quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Bruxas são Estranhas





É gente de conteúdo interno que transcende a compreensão medíocre, simplória. É gente que tem idealismo na alma e no coração, que traz
nos olhos a luz do amanhecer e a serenidade do ocaso. Tem os dois pés no chão da realidade. É gente que ri, chora, se emociona com uma
simples carta, um telefonema, uma canção suave, um bom filme, um bom livro, um gesto de carinho, um abraço, um afago. É gente que ama e
curte saudades, gosta de amigos, cultiva flores, ama os animais. Admira paisagens. Poeira traz lembranças de chão curtido de sonhos
passados. Escuta o som dos ventos. Dança a dança do mundo pelo simples prazer de dançar.

É gente que tem tempo para sorrir bondade, semear perdão, repartir ternura, compartilhar vivências e dar espaço para as emoções dentro de si. Emoções que fluem naturalmente de dentro de seu ser! É gente que gosta de fazer as coisas que gosta, sem fugir de compromissos difíceis
e inadiáveis, por mais desgastantes que sejam. Gente que semeia, colhe, orienta, se entende, aconselha, busca a verdade e quer sempre aprender, mesmo que seja de uma criança, de um pobre, de um analfabeto. É gente muito estranha as Bruxas. Gente de coração desarmado, sem ódio e preconceitos baratos. Gente que fala com plantas e bichos. Dança na chuva e alegra-se com o sol. Cultuam a Lua como Deusa e lhe faz celebrações... Eh!! Gente muito estranha essas Bruxas. Falam de amor com os olhos iluminados como par de lua cheia. Gente que erra e reconhece, cai e se levanta, com a mesma energia das grandes marés, que vão e voltam em uma harmoniosa cadência natural. Apanha e assimila os golpes, tirando lições dos erros e fazendo redentores suas lágrimas e sofrimentos. Amam como missão sagrada e distribuem amor com a mesma serenidade que distribuem pão. Coragem é sinônimo de vida, seguem em busca dos seus sonhos, independente das agruras do caminho.

Essa gente, vê o passado como referencial , o presente como luz e o futuro como meta. São estanhas as Bruxas! Acreditam no poder do feminino, estão sempre fazendo da maternidade a sua maior magia e através da incessante luta pela paz chegam a divindade de existir pelo amor da Grande Mãe, a natureza. Da mesma forma que produzem um belíssimo visual, de elegância refinada com as raias da vaidade, se vestem como verdadeiras Bruxas medievais a caminho do patíbulo. Iluminam de beleza e jovialidade o corpo físico com habilidade mágica e com facilidade transforma-se, permitindo-se um sóbrio aspecto de velha senhora, a depender da lua nos seus espíritos.. Cultuam as sagradas tradições como forma de perpetuar as leis que regem o universo, passam de geração para geração a fonte renovadora da sabedoria milenar. São fortes e valentes ao mesmo tempo humildes e serenas. São leoas e gatinhas, são muito estranhas as Bruxas. Com a
mesma habilidade que manuseiam livros codificados, o fazem com panelas e vassouras... São aventureiras e criam raízes, dançam rock, valsa e polka, danças sagradas , e inventam o que precisa ser inventado. Criam e recriam. Contam contos e histórias de fadas , e carochinhas, contam suas próprias histórias... Falam de generosidade e de todas as daides em exercício constante, buscam a plenitude como propósito...Interessante essa gente, essas Bruxas. Se obrigam tarefas, de evoluir, de amar e dividir... falam de desapego em plena metrópole , em meio as tecnologias.

Cantam mantras e músicas populares, mas se emocionam com as folclóricas. Mexem com ervas e chás, são primitivas e avançadas. Pulam da mesa do rei para um abrigo montanhês com o mesmo sorriso enigmático de prazer e sabedoria que iluminava a face das suas ancestrais.
Degustam um pão artesanal, receita medieval da velha senhora das montanhas com a mesma gula que o fazem em um banquete cinco estrelas, com pães ultra sofisticados daquela celebridade da cozinha francesa. Amam em esteiras e em grandes suites, desde que estejam felizes, pois ser feliz é sempre a única condição dessa gente estranha. É gente que compra briga pela criança abandonada, pelo velho carente pelo homem miserável, pela falta de respeito humano... é gente que fica horas olhando as estrelas, tentando decifrar seus mistérios, e sempre conseguem. Gente que lê em fundos de xícaras, em bolas de cristal, tarot, com pedras, na areia, nas nuvens, no fogo, no copo d'água... são muito estranhas! Oram para elementais, anjos e gnomos.

Falam com intimidade com os Deuses e lhes chamam para um círculo, fazem fogueiras e dançam em volta... Viajam de avião, a pé, de carro e em lombos de animais, agradecendo pelas oportunidades que a vida lhes dá... aliás, essa gente estranha agradece por tudo, até pela dor, que chamam de mãe, pois acreditam que é a forma mais rápida para a evolução...Se reúnem em escolas iniciáticas que chamam de coven, para mutuamente se bastarem, se protegerem,se resguardarem, resgatar valores, estudar, muito estranhas são as Bruxas.

Mas estranha mesmo é a fé que as mantém vivificadas ao longo de cinco mil anos. Que seja abençoada toda essa gente estranha...e desconfio que é deste tipo de gente que a DEUSA precisa para o terceiro milênio...


"Oito palavras o Credo das Bruxas enseja :
Sem prejudicar ninguém, faça o que você deseja"

(Texto de autor desconhecido)

Gato Preto



O Criticado Gato Preto


Os gatos pretos são tanto um símbolo do Halloween como são abóboras e fantasmas. Eles também foram símbolos de Samhain, o feriado celta antigo, que ocorre neste momento, na medida em que eram vistos como companheiros de deusas celtas.

Contos vila velha, superstições e folclore sobre os gatos pretos eram abundantes, e ainda existem em algumas comunidades até hoje. Algumas culturas europeias consideram um gato preto a ser um mau presságio. A superstição de um gato preto cruzar seu caminho sendo a má sorte é muito conhecida na América do Norte e em outras partes do mundo.

Cultura Irlandesa acreditava que a aparência de um gato preto sob o luar doença predisse grande. Da mesma forma, os italianos acreditavam que uma pessoa doente visitado por um gato preto que logo perecerá. Outros, em particular a religião Sul Africano Hoodoo, acredita que um osso específico dentro de um gato preto pode ser usado para transmitir alguém com invisibilidade ou outros poderes.

No entanto, os gatos pretos não ficar com um aspecto realmente sinistro e se tornar afiliado com o mal até a Idade Média, quando a Igreja cristã começou a associar os gatos pretos com as mulheres acusaram de serem bruxas. Eu tinha muito tempo que os gatos pretos são considerados familiares das bruxas, mas eu não tinha idéia do que isso significou para o pobre gato preto!

Algumas superstições tê-lo que um "familiar" - espírito ou familiar - é uma bruxa real que tem formato mudou para uma forma diferente. Outros dizem que um familiar é uma entidade sobrenatural, talvez um imp ou demônio menor em forma animal, que compartilha um vínculo especial com uma bruxa.

Não muito tempo atrás, o duo assustador de bruxa e do gato preto foi visto com medo e trepidação. Ai de alguém andando sozinho em uma noite escura se ele viu um gato preto de emboscada no caminho. E pior ainda, uma bruxa pode estar escondido nas proximidades, buscando lançar um feitiço sobre o viajante desavisado!

Familiares poderia tomar a forma de muitas criaturas diferentes, incluindo ratos, cobras, corujas, ouriços, sapos, lebres, doninhas, lagartos, morcegos, corvos ou corvos, cães pretos e até mesmo "humanóide" criaturas. Mas, de longe, é o gato preto que mantém a associação mais forte com as bruxas.

O fato de que o gato - especialmente um gato preto - recebeu a maior atenção faz sentido, porque os gatos possuem uma personalidade particular original. Gatos são noturnos por natureza, e os gatos pretos combinam com a noite. Seus olhos brilham no escuro, o que poderia ser considerada um sinal do mal. Eles também possuem um choro sobrenatural.

Familiares foram considerados, pelo menos, tão perigoso como bruxas. Eles poderiam espionar ou causar estragos para a sua bruxa sem ser facilmente detectado. Aqui estão outras coisas as pessoas diziam sobre familiares.

1. O objetivo principal de familiares é o de servir os mais jovens bruxas, fornecendo proteção para eles como eles entram em seus novos poderes.

2. Eles ajudam as bruxas em sua prática de magia, feitiços e azarações.

3. Eles agem como intermediários para a bruxa, a realização de suas ordens para que ela não terá que estar na cena do crime quando o ato é feito o mal.

4. Húngaros acreditavam que os gatos tornaram-se familiares com idades entre 7 e 12 anos.

5. Foi possível entregar o gato da bruxa por fazer uma incisão na pele na forma de uma cruz. (Ai o pobre gato!)

6. Uma bruxa recebeu seu espírito familiar depois de sua iniciação em um coven ou seita.

7. Se uma bruxa se torna humano, seu gato preto já não reside em sua casa.

8. Bruxas cresceu um "bico artificial", com que amamentou seus familiares. Este foi chamado de "bico de bruxa", uma.

9. Bruxas transformaram-se em gatos ou outros animais para transportar-se a um sabá (reunião da meia-noite), presidida pelo diabo.

10. Um gato de bruxa veio a ser chamado de Grimalkin. A deusa das bruxas escocesas foi chamado Mither O'The Mawkins, um mawkin ou malkin ser nem um gato ou lebre.


John Richard Stephens explica em seu livro, The Cat Enchanted, como as pessoas torcido o conceito de associação com os gatos em algo demoníaco e do mal: "(It) começou com a perseguição da Igreja Católica de grupos religiosos, alguns dos que adoravam o gato Na. 12th Century esta perseguição se espalhou para grupos dissidentes da própria igreja, como os cátaros, a quem a igreja acusados ​​de adorar o demônio na forma de um gato. Isto levou a histórias de Satanás aparecendo em missas negras como um gato. "

O gato preto mais sofreu nas áreas da Europa que participaram da prática de julgamentos de bruxas, que começou no século 13. Em 1233, o Papa Gregório IX chegou mesmo a declarar os gatos pretos para ser mal criaturas, satânico, levando ao seu extermínio generalizado. Em 1484 o papa Inocêncio VIII emitiu um decreto denunciando todos os gatos e quem possuía um! Inquisidor Nicholas Remy ecoou este um século mais tarde, quando ele disse que todos os gatos eram demônios. Durante este período os padres presidida festivais onde os gatos foram queimados pelas centenas.

Mulheres mais velhas na Idade Média, eram quase sempre marginalizado e solitário. Isolado da sociedade, eles se voltaram para pequenos animais para a amizade. Em um ponto durante a histeria bruxas na Europa, a mera posse de um gato preto (ou de um animal de estimação incomuns, como um sapo, lagarto, ou de rato) foi causa suficiente para a investigação como uma bruxa. Companheiros animais próximos foram por vezes considerada uma prova de que uma pessoa era uma bruxa!

A peste negra devastou a Europa 1346-1349. Esta e outras pragas foram acusados ​​de bruxaria, e os julgamentos de bruxas se intensificou. Como os problemas econômicos cresceu, e comida e trabalho tornaram-se escassos, os ensaios ofereceu uma desculpa para se livrar de "economicamente inúteis" as mulheres de idade.

Julgamentos de bruxas, muitas vezes produzidas "provas" das tetas de uma bruxa no corpo da bruxa deveria - o que poderia ter sido uma marca de nascença ou de crescimento. Independentemente disso, qualquer imperfeição física sobre o suspeito foi imediatamente pronunciado como evidência de tetas de uma bruxa.

Por vários séculos esses "Bruxas" foram presos, julgados e morto por queimadura, afogamento ou outros métodos violentos, e seus "familiares" foram mortos com eles. Na Europa e Grã-Bretanha mais de 200.000 supostas bruxas foram executadas. Na Nova Inglaterra havia mais de 2.000 estudos relacionados com o gato bruxa. Milhões de gatos foram destruídos, e as espécies foi trazido para o ponto de extinção.

Claro que hoje sabemos que a maioria das mulheres consideradas bruxas eram falsamente acusados ​​ou eram simplesmente "mulheres hábeis", aqueles que eram bem versados ​​na sabedoria de ervas e outros remédios populares, que às vezes era considerado bruxaria por pessoas excessivamente supersticiosas.

Embora já não queimar e afogar as bruxas e seus familiares, o gato negros pobres ainda não pode travar uma ruptura! Você sabia que os gatos pretos são os mais freqüentemente condenados à morte em abrigos? Isso porque eles são a cor do gato, pelo menos adotado.

Sabiamente, abrigos aqui nos Estados Unidos não vai adoptar a gatos pretos no Halloween e algumas semanas antes e depois, por medo de ser torturado, ou usados ​​como "decoração viva" para o feriado e depois abandonadas.

No entanto, familiares foram descritos em uma luz muito mais positiva nos filmes Harry Potter, onde as corujas e um par de outros animais com os rodízios feitiço jovens para formar uma ligação especial. E wiccanos atuais e Neo-Pagãos consideram o gato preto a ser mais parecido com o conceito cristão de um anjo da guarda. A Wicca é familiar pode ser o seu companheiro mais próximo, oferecendo apoio moral, conhecimentos específicos e / ou cura física.

Então, se você ver um gato preto (ou um gato de qualquer cor) este Halloween / Samhain, oferecer-lhe um grande abraço e agradecer que o gato sobreviveu como espécie. Não tenha medo - ser gentil com os pobres, vítimas de abusos, temido, gato preto difamado!

Texto traduzido de Celtic Lady

A Dança das Bruxas



SAMHAIN DANCE

Artista Desconhecido

"Eu vou dançar
a dança dos últimos dias
e vida dormindo.

Eu vou dançar
no frio, folhas mortas
um redemoinho, dobra, dança humana.

Eu vou dançar
como os passeios com chifres deus
através dos céus.

Eu vou dançar
a música de seus cães
correndo, latindo em coro.

Eu vou dançar
com os fantasmas daqueles
ido antes.

Eu vou dançar
entre o sono da vida
eo sonho da morte. "




Existem muitos tipos de danças á ser feito no Samhain, ou Eva Halloween. Por exemplo:

Há a Dança Espiral: Dança Espiral real em Asheville, Carolina do Norte em 2007.
Observe todas as esferas, que são fadas ou espíritos!

A Dança Espiral, também chamada de Dança e Dança do Grapevine Weaver, é um grupo de dança Neopagan enfatizando comunidade. Ele é especialmente popular em festivais, devido à sua acomodação de grande número de pessoas.

A Dança Espiral primeira foi realizada em Berkeley, CA, em comemoração da publicação do livro A Dança Espiral por Starhawk. É melded arte, música ritual, e da política. Se transformou em uma celebração anual, embora uma grande parte da política foi removido para versões mais recentes. Ele existe atualmente como uma celebração Samhain para honrar o renascimento mortos e celebrar.

Há a Dança da Fogueira Celtic / Pagã: Com uma fogueira enorme comunidade em chamas, os antigos celtas iria extinguir todos os incêndios domésticos. Cada família, então solenemente acendeu o seu centro da chama comum, portanto, a ligação das famílias da aldeia juntos. Frequentemente duas fogueiras seriam construídas lado a lado, e as pessoas andavam entre os incêndios como um ritual de purificação. Às vezes, o gado e outros animais seriam expulsos entre os incêndios, também.

As fogueiras realizada no Samhain, Eva o Celtic de Ano Novo, foram feitos para aquecer os espíritos simpáticos e afastar os maus, e também representou o sol que quisessem voltaria, trazendo calor e do crescimento. As fogueiras dos celtas continuou a arder através dos séculos, e será novamente acesa na Grã-Bretanha na noite de segunda-feira.

Há Dança da Bruxa: O que se preze bruxa e seu gato preto familiar não iria dançar na noite de Halloween?

Há a Dança Halloween Costume do Início do Século 20:

Há o Monstro Dança Mash:

Há a Dança Solitária:

Há a Dança da Lua Cheia:

Há Dança das Fadas': No Samhain o véu entre este mundo eo outro emagrece. As fadas saem para dançar e fazer travessuras. Cuidado, a Rainha das Fadas pode capturá-lo e espírito para longe de sua casa nas colinas ocas.

Há a Dança Midnight Madness:

Há a Dança Jack Lanterna:


Que dançam você estará dançando no Halloween / Samhain Eva? Para mim, não haverá lua cheia sem fogueira, apenas uma pequena dança solitária através tempo...


Texto traduzido site: Celtic Lady

Poemas para Yule



"WINTER MAGIC" por Julia Jeffrey

"E assim o dia mais curto do ano veio e morreu
E em toda parte ao longo dos séculos do mundo branco-neve
Vieram pessoas cantando, dançando,
Para dirigir no escuro de distância.
Eles velas acesas nas árvores de inverno;
Penduraram suas casas com evergreen;
Eles queimaram fogos suplicando a noite toda
Para manter o ano viva,
E quando o sol o ano novo blazed acordado
Eles gritaram, deleitando-se.
Através de todas as idades frosty você pode ouvi-los
Ecoando atrás de nós - Ouça!
Todos os ecos longos cantar o deleite mesmo,
Este dia mais curto,
Como promessa desperta na terra de dormir:
Eles carol, fest, dar graças,
E adoro os seus amigos,
E esperança para a paz.
E nós também, aqui, agora,
Este ano e todos os anos.
Bem-vindo Yule ".

"The Shortest Day" ~ Susan Cooper


Cartão de Yule por Lucete

"A canela, gengibre, noz-moscada yule
Pinho-scented log, nosso combustível de inverno.
Laranjas, nozes e especiarias mulling,
Holly e Ivy vegetação duas vezes.
Incêndios e família snuggled apertado
juntos e amar mais longa da noite deste.
Geada e neve, sem brilho,
faces do amor conter poucas dúvidas.
Segurando estes amigos e perto da família,
com amor e carinho em dose igual.
Então, agora sobre esta noite mágica
Quente dentro vendo a luz das estrelas.
Especiarias raras e queima incenso
celebrar com alegria um mundo que se transforma. "


"DEUSA YULE" por Angela Barnett Jayne

"Solstice incêndios queimam brilhante como estrelas recém-nascidas
derramamento calor, onde a geada - sopro gelado lobo
correntes de prata, os beijos cada ramo sem folhas,
tornando o rendimento mãe eterna.
Fosco brilho botões como lágrimas congeladas
como a natureza chora pequena morte da mãe;
demônios escuro espalhar um manto pesado para branquear
cor a partir da, floresta saúde e de campo.

Mas de cada coisa uma pequena faísca, preservado
e cuidados por aqueles que servem a chama
sobrevive ao nascimento temporada embrião luz,
"A vida til retorna mais uma vez, vibrante e verde.
Busca de melhor a cada dia as curvas de sol pálido,
não é forte o suficiente para definir o céu em chamas.
Assim, enquanto a natureza definha em falta,
esta noite mais escura do solstício de fogos queimam. "

"Fires Solstice" ~ Ian Thorpe R


("Frost-lobo" é uma referência aos nomes das luas cheias. A lua lobo é a última lua cheia do ano pagã e por isso seu "sopro gelado" é o ar durante as longas noites em torno do solstício.)


"A eterna luta" por Angela Barnett Jayne
(Entre o rei do carvalho e do Rei Holly)


(No solstício de inverno, o Rei Oak derrota o Rei Holly e regras para o próximo meio do ano - até o Dia de Verão).

"O tempo de profunda escuridão
O Deus é nascer de novo
Mudas na terra congelada
Aguardando o orvalho da primavera.

O chão, um deserto gelado,
Embora corações vizinhos são quentes
Partilhamos os nossos bens com todos
Então, ninguém vem ao dano.

Neve está em seus ombros
Fosco manto para os cabelos
Rainha do inverno está dando à luz
A Deusa, sempre lá.

O sol está cada vez mais brilhante.
Isto acontece todo ano
Retorno promissor de luz
Para sod e carvalho e veados.

Rei Veado, seus chifres poderosos
Passando de uma deriva
Saltos de seta do caçador
Tão forte e rápida.
Ele sabe que seu tempo acabou

Ele está se dirigindo para a planície
Onde a alegria carícias memória
Suavemente como chuva de verão.

New fawn leva o seu primeiro passo,
A bola, ele se tornará.
Após o tempo de saber
Um novo ano já começou. "

"Aspectos da Yule" ~ autor desconhecido


"SNOW YULE RAINHA" por Octavia Cheetham

"Antes de ir para a cama
Depois de uma queda de neve
Eu olho no campo
Brilhavam ao luar
Tão calmo, intocado e branco
O silêncio da neve enche minha cabeça
Depois que eu deixar a janela.

Horas mais tarde, quase ao amanhecer
Quando eu olho para baixo outra vez
Toda a paisagem mudou
A superfície perfeita ido
Atravessada e escrito em
Onde as criaturas selvagens variou
Enquanto a lua se levantou e brilhou.

Por que não o meu cachorro latir?
Por que eu não ouvir nenhum som
Há na neve-locked chão
No escuro tumultuada?

O quanto pode vir, quanto pode ir
Quando a lua de Dezembro é brilhante,
Que mundos de jogo que nunca saberemos
Dormir longe do frio da noite branca
Depois de uma queda de neve. "

"December Moon" ~ May Sarton


Poemas Traduzidos do site Celtic Lady

Banhos Ritualísticos




De uma maneira geral, utilizando certos tipos de elementos da natureza, com diversos intuitos e de forma consciente e ordenada, os rituais pagãos conhecidos como banhos ritualisticos, são muito utilizados por diversas pessoas, que seguem a arte, ou simplismente as pessoas mais antigas, que erdaram esse conhecimento atraves de geração em geração com seus familiares.

O que aumenta ainda mais, a certeza de que a magia reina dentro de todos nós, e não a uns poucos privilegiados. O amor da deusa esta presente em todos nós, por que o que importa e o que sobra de tudo é o amor.

Enfim, os banhos ritualisticos, os que alguns dos irmãos também chamam de banhos de magia, também é muito importante quando se realiza um ritual, sendo muito utilizado para limpeza espiritual, limpezas de energias ruins e negativas que podem grudar em nós, ou ate mesmo que é lançada contra nós.

O mais rápido e mais utilizado principalmente pelo povo do interior e mais velhos é o banho de sal grosso. Por que o sal grosso é considerado um potente purifiador de ambientes. Os povos distintos usam o sal para combater o mau-olhado (as energias ruins e mal intensionadas que são lançadas contra nós, por diversos motivos) e também é muito utilizado para deixar o lar, o local de trabalho, limpo e longe dessas energias nefastas.

Raymond Buckland em seu livro ‘wicca, um estilo de vida, religião e arte’, da editora nova era, descreve estes banhos como: “uma boa prática, especialmente se você viver em uma comunidade onde enfrenta pressão de grupo ou individuos externos”.

Esses banhos devem ser tomados em epocas especificas (os banhos que contenham sal grosso uma vez ao mês, para que não altere totalmente sua energia pessoal.) Por exemplo:

• Os banhos de proteção, o melhor mesmo é que seja feito no sábado, com o horário de saturno.

• Os de amor, em uma sexta-feira, dinheiro no domingo.

Dicas de Banhos Ritualisticos



Dica 01:Este banho é bem simples, e o mais utilizado como já disse anteriormente. O banho de sal grosso.


Lembrando de não lavar os chacras superiores (coronal e frontal), somente do pescoço para baixo, já que está ligado á coroa da pessoa, e precisa ser cuidada, sendo considerado como o elo que liga atraves da mediunidade a pessoa ao plano astral superior.


Para preparar, basta em um balde colocar um punhado de sal grosso, em agua morna ou fria. Alguns deixam - se ficar molhados por 3minutos e uando se enxuga não esfregam a toalha sobre o corpo, apenas seca o excesso.


Dica 02:
Uma dica bem legal é utilizar agua do mar no lugar de agua e sal grosso. Mais aho que se você prefere utilizar a agua do mar, se é possivel a você ir à praia, banhe-se la mesmo, por que vai ser bem mais poderoso, que alem de estar em contato com a natureza, você tambem relaxa.


Dica 03:Você pode também colocar feixes de ervas amarradas em um embrulho de gaze ou muselina com o sal grosso ou somente a erva.

- para proteção: manjericão, louro, endro, alcrim.

Dica 04:
Você também pode fazer da seguinte maneira: deixar a erva de molho antes do banho em cerca de 3 xicaras de aguas fervente por uns 15 minutos.

Dica 05:

Uma boa dica para banho de lar e local de trabalho é a que aparece no livro de raymond buckland (do qual já citei a cima) que é usar todas essas ervas (as descrita a cima para proteção) deixando descançar por três dias e num balde com meio litro de agua, agitando tudo, três vezes por dia. Enquanto o banho é feito deixe num lugar fresco e escuro. Vai sacudindo pelos cantos da casa, sempre tendo em pensamentos em coisas boas. E a cada vez que sacudir vai pensando que isso tem proposito de proteger a casa, no final de três dias, você ao a agua e essa agua você lave os degraus da sua casa e das outras entradas também, dizendo: “senhor e senhora, abençoem esta passagem para que nenhuma força negativa possa entrar. Deixem entrar somente o que é bom e positivo e afastem tudo que for prejudicial. Protejam a todos que morem aqui. Que assim seja!”.


Dica 06:Outra dica de banho, mas para atrair boa sorte é o banho de sal grosso com ervas de prosperidade como é o caso de guiné, arruda, alecrim e folhas de eucalipto. A agua morna e as ervas sendo um punhado.


Uma grande duvida das pessoas é o que fazer com as ervas depois de utilizá-las, você pode jogar fora, ou enterrar num jardim, ou depositar num vaso de plantas, agradecendo, que assim pode retornar para a terra aquilo qe você pediu permissão a grande mae que fosse usado em seu beneficio.


Dica 07:
Outra dica é para harmonia que você pode utilizar em um balde 3 litros de agua fervida, folhas de laranjeira, folhas de fortuna e /ou ervas de camboim. Banhando – se meia hora depois. Como sempre do pescoço para baixo.


Dica 08:
Para prosperidade, em uma caneca com agua fervida acrescente 3 punhados de erva doce, 3 pedaços de canela em pau e 3 cravos. Banhe-se


Fonte: Caminhando com Lobos

LENDA DAS BRUXAS



Quando de um casal nascem sete filhas; sem que nasça nenhum menino entre o espaço, a primeira ou a última será, fatalmente, uma bruxa. Para que isso não venha a acontecer é necessário que a irmã mais velha seja a madrinha de batismo da mais moça. São apontadas, como tal, certas mulheres magras, feias, antipáticas. Dizem que têm pacto com o demônio, lançam maus-olhados, acarretam enfermidades com os seus bruxedos etc. Costumam transformar-se em mariposas e penetram nas casas pelo buraco da fechadura. Tem por hábito chupar o sangue das crianças ou mesmo de pessoas adultas, fazendo-as adormecer profundamente. A marca do chupão deixado na pele, chama o vulgo de "melancolia". Antigamente, quando um recém-nascido começava a emagrecer e definhar até a morte, principalmente os que ainda não haviam sido batizados, acreditava-se em "doença da bruxa". Para que as crianças não batizadas não sejam atacadas pelas bruxas, deve-se conservar luz acesa no quarto. Os pais, ao colocarem o caixão da criança atravessado na porta da casa, a primeira mulher que aparecesse seria a bruxa, vindo mais uma vez buscar a vida de uma criança, para assim manter-se eternamente jovem. Era costume também, proteger as crianças dando-lhes remédios à base de alho e colocando tesouras abertas embaixo dos seus travesseiros. A criança atacada por uma bruxa ingere carvão, cal de parede, terra e outras substâncias estranhas.

As bruxas realmente existem, garante a sabedoria popular. Sabe-se que uma mulher é bruxa, quando dá a apertar a mão canhota (esquerda). Há ainda, outro processo de identificar uma bruxa: vira-se a lingüeta da fechadura de uma canastra. A bruxa, ao entrar em casa, a primeira coisa que faz é pedir para endireitar-se a lingüeta. Existe, também, uma oração contra elas; quem as possui consegue descobri-la e prendê-la e também não adormece quando ela a noite penetra em casa. A pessoa assim presumida toma para prendê-la, de um tacho ou uma medida de alqueire, e logo que a bruxa entra em casa, emborca o tacho ou a medida e ela fica incapaz de sair.

As lendas de Bruxas, "lobisomens" e outros seres que habitam a fértil imaginação dos populares formam um capítulo a parte. Muitos juram, de pés juntos, que as bruxas andam as soltas nas belas noites de luar, fazendo seus rituais bruxólicos e espalhando no ar toda a magia de suas fascinantes feitiçarias.

Depoimento de Manoel Agostinho – Barra da Lagoa


"... A mulher feiticeira aprende uma com a outra.
Mas a bruxa já nasce bruxa. A bruxa não sabe que é bruxa.
A bruxa, se morre, se salva, porque ela é bruxa e não sabe.
Os outros é que desconfiam.
De onde vem o olho ruim?
Se estão numa casa fechada, elas aí dizem:
“Tiritititirititá, por debaixo do telhado e por cima do silvado”.
Quer dizer, por debaixo da telha e por cima da ripa.
E elas aí saem, ou como beija-flor, uma mariposa...
Qualquer coisa.
Se você desconfia de uma senhora que esteve na sua casa e
fica embromando, e tem criança doente, magrinha, essa mulher é bruxa."

A BRUXA BRASILEIRA

A Bruxa encontrada no imaginário popular de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul é imigrante de Portugal e possui características de um vampiro que chupa o sangue das crianças recém-nascidas para obter a eternidade.

O medo dos vampiros principalmente entre as populações do Leste europeu e do Oriente Médio é muito antigo. Esse fenômeno sempre foi tomado muito a sério. O próprio Rousseau escreveu: "Se já houve no mundo uma história garantida e provada é a dos vampiros; nada falta: relatórios oficiais, testemunhos de pessoas qualificadas, de cirurgiões, de sacerdotes, de juízes; a evidência é completa".

Mas a Bruxa sobrenatural, caracterizada por uma mulher velha e feia que pratica bruxaria, é considerada a última sombra de uma Deusa primitiva da natureza, conhecida pelos nomes de Cailleach Bheur, Black Annis ou Gentle Annie, todas originárias da cultura celta. As inúmeras bruxas que habitam as Ilhas Britânicas personificam o inverno. Algumas, de igual modo que o inverno, se convertem em primavera, passando a serem belas e jovens donzelas. Outras como Black Annis são canibais.

Black Annis era uma feiticeira de rosto lívido e garras de ferro que vivia em uma cova em Leicestershire. A entrada para a sua cova encontrava-se entre as raízes de um grande carvalho no qual, se dizia, que a bruxa se escondia para saltar sobre crianças e cordeiros perdidos e devorá-los. Daí que surgiram as bruxas americanas que do mesmo modo ameaçam devorar as criançinhas, como é o caso da Cuca, criada à imagem e semelhança de Black Annis.

Hoje, a Bruxa já não assusta tanto, pois deixou de ser páreo para a grande violência que ameaça as cidades. Já existe tanto sangue derramado, tanta bala perdida, que até as lendárias bruxas têm medo de sair à noite e serem vitimas da própria sorte!

ARQUÉTIPO DA BRUXA

Toda a mulher tem o lado Bruxa, ou seja, os aspectos "inferiores" do feminino. Quando a confiança básica é baixa e a desvalorização do feminino é elevada, então toda a mulher tende a sentir-se identificada com os poderes negativos e inferiores da bruxa, da feiticeira ou da Mãe Terrível.

A Bruxa se apodera quando nos sentimos sobrecarregadas e desvalorizadas, magoadas e incompreendidas. Gradualmente, convertemos nossa mágoa em ressentimento, distância, frieza e desesperadora resignação. Como a bruxa, vamos morar na "floresta" e não nos sentimos como membros legítimos ou dignos de nossas famílias. Embora a floresta seja o lugar apropriado para a bruxa, nenhuma pessoa comum quer viver lá sozinha. Assim, o isolamento solitário da bruxa se torna um grande fardo.

Igualmente, nossa preocupação cultural com a esbelteza das mulheres é um sintoma de nossos problemas coletivos com o complexo de bruxa. Hoje há um número crescente de adolescentes que se preocupam em demasia com o excesso de peso. Tenha ou não um peso excessivo, a adolescente se "sente" gorda e condena-se por seu peso.

Toda a mulher-bruxa, em geral, condena seu corpo ao isolamento e será com muita relutância que se "abandonará" a encontros íntimos sem alimentar uma perturbadora ansiedade sobre sua desagradável aparência.

É importante saber identificar a atividade desse arquétipo para então procurar a ajuda de um terapeuta e voltar a ter uma vida normal e saudável.

Texto pesquisado e desenvolvido por ROSANE VOLPATTO
Bibliografia consultada
Bruxas e Heróis - Polly Young Eisendrath
Diccionario de Las Hadas - Katharine Briggs
Folclore Catarinense - Doralécio Soares


Mais Curiosidades

Para algumas Tradições da Wicca, o ano se inicia no Solstício de Inverno, é conhecida como Halloween ou Dia das Bruxas, mas seu nome tradicional é Samhain, que significa "Sem Sol", referindo-se ao tempo de Inverno. Essa época também é correspondente ao Ano Novo Judaico.
Semhain - Halloween ou Dia das Bruxas - HN (31 de Outubro) - HS (01 de Maio) Segundo as tradições Wicca este é o mais importante de todos os Festivais, pois dentro do Círculo, marca tanto o fim, como o início de um novo ano. Nessa noite, o véu entre o nosso mundo e o mundo dos mortos se torna mais tênue, sendo o tempo ideal para nos comunicarmos com os que já partiram. As(os) Bruxas(os) não fazem Rituais para receber mensagens dos mortos, e muito menos para incorporar Espíritos. O sentido do Halloween, a sintonização com os que já partiram para lhes enviar mensagens de amor e harmonia. A noite de Semhain pronuncia-se (SOUEN) é uma noite de alegria e festa, pois marca o início de um novo período em nossas vidas, sendo comemorado com muito Ponche, bolos e doces. A cor do Sabá é negro, sendo o Altar adornado com maçã, símbolo da Vida Eterna. O vinho é substituído pela sidra ou pelo suco de maçã, deve-se fazer muitas brincadeiras com dança e música. Os nomes das pessoas que já se foram são queimados no Caldeirão, mas nunca com uma conotação de tristeza!


Mais Sobre o Assunto...



Algumas Bruxas históricas adquiriram alguma notoriedade, como é o caso chamadas Bruxas de Salem, a Bruxa de Evóra e Dame Alice Kytler (bruxa inglesa). São também bastante populares na literatura de ficção, como nos livros da popular série Harry Potter, nos livros de Marion Zimmer Bradley (autora de As Brumas de Avalon, que versam sobre uma vasta comunidade de bruxos e bruxas cuja maioria prefere evitar a magia negra, ou a trilogia sobre as bruxas Mayfair, de Anne Rice).

As Bruxas foram implacavelmente caçadas durante a inquisição na Idade Média. Um dos métodos usados pelos inquisidores para identificar uma bruxa nos julgamentos do Santo Ofício consistia na comparação do peso da ré com o peso de uma Bíblia gigante. Aquelas que fossem mais leves eram consideradas bruxas, pois dizia-se que as bruxas adquiriam uma leveza sobrenatural. Frequentemente as bruxas são associadas a gatos pretos, que dentre as Bruxas Tradicionais são os chamados Puckerel, muitas vezes tidos como espíritos guardiões da Arte da Bruxas, que habitam o corpo de um animal. Estes costumam ser designados na literatura como Familiares.

Diziam que as Bruxas voavam em vassouras a noite e principalmente em noites de lua cheia, que faziam feitiços e transformavam as pessoas em animais e que eram más.

Hoje em dia essas antigas superstições como o da Bruxa velha da vassoura na lua cheia já foram suavizados, devido à maior tolerância entre religiões, sincretismo religioso e divulgação do paganismo. Gerald Gardner tem destaque nesse cenário como o pai da Religião Wicca- A Religião da Moderna Bruxaria Pagã, formada por pessoas que são Bruxos/as mas que utilizam a "Arte dos Sábios" ou a "Antiga Religião" mesclada a práticas e conhecimentos de outras tradições. A classificação de magia como negra e branca não existe para os bruxos, pois se fundamentam nos conceitos de bem e mal, que não fazem parte de suas crenças, por isso, como costuma dizer, toda magia é cinza.

A Arte das Bruxas como era feita antes é chamada de Bruxaria Tradicional, ainda remanescendo até os dias atuais em grupos seletos, via de regra ocultos. Hoje também pode-se encontrar uma vasta quantidade de livros e sites que explicam a "Antiga Religião" mas geralmente se tratam de Wicca, pois os membros de grupos de Bruxaria Tradicional costumam preferir o ostracismo, revelando-se publicamente apenas em ocasiões especiais ou para que novos candidatos os localizem.

Em algumas regiões do Brasil o termo também pode ser usado para designar uma mariposa (traça em Portugal) grande e de coloração escura. Talvez por associar-se a imagem da borboleta a uma imagem humanóide feminina como as fadas e, assim, remeter a imagem da mariposa à de uma senhora de idade avançada, de vestes escuras e de hábitos noturnos - a bruxa.

História da Bruxaria

À afirmativa de existência de bruxas à forma retratada em registros da Idade Média, incluindo histórias infantis que permaneceram em evidência até os dias atuais, admite-se uma ressalva: elas parecem ter existido apenas no imaginário popular, surgidas na esteira de uma época dominada por medos, quando qualquer manifestação diversa ou mesmo a crença na inexistência de bruxas da forma retratada pelas autoridades clericais era implacavelmente perseguida pela Igreja.

A feitiçaria já era citada desde os primeiros séculos de nossa era. Autores como o filósofo grego Lucius Apuleius (123-170), fazia alusão a uma criatura que se apresentava em forma de coruja (lilith), que na verdade era uma forma descendente de certas mulheres que voavam de madrugada, ávidas de carne e sangue humanos.

Para os intelectuais, estes acontecimentos não passavam do imaginário popular, sonhos, pesadelos e, assim, recusavam-se a admitir a existência de bruxas. Porém, entre muitos povos não era assim: os éditos dos francos salianos falavam da Estrige como se ela existisse de fato. Os penitenciais atestavam a crença nessas mulheres luxuriosas. No início do século XI Burchard, o bispo de Worms, pedia aos padres que fizessem perguntas às penitentes, no intuito de descobrir se eram seguidoras de Satã, (...) se tinham o poder de matar com armas invisíveis cristãos batizados (...) Se sim, quarenta dias de jejum e sete anos de penitências.

Até ao século XIII a Igreja não condenava severamente esse tipo de crendice. Mas, nos século XIV e XV, o conceito de práticas mágicas, heresias e bruxarias se confundiam no julgo popular graças à ignorância. Eram, em geral, mulheres as acusadas. Hereges, cátaros e templários foram violentamente condenados pela Inquisição, tomando a vez aos judeus e muçulmanos, que eram os principais alvos da primeira inquisição (século XIII). Curiosamente, foi exatamente a partir da primeira inquisição que iconografia cristã passou a representar o "Arcanjo Decaído" não mais como um arcanjo, mas com a aparência de deuses pagãos, como Pã e Cernunnos. Tal fato levou, séculos após, à suposição de que bruxas eram adoradoras do demônio, o que não faz sentido, uma vez que a figura do demônio faz parte do dogma cristão, não pertencendo às crenças pagãs e nem existindo personagem de caráter equivalente ao diabo em qualquer panteão pagão. O uso alternativo do nome Lúcifer para designar o mal encarnado, na visão cristã, agravou a ignorância a respeito do culta das bruxas, uma vez que o nome Lúcifer, pela raiz latina, representa portador/fabricante da luz (Lux Ferre), inescapável semelhança ao mito grego de Prometeu, que roubou o fogo dos céus para trazê-lo aos homens.

Perseguição às Bruxas


O movimento de repressão à bruxaria, iniciado na Idade Média, alcançou maior intensidade no século XV, para, na segunda metade do século XVII, ter diminuída sua chama: o número de processos de feitiçaria no norte da França aumentou de 8, no século XV, para 13 na primeira metade do século XVI, e 23 na segunda metade, chegando a 16 na primeira metade do século XVII, diminuindo para 3 na segunda metade daquele século, e para um único no seguinte.(Claude Gauvard - membro do Institut Universitaire de France).

Em 1233, o Papa Gregório IX admitiu a existência do sabbat e esbat. O Papa João XXII, em 1326, autorizou a perseguição às bruxas sob o disfarce de heresia. O Concílio de Basileia (1431-1449) apelava à supressão de todos os males que pareciam arruinar a Igreja.

Uma psicose se instalou. Comunidades do centro-oeste da França acusavam seus membros de feitiçarias. Na Aquitânia (1453) uma epidemia provocou muitas mortes que foram imputadas à mulheres da região, de preferência as muito magras e feias. Presas, submetidas a interrogatórios e torturadas, algumas acabavam por confessar seus crimes contra as crianças, e condenadas à fogueira pelo conselheiro municipal. As que não confessavam eram, muitas vezes, linchadas e queimadas pela multidão, irritada com a falta de condenação.

Os tratados demonológicos e os processos de feitiçaria se multiplicaram, por volta de 1430, marcando uma nova fase da história pré-iluminista, de trágicas dimensões. Em 1484, o Papa Inocêncio VIII promulgou a bula Summis desiderantes affectibus, confirmando a existência da bruxaria. Em 1486 a publicação do Malleus maleficarum ("Martelo das Bruxas"), que originou a caça às bruxas, mais do que obras anteriores, associava a heresia e a magia à feitiçaria.

A Inquisição, instituída para combater a heresia, agravou a turba de seguidores inspirados por Satã. Havia, ainda, um componente sexista. Os bruxos existiam, mas eram as mulheres, sobretudo, que iam queimadas nas fogueiras medievais.

Em 1602 Anton Praetorius, um teólogo alemão calvinista, teve de publicar o livro “Gründlicher Bericht von Zauberey und Zauberern” (“Relatório profundo da magia, mágicos e feiticeiros”) contra a quimera da bruxaria e tortura.

Etimologia


O vocábulo "Bruxa" é de orígem desconhecida provavelmente de orígem pré-Romana. No entanto existe uma provável relação com os vocábulos proto-celtas: *brixtā (feitiço), *brixto- (fórmula mágica), *brixtu- (magia); ou o Gaulês: brixtom, brixtia do qual deriva o nome da deusa Gaulesa Bricta ou Brixta.

Tenho que acrescentar a opinião da jornalista Fátima Dannemann, publicada no Fórum do SINJORBA, com assunto SER CHAMADA DE BRUXA NÃO É OFENSA: “(...) alguns autores dizem que começaram a queimar mulheres como bruxas na Idade Média para esconder o fracasso das Cruzadas (que só trouxeram doenças e miséria para a Europa). Muitas mulheres fortaleceram seu poder enquanto seus maridos estavam lutando pela Santa Madre Igreja em Israel, e não só conservaram os patrimônios como aumentaram suas riquezas e mais: sem ninguém para dar "regulagem" elas tiveram acesso a cultura, conhecimento, ciência, etc. Isso deixou a Igreja irritada. Como a igreja voltou falida das lutas na "terra santa", começaram a atacar as mulheres (muitas das quais ficaram viúvas durante as cruzadas) para confiscar as terras e bens (quando acaba, tem católico que critica as seitas protestantes) e ai foi uma bagaceira só. Tem monte de livros que falam sobre o assunto. Alguns verdadeiros, outros de ficção. Tem um de Ken Follet, autor de best-seller, de 940 páginas, que retrata bem a luta de uma inglesa contra o poderio da igreja e os senhores feudais. Bem interessante e se formos ler nas entrelinhas, a batalha continua em outras esferas."

Fonte:Wikipédia, a enciclopédia livre

Ressurgimento das Bruxas!




Professora Eliene Percília da Equipe Brasil Escola explica:


"Não se sabe a exata origem das Bruxas, constam relatos de que elas existam desde os primórdios da humanidade. Há duas teorias para a existência de tais seres:"

1. As práticas de bruxaria envolvem rituais simbólicos desde os tempos neolíticos. A primeira demonstração da arte de devoção foi encontrada em cavernas do período neolítico, onde havia ilustrações dos rituais de adoração às deusas da fertilidade dos povos primitivos. Dessa forma, as experiências visionárias, rituais de caça e cerimônias de cura sempre estiveram presentes nos símbolos e metáforas de cada cultura. Na Grã-Bretanha as sacerdotisas druidas estavam divididas em três classes. As que viviam em conventos num regime de celibato eram as da classe mais alta. As outras duas classes, que eram das sacerdotisas, podiam se casar e viver nos templos ou com marido e família. Com a era do cristianismo, foram denominadas “Bruxas” e perseguidas por muito tempo.

2. Durante a Idade Média toda e qualquer mulher que conseguia poder, passavam gradativamente a ser considerada bruxa. Bruxa em sânscrito significa “mulher sábia”. As bruxas eram denominadas sábias, até a Igreja lhes atribuir o significado secundário de mulheres dominadas por instintos inferiores. Sem mito algum, as bruxas eram apenas mulheres que conheciam e entendiam do emprego de ervas medicinais para cura de enfermidades, e colocavam em prática seus conhecimentos nos vilarejos onde habitavam. Com a chegada do Cristianismo, começando a imperar a era patriarcal, as mulheres foram colocadas em segundo plano e tidas como objetos de pecado utilizados pelo diabo. Muitas mulheres não aceitaram essa identificação e rebelaram-se. Essas, dotadas de poder espiritual, começaram a obter novamente o prestígio que haviam perdido o que passou a incomodar o poder religioso. Assim acusar uma mulher de bruxaria ficou fácil, bastava uma mulher casada perder a hora de acordar, que o marido a acusava de estar sonhando com o demônio.

Perseguição às Bruxas

Durante o século X e XII as bruxas ressurgiram, nesse período realizaram vários processos contra elas, promovidos pelo poder civil. No entanto, tal questão veio assumir um aspecto dramático a partir do século XIV, momento em que a Igreja Católica implantou os tribunais da Inquisição com o intuito de reprimir, tanto a disseminação das seitas heréticas como a prática de magia e outros comportamentos considerados pecaminosos. Nesse período, o fenômeno se caracterizou como manifestação coletiva, de profunda repercussão no direito penal, na vida religiosa, na literatura e nas artes. Dessa forma, para que a repressão fosse eficaz, os tribunais de Inquisição se proliferaram, e os processos aumentaram rapidamente.

Segundo os teóricos do assunto, a epidemia de bruxas ocorreu nos séculos XVI e XVII, no norte da França, no sul e oeste da Alemanha e em especial na Inglaterra e na Escócia, a perseguição às bruxas foi metódica e violenta. Os colonizadores ingleses levaram esse procedimento para a América do Norte, onde, em 1692, ocorreu o famoso processo contra as bruxas de Salém, em Massachusetts. Normalmente, acusavam-se as bruxas velhas, e com menor freqüência as jovens.

A maioria das acusações se referia aos malefícios contra a vida, a propriedade e a saúde. Também constavam denúncias de pactos com o diabo. Segundo as denúncias, as bruxas montadas em vassouras voavam pelos ares e se reuniam em lugares inabitados para celebrar a satanás e entregar-se a orgias. O iluminismo do fim do século XVII e do século XVIII, que era caracterizado pelo espírito científico e pelo racionalismo, contribuiu para o fim desse processo e para que não mais se admitisse perseguição judiciária em casos de superstições populares.

Um trecho do livro "História da Bruxaria"

Se você perguntar aos conhecidos o que é uma bruxa, provavelmente eles lhe dirão que Bruxas não existem. Bruxas, afirmarão eles, são personagens imaginários, representados como velhas horrorosas, com verrugas no nariz, chapéus compridos e pretos em formato de cone, montadas em cabos de vassoura, que criam gatos pretos e dão gargalhadas malignas, bastante parecidas com cacarejos. (...) Provavelmente, nenhuma bruxa, em tempo algum, jamais tenha tido as características desse estereótipo. Todavia, bruxas existem realmente. (...) Dentre as bruxas que conhecemos, nenhuma correspondeu a esse estereótipo, exceto talvez em festas à fantasia.

As Bruxas e Bruxos são pessoais normais. Você diferencia algum católico ou budista na rua? Pois é, com as bruxas e bruxos também é assim que funciona. É uma escolha espiritual e/ou religiosa, somente.

Existem diversas abordagens hoje sobre o que é um bruxo ou uma bruxa. Vale a pena esclarecer que usamos mais comumente o termo no feminino que no masculino, por uma simples convenção histórica. Sempre se referiu mais às bruxas que aos bruxos, mas para nós não há diferença, é simplesmente um hábito. Sendo assim, garotos, não se ofendam.

Abordagens que temos das Bruxas e Bruxos

Bruxa é o mesmo que feiticeira (abordagem antropológica e "cientificamente" aceita);
Bruxas adoram o diabo (abordagem histórica da bruxaria européia e por alguns grupos religiosos intolerantes);
Bruxas reverenciam deusas e deuses e praticam magia (abordagem adotada pela maioria dos bruxos modernos);

Cada um desses pontos de vista pode ser justificado. Infelizmente, quem deseja ir a fundo nessa questão encontrará pouca ajuda nos livros que existiam até pouco tempo em bibliotecas populares ou livrarias. Aos poucos, mais e mais livros sobre bruxaria vão surgindo, e a coisa vai ficando menos mistificada.

Para falar, então, o que uma bruxa (ou bruxo) é, podemos falar, antes, do que uma bruxa (ou bruxo) não é. Veja o esclarecimento de algumas dúvidas abaixo:

Bruxas(os) são a mesma coisa que Curandeiras(os)?

Não. O curandeiro pratica magia, mas sua função é justamente a de combater as ameaças ou efeitos da bruxaria. No entanto, se pegarmos a palavra curandeiro e analisarmos a essência de seu significado ("curar"), veremos que muitas bruxas podem sim ser curandeiras. Preparamos chás, infusões, poções, tudo no sentido de curar, causar algum efeito no corpo. Sendo assim, vamos dizer que não, não são a mesma coisa. Mas as bruxas têm práticas de cura, sim. Não dá para generalizar. Não é 8 ou 80, como a maioria dos conceitos, realmente.

Bruxas(os) são a mesma coisa que Magas(os)?

Não. Um mago é quem pratica magia. Ou seja, qualquer pessoa que pratica magia pode ser considerada um mago, teoricamente. Bruxas e bruxos também praticam magia, mas é uma magia mais específica - a magia que envolve a Natureza, os poderes naturais. E não há só esse tipo de magia. Uma pessoa pode praticar magia baseada na cabala, por exemplo. Isso não é bruxaria, só magia. Ou magia cristã. Ou magia blablabla. Existem diversas formas de magia. A Bruxaria é apenas uma delas. Sendo assim, todo bruxo é um mago da Natureza, mas nem todo mago é um bruxo, pois ele pode fazer uso de outros tipos de magia, que não a natural.

Todas as Bruxas e Bruxos são Iguais no mundo Inteiro?

Não. Existem grandes e profundas variações entre a bruxaria das diversas culturas. Por exemplo, existe uma diferença histórica entre a bruxaria européia da bruxaria em outras culturas.

Bruxas(os) estão Relacionadas(os) às Possessões?


Não. A possessão é um ataque interno de maus espíritos sobre um indivíduo; uma invasão energética; já a obsessão é um ataque externo e físico perpetrado por tais espíritos malignos. Em nenhum dos casos a vítima realiza um pacto voluntário com o espírito maligno. Na chamada "bruxaria diabólica" das épocas da Renascença e da Reforma européias, por outro lado, a chamada bruxa convocava o mau espírito por meio de invocações, dentre outras formas. Quase todos os bruxos modernos condenam totalmente esse tipo de prática. Ou seja: a resposta para essa pergunta é não.

Bruxas(os) Praticam a "Missa Negra"?

Não. A missa negra é desconhecida na história da bruxaria européia e certamente não faz parte do repertório dos bruxos modernos. A única ocasião em que a missa negra foi historicamente registrada foi na corte do rei francês Luis XIV, e ainda assim como uma forma de sátira grosseira do catolicismo. Alguns satanistas modernos celebram a missa negra, mas satanismo não tem nada a ver com bruxaria, portanto, não, as bruxas e bruxos não celebram a missa negra.

As Bruxas surgiram na Idade Média?

Não. As crenças nas quais as bruxas e bruxos se baseiam remontam ao período Paleolítico. As acusações de bruxaria surgiram somente no final da Idade Média. As grandes perseguições às bruxas ocorreram durante a Renascença, a Reforma e o século XVII.

Todas as Bruxas são Velhas?

Não. Tanto no passado quanto no presente, muitos homens praticam a bruxaria, além do que muitas bruxas eram bastante jovens, até crianças. Até hoje é assim. Essa idéia de que as bruxas são velhas, têm verrugas no nariz etc vem da imagem construída ao longo da história, mas que nada tem a ver com a realidade, conforme citamos no início deste texto. Há uma longa tradição artística que se estende do século XIII a Goya fixando essa imagem em nossas mentes.

Bruxa por maioria de Votos (Curiosidades)

Rosaura de Montalban, mulher de extraordinária beleza, desfez lares e arruinou fortunas em Florença, na Itália, no século 16. Denunciada como bruxa, Rosaura era sempre absolvida porque seu sorriso enfeitiçava os juízes. Só foi condenada quando alguém se lembrou de lhe cobrir o rosto com uma máscara de caveira.

Matemático russo foi considerado Bruxo e condenado à fogueira devido à precisão de seus cálculos - O tzar Ivan IV da Rússia, que reinou de 1533 a 1584, mandou executar na fogueira um matemático a quem pedira, apenas para divertir a corte, que calculasse o número exato dos tijolos necessários para construir determinado prédio. Ao término da obra, verificada a precisão dos cálculos, Ivan IV sentenciou o matemático à morte como bruxo, porque era dotado de estranhos e perigosos poderes.

Médico alemão que se disfarçou de mulher para assistir a um parto foi parar na fogueira - Em 1521, um médico alemão foi queimado na fogueira porque ousou disfarçar-se de mulher para assistir a um parto. Até então, era evento exclusivamente feminino e cercado de pudores. Na Idade Média, até mesmo as parteiras trabalhavam com as mãos debaixo das saias das parturientes.



Fonte: 1 de Copas

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Pentagrama

Pentagrama - O Símbolo Através da História

A humanidade sempre teve ao seu redor um mundo de forças e energias ocultas que muitas vezes não conseguia compreender nem identificar. Assim sendo, buscou ao longo dos tempos, proteção a esses perigos ou riscos que faziam parte de seu medo ao desconhecido, surgindo aos poucos muitos objetos, imagens e amuletos, criando-se símbolos nas tradições de cada povo.
O pentagrama está entre os principais e mais conhecidos símbolos, pois possui diversas representações e significados, evoluindo ao longo da história. Passou de um símbolo cristão para a atual referência onipresente entre os neopagãos com vasta profundidade mágica.

:.Origens e Difusões


Num dos mais antigos significados do pentagrama, os Hebreus designavam como a Verdade, para os cinco livros do Pentateuco (os cinco livros do Velho Testamento, atribuídos a Moisés). Na Grécia Antiga, era conhecido como Pentalpha, geometricamente composto de cinco As.
O pentagrama também é encontrado na cultura chinesa representando o ciclo da destruição, que é a base filosófica de sua medicina tradicional. Neste caso, cada extremidade do pentagrama simboliza um elemento específico:Terra, Água, Fogo, Madeira e Metal. Cada elemento é gerado por outro, (a Madeira é gerada pela Terra), o que dará origem a um ciclo de geração ou criação. Para que exista equilíbrio é necessário um elemento inibidor, que neste caso é o oposto (a Água inibe o Fogo).
A geometria do pentagrama e suas associações metafísicas foram exploradas por Pitágoras e posteriormente por seus seguidores, que o consideravam um emblema de perfeição. A geometria do pentagrama ficou conhecida como A Proporção Divina, que ao longo da arte pós-helênica, pôde ser observada nos projetos de alguns templos. Era um símbolo divino para os druidas. Para os celtas, representava a deusa Morrighan (deusa ligada ao Amor e a Guerra). Para os egípcios, era o útero da Terra, mantendo uma relação simbólica com as pirâmides.
Os primeiros cristãos tinham o pentagrama como um símbolo das cinco chagas de Cristo. Desse modo, visto como uma representação do misticismo religioso e do trabalho do Criador. Também era usado como símbolo da comemoração anual da visita dos três Reis Magos ao menino Jesus. Ainda, em tempos medievais era usado como amuleto de proteção contra demônios.
Os Templários, uma ordem de monges formada durante as Cruzadas, ganharam grande riqueza e proeminência através das doações de todos aqueles que se juntavam à ordem; além de grandes tesouros trazidos da Terra Santa. Na localização do centro da Ordem dos Templários, ao redor de Rennes du Chatres, na França, é notável observar um pentagrama natural, quase perfeito, formado pelas montanhas que medem vários quilômetros ao redor do centro. Ainda é possível perceber, a profunda influência do símbolo, em algumas Igrejas Templárias em Portugal, que possuem vitrais na forma de Pentagramas. No entanto, Os Templáriosforam dizimados pela mesquinhez da Igreja e pelo fanatismo religioso de Luis IX, em 1303. Iniciou-se assim a Idade das Trevas, onde se queimavam, torturavam e excomungavam qualquer um que se opusesse a Igreja. Durante esse longo tempo de Inquisição, a igreja mergulhou no próprio diabolismo ao qual se opunha. Nessa época o pentagrama simbolizou a cabeça de um bode ou do diabo, na forma de Baphomet, o mesmo que a Igreja acusou os Templários de adorar. Assim sendo, o pentagrama passou de um símbolo de segurança à representação do mal, sendo chamado de Pé da Bruxa. Assim, a perseguição da Igreja fez as religiões antigas se ocultarem na clandestinidade.
Ao fim da era das Trevas, as sociedades secretas começam novamente a realizar seus estudos sem o medo paranóico das punições da Igreja. Ressurge o Hermetismo, e outras ciências misturando filosofia e alquimia. Floresce então, o simbolismo gráfico e geométrico, emergindo aRenascença numa era de luz e desenvolvimento. O pentagrama agora, significa o Microcosmo, símbolo do Homem de Pitágoras representado através de braços e pernas abertas, parecendo estar disposto em cinco partes em forma de cruz (O Homem Individual). A mesma representação simboliza também o Macrocosmo, o Homem Universal, um símbolo de ordem e perfeição, a Verdade Divina. Agrippa (Henry Cornelius Von de Agrippa Nettesheim), mostra proporcionalmente a mesma figura, colocando em sua volta os cinco planetas e a Lua no ponto central (genitália) da figura humana. Outras ilustrações do mesmo período foram feitas por Leonardo da Vinci, mostrando as relações geométricas do Homem com o Universo.
Posteriormente, o pentagrama também foi associado aos quatro elementos essenciais (terra, água, ar e fogo) mais o quinto, que simboliza o espírito (A Quinta Essência dos alquimistas e agnósticos)
Na Maçonaria, o Laço Infinito (como também era conhecido o pentagrama, por ser traçado com uma mesma linha) era o emblema da virtude e do dever. O homem microcósmico era associado ao Pentalpha (a estrela de cinco pontas), sendo o símbolo entrelaçado ao trono do mestre da Loja.
Com Eliphas Levi (Alphonse Louis Constant), o pentagrama pela primeira vez, através de uma ilustração, foi associado ao conceito do bem e do mal. Ele ilustra o pentagrama microcósmico ao lado de um pentagrama invertido (formando a cabeça do bode, Baphomet).
O pentagrama voltou a ser usado em rituais pagãos à partir de 1940 com Gerald Gardner. Sendo utilizado nos rituais simbolizando os três aspectos da deusa e os dois do deus, surgindo assim a nova religião Wicca. Desse modo, o pentagrama retoma sua força como poderoso talismã, ajudado pelo aumento do interesse popular pela bruxaria e Wicca, que à partir de 1960, torna-se cada vez mais disseminada e conhecida. Essa ascensão da Wicca, gera uma reação da Igreja da época, chegando ao extremo quando Anton LaVey adota o pentagrama invertido (em alusão a Baphomet de Levi), como emblema da sua Igreja de Satanás, e faz com que a Igreja Católica considere que o pentagrama (invertido ou não) seja sinônimo de símbolo do Diabo, difundindo esse conceito para os cristãos. Assim naquela época, os Wiccanos para se protegerem dos grupos religiosos radicais, chegaram a se opor ao uso do pentagrama.
Até hoje o pentagrama é um símbolo que indica ocultismo, proteção e perfeição. Independente do que tenha sido associado em seu passado, ele se configura como um dos principais e mais utilizados símbolos mágicos da cultura Universal.

O Pentagrama é o símbolo da Bruxaria. Os Bruxos usam um Pentagrama para representar a sua fé e para se reconhecerem. O Pentagrama é tão importante para um Wiccaniano, assim como uma cruz é importante para um cristão, ou como um Selo de Salomão é importante para um judeu. O Pentagrama representa o homem dentro do círculo, o mais alto símbolo da comunhão total com os Deuses. É o mais alto símbolo da Arte, pois mostra o homem reverenciando a Deusa , já que é a estilização de uma estrela (homem) assentada no círculo da Lua Cheia (Deusa). Cada uma das pontas possui um significado particular:

PONTA 1 - ESPÍRITO: representa os criadores , a Deusa e o Deus, pois eles guiam a nossa vida e nos ajudam na realização dos ritos e trabalhos mágicos. O Deus e a Deusa são detentores dos 4 elementos e estes elementos são as outras 4 pontas.

PONTA 2 - TERRA: representa as forças telúricas e os poderes dos elementais da terra, os Gnomos. É a ponta que simboliza os mistérios, o lado invisível da vida, a força da fertilização e do crescimento.

PONTA 3 - AR: representa as forças aéreas e os poderes dos Silfos. Corresponde à inteligência , ao poder do saber, a força da comunicação e da criatividade.

PONTA 4 - FOGO: representa a energia, a vontade e o poder das Salamandras. Corresponde às mudanças, às transformações. É a força da ativação e da agilidade.

PONTA 5 - ÁGUA: representa as forças aquáticas e aos poderes das Ondinas. Está ligada às emoções, ao entardecer, ao inconsciente. Corresponde às forças da mobilidade e adaptabilidade. Portanto, o Bruxo que detém conhecimento sobre os elementos usa o Pentagrama como símbolo de domínio e poder sobre os mesmos.

Texto retirado do site Spectrum Gothic

As Cinzas do Tempo




Por Adriana Zampolli

Nós Bruxas e Magos somos alvos de perguntas taxativas, todos os dias, vinculadas ao pensamento negativo gerado da deturpação criada pela igreja católica na época inquisitória de que Bruxaria é a Arte do Demônio. Sendo então uma Arte demoníaca, todos os feitiços, magias e rituais são vinculados em veneração à um Deus de Chifres.
Primeiramente, Bruxas e Magos não acreditam em diabo sendo ele uma criação da própria igreja católica. O Deus das feiticeiras é um Deus chifrudo, porém, é o Senhor da fauna, flora e dos animais.

A Magia é vista nos dias de hoje como algo engraçado ou objeto de poder para demonstração pública digna de aplausos. Quem de nós não somos abordados com a seguinte pergunta: Como faço para trazer meu marido ou minha esposa de volta?

São homens e mulheres implorando por encantamentos e feitiços com a esperança de trazer alguém de volta. Mas, o que é feitiço? O que é Magia? Quero deixar algo muito claro: Todos os feitiços e encantamentos encontrados nos livros ou citados por amigos e familiares fazem parte do folclore de cada cultura ou tradição. Funciona? Observem que a Magia é trabalhada através dos nossos sentimentos como: sensações, alegrias, criatividade, intuição, imaginação, raiva etc. Esses são os ingredientes adicionados no caldeirão para que a magia seja realizada. A magia esta na sua persistência e no seu conceito de fazer magia. Ela pode funcionar ou não. É exatamente por isso que a Wicca é uma Arte! Parece simples colocar todos esses sentimentos no caldeirão e transformar, mas não é. É uma Arte transformar seu ódio em amor e a raiva em perdão.

Se você, quer seu marido ou sua esposa de volta, procure refletir sobre o que levou ambos à separação. Admitir seus erros, pedir desculpas e partir para a conquista, é Magia.

Se você esta apaixonada – Viva intensamente essa paixão.
Seu relacionamento acabou? Todos nós terminamos um relacionamento e começamos outro. Todos nós sofremos de amor, uma ou várias vezes.
Mas ele(a) é o amor da minha vida! Será? Nem sempre aquilo que amamos é bom para nós.
A Magia realizada por uma Bruxa e/ou Mago tem como objetivo nossa auto-cura, pois nossa missão é ajudar o próximo seguindo sempre a Lei Tríplice, não obstante, várias pessoas procuram a Wicca ou uma Bruxa acreditando que suas almas serão salvas. Entendo que muitas religiões pregam à Salvação, mas a Wicca não salva ninguém. Quer aprender sua Arte? Honre a natureza! A Bruxaria nada mais é do que a veneração à natureza. E a Magia? Uma consequência daquilo que já existe dentro de você. Somos Bruxas e Magos e não enfermeiros de almas.

Beberagem de Artemísia



A artemísia é uma erva muito mágica, especialmente quando é colhida ou comprada no Solstício de Verão ou na Lua Cheia. Era sagrada para os druidas e muitas outras culturas antigas para ser utilizada em trabalhos rituais.Ela pode ser esfregada em bolas de cristal e espelhos mágicos para aumentar o poder.

Sua beberagem é para aumento da clarividência e intuição

Material necessário

- um garrafa de um litro de âmbar

- 8 gramas de artemísia

- uma garrafa de vinho suave

- panos brancos de malha fina.

Deixe 8 gramas de artemísia curtindo em uma garrafa de vinho suave por nove dias(um número lunar), começando na Lua Crescente. Ao final desse período, coe a artemísia. Use várias camadas de pano de malha fina, pois a artemísia libera muita borra. Coloque o vinho na garrafa de âmbar, feche bem. Beba uma pequena quantidade para auxiliar na clarividência, adivinhações e leituras de cristais.

* Contra indicado em caso de gestação

Fonte: cavernadabruxa

Pó da Prosperidade




Para atrair energia de prosperidade em sua vida, você pode usar de várias maneiras este pó. Passe em suas velas de magia, ou espalhe no seu altar.

Você pode espalhar na bolsa, na carteira, em cômodos da casa ou empresa, enfim, onde você gostaria que tivesse a energia da prosperidade.

Para a magia você vai precisar de:

- Uma vasilha para misturar os ingredientes,

- Uma colher de sopa de gengibre em pó,

- Uma colher de chá de menta desidratada,

- Meia xícara de maisena,

- Um saquinho ou frasco limpo, para guardar seu pó mágico.


Enquanto você mistura os ingredientes com as mãos, visualize as coisas que você quer que melhore, prospere ou aumente.

Visualize os detalhes, veja você satisfeito(a) com sua vida financeira, etc…

Continue mexendo a mistura, e diga este encantamento:

“Dinheiro, riqueza, fortuna,

Fluam para mim,

Eu comando agora este pó,

Para que ele traga o que preciso,

Ao meu comando,

Por um método justo,

Pela magia do bem,

Sem prejudicar ninguém,

Que o Universo me traga prosperidade,

Que minha vida tenha tesouros,

Com chegada e sem partida!

Que assim seja!”

Agora imponha suas mãos sobre a vasilha, e energize seu pó, mentalizando uma luz branca saindo da terra, subindo por seu corpo e saindo pelas suas mãos em direção ao pó.

Quando terminar, coloque o pó mágico no saquinho ou frasco, e não se esqueça de etiquetar a data, o que é e a Lua.

Use este pó sempre que precisar de vibrações de prosperidade.

E quando usar, repita o encantamento!




Fonte: cavernadabruxa.com

As Bruxas Verdes Modernas

 
Por Adriana Zampolli

No mês de Julho foi celebrado a famosa Rainha egípcia Hatshepsut, considerada uma representação da Deusa da Cura. Viveu na 18o dinastia, em 1490 a.c. e construiu vários templos dedicadas à Deusa. Na Irlanda, este é o dia considerado muito favorável à colheita de ervas curativas. Homenageia-se Airmid, a deusa da cura e da magia, guardiã da fonte sagrada da saúde. Na Bélgica, ocorre celebrações e procissões das curandeiras e feiticeiras.

As Bruxas sempre foram vistas como curandeiras do povo, sempre beneficiando as comunidades em que viviam. Eram as parteiras, as curandeiras, enfim, as médicas dos vilarejos, onde seus moradores confiavam e acreditavam. A Tradição Verde na Wicca originou-se de um estilo de uma “tradição familiar”e é literalmente secular. As Bruxas de antigamente usavam da tradição das ervas locais para tratar medicinalmente a sua família e os seu vizinhos. Nenhum bruxo verde escolheu seguir essa tradição, eram verdes por causa da necessidade do estilo de vida que promovia uma afinidade natural com a terra e suas fontes. As Bruxas Verdes tem uma longa história de autonomia e independência. Na maioria dos casos, tinham que depender de si mesmas ou de seus vizinhos para o que precisassem. Esta era uma Tradição de orientação verbal e familiar e é duvidoso que estas pessoas pertencessem a grupos e covens, a menos que alguém se considerasse uma família de imediato, ou um grupo ou covens estruturado. Na verdade, em vários períodos através da história, formar grupos grandes teria literalmente sido perigoso devido a perseguição que teriam que combater.

Por causa das Bruxas Verdes serem tão sintonizadas com a natureza, elas provavelmente observavam as fases da lua e as passagens das estações. Não existia rituais específicos para cada sabbats ou esbats pois suas vidas diárias já eram um ritual. Elas incorporaram sua Bruxaria em suas atividades diárias como cozinhar, limpar, costurar, com a jardinagem, a cura, o nascimento de nenéns e etc.

Hoje, o que torna uma Bruxa Verde é a descendência de uma “Bruxa de cozinha” ou uma decisão consciente de focalizar a pessoa ou as energias dos covens na natureza. O importante é alinhar suas energias com a Mãe Natureza fazendo venerações aos deuses e deusas da terra.

O ativismo político não é uma exigência da Bruxaria Verde, mas ser auxiliar dela. É muito comum que um praticante verde seja um consumidor verde. Nossos avós provavelmente estavam mais em contato com a terra do que nós estamos hoje porque eles passaram pela depressão (crise econômica) que o fizeram mais conscientes da importância de não gastar recursos naturais. É claro que temos vidas bem diferentes das que nossos avós ancestrais tiveram. Em épocas mais simples o lema era: Invente ou gaste pelo uso, consuma ou faça sem”. Este ainda é um lema válido para as Bruxas Verdes modernas. No caminho verde não existe regra ou manual a ser seguido. Viver o Verde, hoje, geralmente significa viver uma vida simples consciente e autêntica.

As Bruxas Verdes são amigas da terra, são recicladoras, tem um trabalho de reconhecimento das ervas e óleos, preferem um caminho natural para a saúde e a cura.

Não existe nenhum manual ou regras de como ser uma Bruxa Verde, mas abaixo deixo alguns conselhos que fazem a diferença:

Uma pessoa sempre faz a diferença! – Dê auxílio às organizações verdes!
Crie um grupo de pessoas para troca de conhecimentos
Pratique aquilo que você ensina;
Ouça sua voz interior sempre;
Recicle;
Respeite o planeta terra;
Não acredite em tudo que aparece na TV;
Reverencie a natureza em todas as suas manifestações





"Reverencie a natureza em todas as suas manifestações!"

Circe, A Deusa Feiticeira


Dizem os mitos e lendas gregas, que em alguma das montanhas da Europa, vive Circe, a Deusa Rainha das Feiticeiras, num lindo castelo protegido por leões e armadilhas mágicas. Poderosa e sedutora, Circe protege suas seguidoras e as feiticeiras que vivem em sua morada e parece não se preocupar muito com as disputas e problemas dos olímpicos, tanto é, que na mitologia são pequenas suas participações, mas citações a respeito dessa divindade são encontradas com maior freqüência.

É comumente vista com uma trança cumprida que separa suas madeixas castanhas com tons avermelhados, onde traz certos fundamentos mágicos. Dessa forma, a maioria de suas sacerdotisas também usavam de tranças nos longos cabelos. Como a Deusa, suas representantes também não se misturavam com a sociedade da época e tão pouco eram vistas, diferente das bacantes (sacerdotisas de Dionísio) e das Pitonisas (sacerdotisas de Apolo). As filhas de Circe preferiam se dedicar aos mistérios da feitiçaria.

Circe rege os pós mágicos, filtros, poções e artes de sedução e envenenamentos. Sua VARINHA mágica transformava homens em animais, como aconteceu com os homens de Odisseu. Esses ao voltar da Guerra de Tróia, na fuga da fúria de Posêidon, pois o Deus pretendia exterminá-los por terem matado um de seus filhos, acabaram por parar, acidentalmente, no reino da feiticeira.

Com a exceção de Odisseu, que havia sido presenteado por Hermes com ervas de proteção, a feiticeira transformou todos em porcos. Mas Odisseu, também, não conseguiu fugir de seus encantos, pois apesar de ter conseguido que a Deusa trouxesse seus amigos de volta, apaixonou-se por ela e viveram juntos alguns anos de sua vida.

Circe é uma das Deusas mais misteriosas e sua energia, que é profunda e densa, é uma mistura de Afrodite e Hécate, a qual está intimamente ligada. Tão ligada, que muitos a confundiam com a própria senhora da magia, dos mistérios e da lua. Como age diretamente em cima de mudanças e grandes transformações, Circe é associada à lua nova.


Um ENCANTAMENTO já conhecido, mas com um toque de Circe:Uma Escada dos Desejos

Você irá precisar de:

- um longo pedaço de barbante da cor correspondente à sua necessidade;
- nove sementes, castanhas, pedaços de madeira, flores secas ou ramos de ERVAS magicamente associados à sua necessidade;
- uma taça de vinho;
- uma VELA roxa.

Chame por Circe:

“Oh Deusa grega das diversas encantarias, te chamo neste instante para minha magia! Deusa das tranças, dos pós mágicos e da transformação, eu te invoco e peço sua atenção. Com o poder dos Céus, da TERRA e dos Mares, peço seu auxílio na escada dos desejos, pois a realização deles é o que almejo. Saudações e seja bem vinda, Circe, Deusa Feiticeira!”

Lembro que este é um modelo básico de invocação, você pode e deve complementá-lo com palavras do seu coração. Circe apóia a sinceridade e não se esqueça de falar de maneira intensa e gerando poder.

Em seguida, comece a trançar o pedaço de barbante, chamando pela presença da Deusa. Quando você sentir a presença dela bem forte, apanhe um pouco de ERVA ou do objeto o qual irá utilizar representando seu primeiro pedido e dê um nó ao seu redor com o barbante, tensionando-o e visualizando firmemente sua necessidade.

Repita o processo mais oito vezes até que o barbante tenha nove nós, cada qual contendo um pedaço de madeira ou uma flor. A seguir, leve o barbante ao AR livre, erga-o aos céus e diga:

“Escada de nós, escada do desejo, eu a confeccionei para atrair a mim as necessidades que possuo. Este é o meu desejo, que se faça o que almejo. Assim seja!”

Agradeça a presença de Circe e deixe uma taça de vinho e uma VELA roxa acesa em homenagem a ela em seu altar. Pendure a escada dos desejos num local importante da casa, ou enrole-a ao redor de um castiçal com uma VELA de cor apropriada. As escadas dos desejos não só são eficazes, como também altamente decorativas.




Fonte:Old Religion

sábado, 19 de novembro de 2011

Horas Planetárias



Faça a coisa certa na hora certa!

Muitas vezes, o sucesso de um ritual, negócio ou empreendimento que pedimos como realização imediata depende de uma série de fatores. Um dos mais utilizados, desde a mais remota antiguidade, é seguir esta tabela: A TABELA DAS HORAS PLANETÁRIAS.

Quando acionamos o maior número possível de elementos concordantes com o nosso objetivo, o sucesso é inevitável. Ao fazer o seu Ritual, escolha bem a fase da Lua, observe o trânsito planetário, qual é o melhor dia da semana, o melhor horário, o aroma adequado, a cor de uma vela, etc.

Seu Ritual será potencializado e isto favorecerá a sintonia com os planos mais elevados, facilitando a obtenção de uma resposta mais positiva e imediata.

O Universo agradece!

Domingo - Sol

Horas do Dia
07 às 08 - Sol
08 às 09 - Vênus
09 às 10 - Mercúrio
10 às 11 - Lua
11 às 12 - Saturno
12 às 13 - Júpter
13 às 14 - Marte
14 às 15 - Sol
15 às 16 - Vênus
16 às 17 - Mercúrio
17 às 18 - Lua
18 às 19 - Saturno
Horas da Noite
19 às 20 - Júpter
20 às 21 - Marte
21 às 22 - Sol
22 às 23 - Vênus
23 às 00 - Mercúrio
00 às 01 - Sol
01 às 02 - Vênus
02 às 03 - Mercúrio
03 às 04 - Lua
04 às 05 - Saturno
05 às 06 - Júpter
06 às 07 - Marte
Segunda - Lua
Horas do Dia
07 às 08 - Lua
08 às 09 - Saturno
09 às 10 - Júpter
10 às 11 - Marte
11 às 12 - Sol
12 às 13 - Vênus
13 às 14 - Mercúrio
14 às 15 - Lua
15 às 16 - Saturno
16 às 17 - Júpter
17 às 18 - Marte
18 às 19 - Sol


Horas da Noite
19 às 20 - Vênus
20 às 21 - Mercúrio
21 às 22 - Lua
22 às 23 - Saturno
23 às 00 - Júpiter
00 às 01 - Lua
01 às 02 - Saturno
02 às 03 - Júpiter
03 às 04 - Marte
04 às 05 - Sol
05 às 06 - Vênus
06 às 07 - Mercúrio
Terça - Marte

Horas do Dia
07 às 08 - Marte
08 às 09 - Sol
09 às 10 - Vênus
10 às 11 - Mercúrio
11 às 12 - Lua
12 às 13 - Saturno
13 às 14 - Júpiter
14 às 15 - Marte
15 às 16 - Sol
16 às 17 - Vênus
17 às 18 - Mercúrio
18 às 19 - Lua


Horas da Noite
19 às 20 - Saturno
20 às 21 - Júpiter
21 às 22 - Marte
22 às 23 - Sol
23 às 00 - Vênus
00 às 01 - Marte
01 às 02 - Sol
02 às 03 - Vênus
03 às 04 - Mercúrio
04 às 05 - Lua
05 às 06 - Saturno
06 às 07 - Júpiter
Quarta - Mercúrio


Horas do Dia
07 às 08 - Mercúrio
08 às 09 - Lua
09 às 10 - Saturno
10 às 11 - Júpiter
11 às 12 - Marte
12 às 13 - Sol
13 às 14 - Vênus
14 às 15 - Mercúrio
15 às 16 - Lua
16 às 17 - Saturno
17 às 18 - Júpiter
18 às 19 - Marte

Horas da Noite
19 às 20 - Sol
20 às 21 - Vênus
21 às 22 - Mercúrio
22 às 23 - Lua
23 às 00 - Saturno
00 às 01 - Mercúrio
01 às 02 - Lua
02 às 03 - Saturno
03 às 04 - Júpiter
04 às 05 - Marte
05 às 06 - Sol
06 às 07 - Vênus

Quinta - Júpiter


Horas do Dia
07 às 08 - Júpiter
08 às 09 - Marte
09 às 10 - Sol
10 às 11 - Vênus
11 às 12 - Mercúrio
12 às 13 - Lua
13 às 14 - Saturno
14 às 15 - Júpiter
15 às 16 - Marte
16 às 17 - Sol
17 às 18 - Vênus
18 às 19 - Mercúrio

Horas da Noite
19 às 20 - Lua
20 às 21 - Saturno
21 às 22 - Júpiter
22 às 23 - Marte
23 às 00 - Sol
00 às 01 - Júpiter
01 às 02 - Marte
02 às 03 - Sol
03 às 04 - Vênus
04 às 05 - Mercúrio
05 às 06 - Lua
06 às 07 - Saturno

Sexta - Vênus

Horas do Dia
07 às 08 - Vênus
08 às 09 - Mercúrio
09 às 10 - Lua
10 às 11 - Saturno
11 às 12 - Júpiter
12 às 13 - Marte
13 às 14 - Sol
14 às 15 - Vênus
15 às 16 - Mercúrio
16 às 17 - Lua
17 às 18 - Saturno
18 às 19 - Júpiter

Horas da Noite
19 às 20 - Marte
20 às 21 - Sol
21 às 22 - Vênus
22 às 23 - Mercúrio
23 às 00 - Lua
00 às 01 - Vênus
01 às 02 - Mercúrio
02 às 03 - Lua
03 às 04 - Saturno
04 às 05 - Júpiter
05 às 06 - Marte
06 às 07 - Sol

Sábado - Saturno

Horas do Dia
07 às 08 - Saturno
08 às 09 - Júpiter
09 às 10 - Sol
10 às 11 - Marte
11 às 12 - Vênus
12 às 13 - Mercúrio
13 às 14 - Lua
14 às 15 - Saturno
15 às 16 - Júpiter
16 às 17 - Marte
17 às 18 - Sol
18 às 19 - Vênus
Horas da Noite
19 às 20 - Mercúrio
20 às 21 - Lua
21 às 22 - Saturno
22 às 23 - Júpiter
23 às 00 - Marte
00 às 01 - Saturno
01 às 02 - Júpiter
02 às 03 - Marte
03 às 04 - Sol
04 às 05 - Vênus
05 às 06 - Mercúrio
06 às 07 - Lua

A Cozinha Encantada da Bruxa



Do livro - A casa mágica - Scott Cunningham


Há muitos encantamentos para proteger o cozinheiro, a cozinha e o alimento preparado nela. Um dos mais agradáveis é cultivar um vaso de Aloe vera em uma janela ensolarada da cozinha. Essa planta vem sendo utilizada há muito tempo para aliviar queimaduras e arranhões. Para cuidar de tais ferimentos, corte gentilmente um talho maduro e carnoso, agradecendo a planta pelo sacrifício e esprema o gel do interior da folha sobre a área afetada. A dor desaparecera como magia e, se o gel for aplicado cuidadosamente, a queimadura poderá desaparecer até o dia seguinte.

O Aloe também possui propriedades mágicas. Se for cultivado na cozinha, ele protege o cozinheiro contra acidentes na preparação da cozinha, aplique um pouco sobre os eletrodomésticos, as janelas, as portas e os utensílios para protegê-los também. Se você não puder cultivar o vaso na cozinha, ele poderá ser colocado em qualquer lugar da casa.


Outra proteção popular para a cozinha é pendurar uma réstia de alhos, de cebolas ou de pimentas. Essas réstias podem ser compradas em lojas especializadas ou nos mercados e, além de serem dispositivos protetores excelentes, são também muito atraentes. Se for pendurar uma dessas réstias na cozinha, exclusivamente para proteção, certifique-se de nunca irá utilizá-las para cozinhar, pois o vegetal sorve a negatividade e tonar-se um perigo para os que o comerem.

Uma cabeça de alho ou de cebola colocada no peitoril da janela da cozinha também é uma proteção mágica. Pedaços de vidro emoldurados com chumbo que absorvam a luz do sol, pendurados na janela de uma cozinha ensolarada, também são excelentes dispositivos protetores.

Alguns encantamentos para a cozinha são criados a fim de evitar a fome na casa. Um deles consiste em encher um jarro com alfafa e colocá-lo no armário de mantimentos.

Os utensílios de cozinha possuem naturezas mágicas. No passado, a cada cozinha continha um pilão e um socador. Esses eram os utensílios definitivos para moer e triturar, mas agora foram substituídos por liquidificadores, processadores de alimentos e por outras maquinas de moer.

O pilão e o socador são ricos em simbolismo. O pilão ou sua base em forma de taca representa o principio feminino da criação, enquanto que o socador simboliza o aspecto masculino. Juntos eles criam a mudança.

O pilão também lembra um caldeirão, um utensílio sagrado e mágico. De fato, o pilão e o socador são tão impregnados de magia que, se um conjunto for colocado na cozinha mesmo que nunca seja utilizado, protegera o local. Entretanto, eles são tão úteis que parece um desperdício não utilizá-los. Um pilão é perfeito para moer temperos, castanhas e ervas com propósitos culinários e mágicos. Pratique em um, até que se sinta confortável.

Ao moer, mova o socador no sentido horário, do contrario você poderá, inconscientemente, colocar vibrações negativas naquilo que esta preparando. Alem disso, mantenha pensamentos alegres e saudáveis enquanto mói. Se desejar, centre-se na boa qualidade da comida que esta preparando ou nas virtudes mágicos dos temperos e das ervas a serem utilizados como condimentos.

Se você utiliza um pilão e um socador na preparação de ervas e de castanhas para a culinária, bem como para a magia, mantenha conjuntos separados, a fim de que um pilão no qual azevinho e outras ervas foram moídas, não seja usado para espremer o alho.

Três outros utensílios de cozinha que possuem uma longa historia mágica: a peneira, o coador e o escorredor. Se forem pendurados ou colocados com fins protetores, manterão a cozinha segura. Algumas fontes antigas dizem que, para expulsar os pesadelos, deve-se deixar um coador ao lado da cama enquanto se dorme. Os furos espalham as energias em excesso que podem atormentar o subconsciente.

As trempes (ou descanso de panelas) têm sido utilizadas na cozinha há séculos. Panelas quentes eram colocadas sobre esses utensílios de metal de três pés, os quais eram, freqüentemente, encontrados ao lado das fogueiras de outrora. Vale a pena colecionar as trempes de ferro fundido, as quais estão, rapidamente, tornando-se raridades, pois são repletas de simbolismo e de magia. Os símbolos que geralmente aparecem nas trempes, incluem vassouras, (símbolos de limpeza e proteção), corações, (amor), pássaros (criatividade e liberdade), flores (paixão) e pentagramas (proteção).

O fogão um utensílio de transformação dedicado ao fogo era, e ocasionalmente ainda é, considerado sagrado. Ele deve ser mantido limpo, obviamente, embora essa possa ser a magia mais difícil de ser executada.

Na china, alguns povos acreditam que o fogão deveria estar voltado para o sudeste para obter-se melhores resultados. Devido ao fato de acharem que ele abrigava um deus, atos como chorar, praguejar, cantar, beijar e ate cortar cebolas não podiam ser executados em frente ao fogão.

Alimentos Mágicos




O alimento é mágico e seu poder sobre nós é inegável.

Comer na companhia de outras pessoas ainda é um ato de compartilhar energias, união e confiança.

A maioria dos bolos de aniversário encerra desejos cristalizados de boa sorte.

Cada refeição nos oferece uma chance de mudar a nós mesmos e ao nosso mundo.

Três tipos de energias são usadas na Magia. Elas são:


O PODER PESSOAL - a energia que os nossos corpos possuem;
O PODER DA TERRA - que reside dentro de nosso planeta e dentro das plantas, da água, do fogo, da atmosfera e dos animais;
O PODER DIVINO - que ainda não foi trazido para a Terra em formas específicas.

A vela verde acessa na cozinha, quando preparar seus alimentos mágicos, é uma manifestação física da mudança que deseja realizar.
O verde é um antigo símbolo do crescimento, da prosperidade e da abundância.
Em nosso mundo moderno, também é uma cor do dinheiro e das coisas que o dinheiro pode nos trazer.

Alguns fatores importantes que você deve levar em consideração na magia dos alimentos:

Decida o que você deseja mudar: Mas é somente válido para você mesmo. Pois praticar a magia dos alimentos para alguém, sem o seu consentimento ou conhecimento pode trazer desconfortáveis consequências. Entendendo então o que precisa que seja mudado em você. Automaticamente será mais fácil escolher o alimento ideal para iniciar sua dieta.

Selecione os alimentos que possuem a energia que precisa: Esse é o segundo passo. Escolher o alimento que possui a energia de acordo com o que precisa. Exemplo: Abóbora: cura/dinheiro.

Escolha os alimentos que aprecia: Concorda que numa dieta de perda de peso, quando o nutricionista diz que você deve moderar em algumas coisas e algumas que você gosta você pode manter. Mas com moderação? Pois é, na dieta mágica seguimos a mesma regra. Se o indivíduo tá precisando de uma cura e não gosta de abóbora. Vamos buscar então outro alimento. Por que com certeza, a abóbora não vai ter o mesmo efeito prá ele. E mais três regrinhas que dispensam maiores explicações:



Prepare os alimentos usando a visualização;
Harmonize-se com os alimentos antes de ingeri-los;
Aceite a energia que o alimento está lhe oferecendo.





FONTE: livro "Enciclopédia de Wicca na Cozinha" - Scott Cunningham / circulandomagia.blogspot.com