segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

A Deusa/Bruxa Interior


Como anda a bruxa que existe dentro de você? Pergunta estranha? E se eu perguntar como anda sua deusa interior? Melhorou? Mais agradável de escutar, não é mesmo? Mas ninguém deveria ficar ofendido ou achar estranho quando perguntamos como anda sua bruxa ou sua deusa, pois estamos falando com a essência muito forte e antiga que existe dentro de cada pessoa, ligada a nossos primeiros ancestrais, que cultuavam a Grande Mãe ou Mãe Natureza.

Em pleno século 21 devemos dar mais atenção ao que a nossa deusa ou bruxa sussurra em nossos ouvidos. Ela diz que está na hora de despertar para a vida espiritual e buscar equilibrá-la como nossa vida material. Buscar a proximidade com a natureza, suas forças e essência.
Desta forma podemos dar um novo rumo à nossa vida. Mudanças ocorrem por completo ou parcialmente, dependendo da abertura de consciência de cada pessoa. A Mãe Natureza ensina que a vida é feita de ciclos. Tudo nasce, cresce, vive ao máximo, começa a perder formas e morre. Mas tudo na natureza se transforma. Nada se perde. O que morre, toma outras formas ou renasce em outra vida e segue no mundo.
As bruxas, ou as antigas sacerdotisas, entenderam estes ciclos na natureza, sua força e mensagem. Praticam seus ensinamentos em rituais que muitos chamam de bruxaria. A origem da bruxaria é o mesmo que retornar ao início da humanidade, quando os seres humanos começaram a despertar a sua percepção para os mistérios da vida e da natureza.
As mais antigas obras de arte que representam figuras humanas são de mulheres mães. Datando de 35 mil a 10 mil anos antes da era cristã, e descobertas por toda a Europa e na África, essas estatuetas de "Vênus", chamadas assim pêlos arqueólogos, mostram a plenitude de formas da maternidade e a maturidade da natureza feminina.
Desde os tempos neolíticos, a prática da bruxaria sempre girou em torno de rituais simbólicos que estimulam a imaginação e alteram a consciência. A primeira demonstração de arte devocional foram as Madonas Negras, encontradas em cavernas do período Neolítico. As deusas da fertilidade foram os primeiros objetos de adoração dos povos primitivos.
As sacerdotisas druidas da Grã-Bretanha estavam divididas em três classes. A classe mais alta vivia em regime de celibato em conventos. Essas irmandades alimentavam as fogueiras sagradas da Deusa e foram assimiladas na era cristã como monjas. As outras duas classes podiam casar e viver nos templos ou com os maridos e famílias. Eram servas acolhidas nos ritos sagrados da Deusa. Com o advento do cristianismo, foram chamadas "Bruxas".
         
Oração à Deusa/ Oração da Bruxa

"Eu sou a Deusa, eu sou a bruxa
Eu sou aquela que ilumina e protege
O poder da Grande Mãe está dentro de mim
Que a Grande Mãe,
a Senhora do Norte,
encha de frutos a árvore da minha vida
Grande Deusa que habita dentro de mim, Santifica cada palavra minha e cada ato meu
Afasta cada sombra de minha vida
Ilumina todas as minhas estações
Torna-me forte na dor!
Torna-me bela no amor
Que teu nome e teu poder
sejam o meu nome e o meu poder
Assim sempre foi, assim sempre será."

Franco Guizzetti