVOCO, OH CíRCULO DE MAGIA E LUZ DO SABBAT. SOB O NOME SAGRADO DA DEUSA E SOB A SUA PROTEçãO INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Coloque de volta no altar a espada cerimonial. Acenda a vela e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO FOGO.

Acenda o incenso e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO AR.

Segure o punhal na mão direita e, com a ponta da lâmina, trace um pentáculo (estrela de cinco pontas) no sal, pó ou areia e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO TERRA.

Mergulhe a lâmina do punhal no cálice com água e diga: NESTE CíRCULO CONSAGRADO DO SABBAT EU VOS CONJURO, AGORA, OH ESPíRITOS SAGRADOS DO ANTIGO E MíSTICO ELEMENTO áGUA.

Coloque o punhal de volta no altar. Pegue a boneca nova de milho e coloque-a à direita da vela, e diga: OH SENHORA DA COLHEITA, EU TE AGRADEçO POR NOS SUSTENTAR NAS PRóXIMAS ESTAçõES E PELA GENEROSIDADE DESTA COLHEITA. ASSIM SEJA.

Pegue a antiga boneca de milho e queime-a na chama da vela. Coloque-a na bandeja ou prato à prova de fogo. Enquanto ela queima, recite o seguinte verso mágico do Sabbat: SENHORA DA COLHEITA DO PASSADO, QUEIME AGORA. à DEUSA VóS DEVEIS VOLTAR. ABENçOAI-ME COM A SORTE E O AMOR DO DEUS E DA DEUSA ACIMA. ASSIM SEJA!

Encerre o ritual afastando os espíritos elementais, apagando a vela e desfazendo o círculo em movimento levógiro com a espada cerimonial. Enterre as cinzas da antiga boneca de milho, como oferenda à Mãe Terra, e guarde a boneca nova para o próximo Sabbat Lammas.

Fonte: 'Wicca - A Feitiçaria Moderna', de Gerina Dunwich

1° de Agosto – Dia da Mãe Terra ou “Dia de la Pachamama”



"Pachamama, obrigado por tudo que nos oferece.
Mãe que nos nutre, e nos alimenta em seu seio,
Ensina-nos a andar sobre seu ventre com beleza e graça." - Wagner Frota

Dia da Pachamama é comemorado em vários pontos da America do sul, onde a Mãe Terra é comemorada com os tradicionais rituais, cerimônias, dança, música e refeições especiais. O Dia de lá Pachamama é uma comemoração oriunda da Mitologia Inca, que é celebrada como um dos mais tradicionais feriados nacionais na Argentina, Chile, Bolívia e Peru, em tributo dessa antiga divindade inca com o poder de amadurecer os frutos e aumentar os ganhos, mas pronta para mandar o trovão e as tormentas, quando o homem desrespeita a natureza.

A Pachamama ou Mãe Terra, é a deusa do sexo feminino e a fertilidade da terra, concebida como uma divindade agrícola benigna mãe que nutre, protege e sustenta os seres humanos. Na tradição Inca, é a divindade da agricultura comunal, o fundamento da civilização, e todos os estados andinos. É a mais popular crença mitológica remanescente do incaico.

Pacha Mama ou Pachamama (do quíchua Pacha, “universo”, “mundo”, “tempo”, “lugar”, e Mama, “mãe”, “Mãe Terra”) é a deidade máxima dos Andesperuanos, bolivianos, do noroeste argentino e do extremo norte do Chile.

Pacha Mama é uma deusa que produz, que engendra. Segundo a tradição, sua morada está no Cerro Blanco (Nevado de Cachi), em cujo cume há umlago que rodeia uma ilha habitada por um touro de chifres dourados que, ao mugir, expele nuvens de tormenta pela boca.

Segundo o historiador boliviano Rigoberto Paredes (1870–1950), a princípio, o mito de Pacha Mama devia referir-se ao tempo, “talvez vinculado de alguma forma à terra; ao tempo que cura as maiores dores, tal como extingue as alegrias mais intensas; ao tempo que distribui as estações, fecunda a terra, sua companheira; dá e absorve a vida dos seres no universo. Pacha significa originariamente “tempo”, na língua kolla; só com o transcurso dos anos – as adulterações da língua e o predomínio de outras raças – pôde confundir-se com a terra e fazer com que a esta e não àquele se rendesse preferente culto […] Pacha-Mama, segundo o conceito que tem entre os índios, poderia ser traduzido no sentido de terra grande, diretora e sustentadora da vida” A terra, como geradora da vida, será então assumida como um símbolo de fecundidade.

Andre Alliana

terça-feira, 26 de julho de 2016

Você energiza tudo aquilo que dá atenção



Somos criaturas na face da terra capazes de mudar nossa biologia pelo o que pensamos e sentimos!
O funcionamento de nossas células está diretamente ligado aos pensamentos que criamos, sendo constantemente modificados por eles.
A qualidade do funcionamento de nossas células é diretamente proporcional a qualidade das ondas de pensamentos que criamos.
E a qualidade das ondas de pensamentos que criamos está ligado a eles se forem produzidos por baseados no medo, ou no amor.
Se foi produzida baseada no medo, foi produzida pelo ego; suas ondas são baixas e distorcem as ondas harmônicas que entram em contato.
Se foi produzida baseada no amor, então foi produzida por um ego subjugado pela auto-aceitação divina, alinhado à produção de energia magnética do coração, servindo somente à essas ondas cardíacas e sendo instruído pela consciência superior.
Um surto de depressão, por exemplo, pode arrasar seu sistema imunológico; apaixonar-se, ao contrário, pode fortificá-lo tremendamente.
A alegria e a realização nos mantém saudáveis e prolongam a vida.
A recordação de uma situação estressante, que não passa de um fio de pensamento, libera o mesmo fluxo de hormônios destrutivos que o estresse.
Quem está deprimido por causa da perda de um emprego, projeta tristeza por toda parte no corpo – a produção de neurotransmissores por parte do cérebro é reduzido, o nível de hormônios baixa, o ciclo de sono é interrompido, os receptores neuropeptídicos na superfície externa das células da pele tornam-se distorcidos, as plaquetas sanguíneas ficam mais viscosas e mais propensas a formar grumos e até suas lágrimas contêm traços químicos diferentes das lagrimas de alegria.
A boa notícia é que todo este perfil bioquímico será drasticamente alterado quando a pessoa mudar o seu foco de atenção e a fonte de produção de suas ondas de pensamento, permitindo que sua consciência superior opere em seu sistema através do amor, usando o ego somente como o seu instrumento de apoio.
Acessar a consciência superior e alia-la às ondas de energia cardíaca, para manifestar o funcionamento e a imunidade biológica que realmente você deseja ter, é o primeiro passo para começar a refinar e purificar a saúde em todos os seus 4 corpos.
Você quer saber como esta seu corpo hoje? Lembre-se então do que pensou ontem!
Quer saber como estará seu corpo amanhã? Então olhe seus pensamentos hoje!
Lembre-se:
Ou você abre seu coração agora, ou algum cardiologista o fará por você!
 
Deepak Chopra

Dia dos Avós - Salve Ancestrais!


Ancestrais - As Raízes


Ancestrais que nos deram a vida, de um ventre ao outro, de mão em mão, de sopro em sopro sagrado, no entremear-se das almas através dos milênios sobre esta Terra. Os ancestrais são nossos predecessores e nossas próprias vidas passadas, e estão presentes dentro de nós em nossos genes, em nossas células. Portanto, as células de nosso corpo contém ecos de nossa família, e influenciam na forma de percebermos a realidade.
A conexão com nosso passado, com aqueles que vieram antes de nós, nos ajuda a encontrar força e sabedoria para caminhar no futuro. Nós somos os resultado de milhares de pessoas, que viveram, aprenderam, criaram, ensinaram. Eles tornaram possível nossa realidade, errando ou acertando. Eles honravam os que já passavam por nossa Terra. O que eles fizeram no passado impactam as gerações presentes.
A reconexão com os ancestrais ajuda a compreendermos quem nós somos e da onde viemos. Precisamos inventariar o que nos foi deixado de negativo para não repassarmos para as gerações futuras. Precisamos curar a ferida do nosso passado para reestruturarmos o nosso presente e assim termos mais esperanças no futuro. Assim como precisamos conhecer e honrar o que nossos ancestrais nos deixaram. A conexão com os ancestrais nos fornecem um sentido de continuidade que nos ajuda em momentos difíceis. Eles influenciaram nossa aparência física, nosso comportamento atual, nosso inconsciente, nossa energia.
Influenciaram nossas escolhas, medos, sonhos, impulsos. Também a nossa etnia, nossas crenças e inspirações. Para honrar nossos ancestrais precisamos perdoá-los, pois esse ato de perdão, ajuda a curar as energias ancestrais negativas, nossa herança negativa. (culpa, ódio, rejeição, raiva, negação, etc.) . Senão conseguir perdoar o ato, perdoe a pessoa, isso ajuda a liberar o padrão familiar negativo.

Vamos, portanto, fazer um minuto de silêncio para reverenciar a nossa linhagem na paz e na harmonia, onde que que eles estejam.

" Nossos ancestrais literalmente fazem parte de nós mediante sua presença em nossos genes. Dentro de cada célula de seu corpo existe um traço microscópico de cada um dos seus ancestrais." - Denise Linn

"Avó, elas que nos ensinam o valor do amor, do colo e da compreensão.

Uma boa comidinha, uma superstição um carinho em forma de gestos.
Um sorriso no rosto, um olhar de quem viveu, aprendeu e hoje descansa no relento da calmaria.
São elas que trazem os conhecimentos antigos e as velhas crenças que água com óleo tira o quebranto e chá de camomila acalma.
São elas que fazem os bolos mais gostosos e as sopas que nos curam de qualquer mal ....

Sao com elas que nao existe tempo ruim... e só amor, amor e amor.
São nosso refugio, nosso esconderijo, nosso porto seguro.
Sao mães que nos presenteiam, que nos cuidam, que nos criam.
São elas, senhoras que aprenderam com a vida e hoje com maestria nos transmitem a sua sabedoria.
A minha honra a minha avó materna e a minha avó paterna, por me ensinarem, me acolherem e me amarem.
Sou grata, eternamente grata!" -
Carol Shanti

"Saúdo as minhas antepassadas que com seus pés desenharam o mapa do território que hoje meus pés caminham..." - Rose Kareemi Ponce

Dia dos Avós - Dia 26 de julho!

domingo, 24 de julho de 2016

Mulher: Feminina e Selvagem


“Uma mulher saudável assemelha-se muito a um lobo; robusta, plena, com grande força vital, que dá a vida, que tem consciência do seu território, engenhosa, leal, que gosta de perambular. Entretanto, a separação da natureza selvagem faz com que a personalidade da mulher se torne mesquinha, parca, fantasmagórica, espectral.

Não fomos feitas para ser franzinas, de cabelos frágeis, incapazes de saltar, de perseguir, de parir, de criar uma vida. Quando as vidas das mulheres estão em êxtase, tédio, já está na hora de a mulher selvática aflorar. Chegou a hora de a função criadora da psique fertilizar a aridez.

Aproximar-se da natureza instintiva não significa desestruturar-se, mudar tudo da esquerda para a direita, do preto para o branco, passar o oeste para o leste, agir como louca ou descontrolada. Não significa perder as socializações básicas ou tornar-se menos humana. Significa exatamente o oposto. A natureza selvagem possui uma vasta integridade.

Ela implica delimitar territórios, encontrar nossa matilha, ocupar nosso corpo com segurança e orgulho independentemente dos dons e das limitações desse corpo, falar e agir em defesa própria, estar consciente, alerta, recorrer aos poderes da intuição e do pressentimento inatos às mulheres, adequar-se aos próprios ciclos, descobrir aquilo a que pertencemos, despertar com dignidade e manter o máximo de consciência possível.”

Clarissa Pinkola Éstes - Mulheres que correm com os Lobos, pg 26

A Mulher e a Natureza Sagrada


“As regiões agrestes e ainda intocadas do planeta desaparecem à medida que fenece a compreensão da nossa própria natureza selvagem mais íntima”.  Clarissa Pinkola Estés

Como começou o afastamento da mulher da natureza?

Proponho com esse texto um exercício de máquina do tempo sem sair do lugar. Quem aceitar o desafio vai se perguntar: Quando começou o afastamento da mulher da natureza?
O afastamento da mulher da natureza é muito antigo. Ele tem início na formação da sociedade patriarcal e na formação do Cristianismo.
Esse último, transferiu a consciência da Grande Mãe, totalmente identificada com a terra para a adoração da Virgem Maria, Rainha do céu. Foi o triunfo de um Deus Pai supremo. Perdemos a confiança na terra que a Mãe nos proporcionava.
Historiadores da religião concordam que na época em que a Grande Mãe era adorada, os seres humanos viviam em maior harmonia consigo mesmos e com a própria força vital. Infelizmente a religião nos fez crer por muito tempo que tudo que é divino é masculino e está fora de nós, lá longe, no céu.

Enquanto a Grande Mãe era cultuada a mulher vivia em total  comunhão com a natureza e seus ciclos de vida, morte e vida, pois ela vivia na natureza e da natureza. Plantava, colhia e produzia o próprio alimento. O pão, a cerveja e o vinho. Tecia e fiava a própria roupa bem como seu destino. Era curandeira e parteira. Conhecia as ervas medicinais e com elas cuidavam dos homens, dos filhos e de sua comunidade. Sangrar era sagrado e não sujo. Estavam ligadas ao céu (fases da lua) e a terra fertilidade. Mais de 2 mil anos de cultura patriarcal acabou por nos afastar da consciência da Deusa Mãe criadora, mas que isso nos afastou da consciência da nossa natureza igualmente geradora de vida.

Segundo Clarissa Pinkola Estés, autora do livro “Mulheres que Correm com Lobos” o desmatamento das florestas está intimamente relacionado a morte da nossa natureza instintiva dentro da psique feminina. A natureza assim como, os lobos, ursos, coiotes e as mulheres rebeldes foram perseguidos por não se deixar controlar com facilidade. Infelizmente nossa cultura fez questão de perseguir e erradicar tudo o que era instintivo.

Parte do trabalho com esse livro consiste em aprender a desconfiar de verdades prontas, saber que a maioria das coisas não é o que parece. Aprender o oficio de perguntar. Olhar para nossa história com coragem entendendo e respeitando nossas experiências afinal elas nos trouxeram até aqui.

Agora para finalizar nosso exercício de máquina do tempo voltemos para o presente. Já estamos em um novo ciclo. Nele dialogamos sobre o retorno da Deusa e nossa sagrada ligação com a terra.  A supremacia patriarcal manifesta sintomas de falência espiritual. Vemos em toda parte um enorme ressurgimento da consciência matriarcal. Isso nos indica que estamos fazendo o caminho de volta para casa. De olhos bem abertos para nossa capacidade de gerar vida, lançar sementes e confiar na nossa natureza selvagem que sabe instintivamente o que precisa morrer, o que precisa permanecer.  Voltemos a dançar com a vida, com a morte e de volta a vida!

Não fomos feitas para ser franzinas, de cabelos frágeis, incapazes de saltar, de perseguir, de parir, de criar uma vida. Quando as vidas das mulheres estão em êxtase, tédio, já está na hora de a mulher selvática aflorar. Chegou a hora de a função criadora da psique fertilizar a aridez.  - Clarissa Pinkola Estés

Juliana Carneiro